Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Estádio das Antas – Entre mais antigas existências histórico-patrimoniais na Vida do F. C. Porto


Cada um de nós tem seu abrigo, onde nos resguardamos, qual recanto em nosso íntimo, como gruta de lugar de encontro e deleite. Onde e com quem expandimos o que anda cá dentro, dando largas ao que é parte íntegra de nossos sentimentos. Tal era o caso do Estádio das Antas e agora é o Estádio do Dragão, sítios onde nos sentíamos e sentimos bem, onde nos encontramos melhor, quando podíamos e presentemente quando dá para podermos ver o nosso F. C. Porto no local, ao vivo. 

Assim sendo, na continuidade de fixações memoriais sobre antigas existências históricas e patrimoniais que fizeram parte da Vida do F. C. Porto, revemos alguns aspetos e curiosidades respeitantes ao antigo estádio das Antas.





© Armando Pinto 

»»» Clicar sobre as imagens, para ampliar «««


2 comentários:

  1. Celso o Marcador de Livres

    Reportagem-Maisfutebol: ex-defesa do F.C. Porto tem uma padaria em Fortaleza e inventou o... Pastel Porto

    Saudades são compreensíveis. Celso conquistou títulos atrás de títulos no F.C. Porto. Dois campeonatos nacionais, uma Supertaça, uma Taça dos Campeões Europeus e uma Taça Intercontinental. Foi dragão de 1985 a 1988. Sente-se dragão até hoje.
    «Vivo em Fortaleza, tenho 56 anos e sou um portista dos bons», diz ao Maisfutebol, durante mais um dia de trabalho na Padaria CG. «Tenho este negócio há 19 anos. Apaixonei-me pelos bolos e salgados portugueses e decidi abrir uma panificadora».
    Celso Gavião tirou um curso de pasteleiro e meteu as mãos na massa. «Tentei imitar alguma doçaria portuguesa, mas faltavam-me alguns ingredientes. Então optei por homenagear o F.C. Porto e a cidade Invicta. Criei um pastel de nozes e batizei-o com o nome de Pastel Porto».
    A vida passa devagar no Bairro do Castelão. Celso tem 12 funcionários e aproveita o tempo livre para presidir a uma associação que acompanha os antigos profissionais de futebol do Ceará (AGAP). «Além disso tenho vários imóveis para arrendamento. Não me posso queixar», admite.
    Em Fortaleza, Celso recebe a visita «regular» de dois grandes amigos portugueses. «O Artur Jorge tem casa em Natal e vem ter comigo muitas vezes. O senhor Pinto da Costa também. Esteve cá há poucos anos, levei-o à praia e fui o guia turístico dele na região. São amizades eternas».
    Celso Gavião considera, de resto, Artur Jorge e Pinto da Costa «génios do futebol». «Eu jogava no Bahía e recebi o convite para jogar no Porto. Informei-me com o Dudu, que jogava no Belenenses. Disse-me que ia para um bom clube, mas um clube ainda em crescimento».
    «Em três anos o F.C. Porto passou de clube médio a grande da Europa. Os maiores responsáveis foram esses dois senhores e os jogadores, claro», considera o antigo defesa central.
    Em três épocas nas Antas, Celso fez 78 jogos e dez golos. Os mais importantes foram obtidos em Kiev e em Alvalade, num célebre Sporting-F.C. Porto da época 1985/86. Esse é, aliás, «um dos dois jogos melhores jogos» que fez nos dragões. «O outro foi a final de Viena».
    «Tínhamos de ganhar em Alvalade, sob pena de ficar fora da corrida do título. Eu vinha de uma suspensão. Por isso essa partida era fundamental, para mim e para a equipa».
    Aos 40 minutos, Fernando Gomes sofre falta de Duílio. Celso bate o livre. Com violência. A bola entra ao ângulo superior esquerdo. Vítor Damas voa para nada. «Foi um golaço, né?» Foi, Celso. Um golaço.

    ResponderEliminar
  2. Antas! Não morreu nos nossos corações de Dragão! Perdurará em nós, será um memória que nos emociona. Lá vi o 1.º jogo do FC Porto às costas de meu Pai. Com a Académica (1-0). E lá assisti, pela última vez, a uma grande vitória do FC Porto nas Antas : 4-1 à Lázio! Numa noite em que tive a meu lado a m/Filha no seu baptismo perante as camisolas azuis-e-brancas. Prova de que gerações e gerações de portistas foram felizes nas Antas.
    Abraço.

    ResponderEliminar