terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Um prémio individual… à imagem coletiva da era Młynarczyk.


No vai-vem que, afinal, se vai revelando nestas anotações, como temos procedido sem preocupação cronológica mas apenas rigor Portista, damos desta vez lugar a recordar a atribuição dum prémio individual, num tempo em que essas distinções não eram muito frequentes e apenas os mais salientes chegavam a ter essa graça. Vindo a talhe, sem recuarmos muito (embora o tempo voe e depressa se afaste), lembrarmos esse valente guardião da baliza do F. C. Porto, Józef Młynarczyk, do tempo das primeiras grandes conquistas internacionais, quando o futebol portista verdadeiramente teve entronização no grande cenário mundial. Um polaco de nascença, como era ele, mas que se tornou quase português, tal como toda a gente por cá se afeiçoou a dizer aportuguesadamente “Mlinarzique”. Por assim dizer como Júlio Dantas escreveu na peça teatral d' A Ceia dos Cardeais, proclamando “como é diferente o amor em Portugal”. E o Józef, o nosso Młynarczyk, ficou para sempre na nossa memória, na História do F. C. Porto e do desporto português. 

Armando Pinto 

»»» Clicar sobre a imagem, para ampliar «««

1 comentário:

  1. Grande guarda-redes.
    Nos momentos mais importantes, sempre mostrou uma calma incrível. Aquelas imagens do Mlynarczyk a limpar a neve da cara e a mandar os colegas pra frente são inesquecíveis.
    Bem mereceu todos os prémios que lhe foram atribuídos enquanto cá esteve.

    Abraço

    ResponderEliminar