Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

“Intermezzo”…


Por se estar a prolongar o tempo de espera forçada, na impossibilidade de contínua partilha de elementos sobre assuntos que nos despertam e movem entusiasmos e afetos, fazemos um género de interlúdio, qual intervalo para preenchimento de espaço de tempo e esclarecimento, em virtude de haver algum material à espera de edição e pessoas a aguardar alguns artigos prometidos. 

Assim fazemos aqui, para o efeito, um AVISO de explicação e justificação, aos amigos da blogosfera: 

Não me tem sido possível, por estes dias, corresponder aos pedidos que estão pendentes, quanto ao envio de algumas imagens e mesmo colocação de alguns posts nos meus blogues Memória Portista e Longra Histórico-Literária (a não ser fotos de arquivo e imagens captadas por fotografia), devido a impossibilidade momentânea de digitalização, por avaria do meu pequeno scanner. Espero corresponder aos pedidos e esperas logo que esteja operacional esse meio de digitalização. 

Entretanto, como se pode ver por imagem com algumas páginas de revistas antigas, mantemos prontos e alinhavados alguns trabalhos, concluído que temos um artigo grande sobre a carreira do antigo ciclista Onofre Tavares e em andamento uma postagem sobre a festa de despedida do Pinga, entre diversos exemplos. Faltando simplesmente a digitalização a partir das gravuras que possuímos, dentre a literatura alusiva. De cujos rostos, mostrando numa visualização geral, deixamos uma amostra, até ao que aprouver. 

Armando Pinto

1 comentário:

  1. Melhor que seja este o motivo do que outro mais pessoal.

    Abraço.

    Remígio Costa.

    ResponderEliminar