Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Revista “Dragões” de Abril / 2013

 

Com a Primavera por estes tempos a pender muito para o vermelho velho, com muitas coisas e loisas a voltarem a parecer-se com o que pior se passava antes, o desporto português segue o trilho de retorno a velhos processos, ao que se tem visto e sentido com o Benfica, o clube do regime antigo e do neo-estadual, a ser levado ao colo, envolto em rodoma de proteção e afronta. 

Assim, em vez de se fazer um qualquer canto literário a Abril, ao original e não ao dos políticos nacionais de agora, no sentido lírico do ideal que povoou muitos anseios, há anos (e atualmente desilusões, em muitas gerações prejudicadas do povo comum), vimos antes dedicar um olhar por uma publicação que não se verga ao poderio desportivo central, ainda que em toada leve, sobre cuja existência, desta feita, dedicamos mais algum espaço, no apreço enternecedor que nos merece sempre tudo o que seja do nosso F. C. Porto. 

Como tal, damos agora atenção ao mais recente número publicado da revista oficial do nosso Clube. Aludiindo aqui nova referência, na sequência das anotações que temos vindo a registar, por quanto merece atenção tudo o que nos aproxime mais com o dia-a-dia do mundo azul e branco, nunca é de mais repetir e vincar.

   

Nesse sentido, damos nota da respetiva publicação, abrindo o apetite com uma visão ténue do sumário e páginas dos conteúdos, relativamente ao atual exemplar, nº 321 – ano 27, da revista oficial do F. C. Porto. Correspondente ao corrente mês de Abril de 2013. 

Armando Pinto 

»»» Clicar sobre as digitalizações, para ampliar «««


segunda-feira, 22 de abril de 2013

31º Aniversário da Presidência de Nuno Pinto da Costa no F. C. Porto

 

Aí está mais uma passagem anual comemorativa da entrada de Jorge Nuno Pinto da Costa como Presidente da Direção do F. C. do Porto. Passada há dias a data da eleição, em 1982 e na atualidade da comemoração da tomada de posse, há 31 anos. 

Numa época, como esta, em que o árbitro que marcou o falso penalti recentemente decisivo da taça da cerveja foi premiado com nomeação para ajudar o clube do regime no dérbi lisboeta, como se sabe, e aliás em quase todos os jogos dos encarnados muitos dos seus adversários são obrigados a jogar com menos elementos em campo, não só pela influência dos árbitros e jogadas de bastidores, mas também expulsão de oponentes de dentro do campo… continua a ser preciso Pinto da Costa pujante na defesa do F. C. Porto, se possível à imagem dos tempos heróicos da dupla Pinto da Costa-Pedroto…!

   

Em homenagem a tudo o que está subjacente ao que desejamos sempre e no porvir, recordamos ora um testemunho, o nosso testemunho há anos relembrado numa das publicações oficiais do clube, quando o Conselho Cultural do F. C. Porto tinha a revista Mundo Azul – em cujo n.º 3, referente ao mês de Maio de 2009, ficou a constar também “isto” que anda algures pelos nossos locais da blogosfera Portista, mas nunca será de mais memorar.

 

Armando Pinto 

»»» Clicar sobre as imagens e páginas digitalizadas, para ampliar «««


domingo, 14 de abril de 2013

Albertino: Artista com Alma Portista… entre mais um dos Nomes Portistas do passado sempre presente.

 
Nas horas menos boas se vêm os amigos. Não será bem o caso, mas faz de conta, para bem. Como quem diz, neste facto, quão se entende melhor o que é ter pessoas com o mesmo denominador comum, outros amigos na melhor aceção da palavra. Tal será uma interpretação que damos ao facto de termos passado a ter contacto virtual de facebook com Albertino, aquele jogador habilidoso que jogou com a nossa sagrada camisola de duas riscas azuis sobrepostas em campo branco, porque na hora da tristeza de termos perdido a Taça da Liga de futebol, na negrura noite do sábado passado presente, foi ele um dos comentadores que mais sentimos estar como nós, desanimado mas não derrotado, sabendo ver todos os ângulos e situações… à Portista, como nós nos revemos. 

Ora o Albertino, também, é aquele artista-pintor que já nos habituamos a apreciar no Porto Canal, num mitigar cronológico aos tempos em que o víamos evoluir vestido de azul e branco. Um nome que admirávamos ainda ele andava por outras paragens da bola e foi com uma certa alegria especial que soubemos, in illo tempore, naquele tempo, quando foi dado como certo no F. C. Porto, aquando do seu ingresso no plantel do futebol principal portista. Obviamente sem nos conhecermos pessoalmente, embora eu o reconhecesse de o ver publicamente nos campos de futebol, mais imagens da tv e jornais, e ele muito remotamente possa ter visto a silhueta do autor destas linhas quando éramos colaborador-correspondente do jornal O Porto, na certa entrando-lhe por uma vista e saído logo por outra mais atenta ao esférico do jogo que tinha na cabeça.

   

Por tudo isto, como um nome sempre admirado e apreciado no nosso Portismo e sensibilidade artística, damos desta feita a vez para o homenagearmos, neste cantinho de memórias clubistas. Recordando, para o efeito, um livro que lhe foi parcialmente dedicado na então coleção Ídolos, num tempo em que essa continuidade editorial era já repartida em cada livro por dois jogadores, cabendo a Albertino e a Oliveira - que então estavam, cada qual, no F. C. Porto e no Bétis de Espanha, respetivamente - o nº 16 da 2ª série (de H. Parreirão), em Dezembro de 1979. Com lugar de destaque, em primeiro, dado ao Albertino Pereira, o portuense Albertino Eduardo Ferreira Ventura Pereira que fazia então parte duma das grandes equipas do F. C. Porto no tempo de Pedroto. 

Desse documento histórico-literário recordamos as páginas dedicadas a Albertino. Com muita consideração e apreço, enquanto adepto Portista, sentindo o F. C. Porto, ainda que com relativa distância física, mas muita proximidade afetiva.

   

   

 



  1.  
 Armando Pinto

»»» Clicar sobre as imagens, para ampliar «««

sábado, 13 de abril de 2013

Taça da Liga...


TAÇA DA LIGA... a tal... ainda não foi desta. 
...Também o jogo havia logo de calhar num dia 13... e com um azar (esse com outro nome) dos de antiga memória, tal a nomeação dum árbitro dos que mais prejudicam o F. C. Porto, por sistema... Mas lamenta-se esta perda, que entristece os bons desportistas, por, apesar do F. C. Porto não ter feito um bom jogo, ter acabado por haver um vencedor que nada fez de especial para isso. E logo com um penalti duvidoso... e com o Porto obrigado a jogar toda a segunda parte com menos um jogador - com 10 contra mais de 11...! 

De qualquer modo foi uma tristeza, acabando assim a série vitoriosa do clube. Notando-se, por outro lado, que falta raça à nossa equipa, à maneira de fazer das tripas coração... como é apanágio do Porto.

Pese esta realidade - que se deseja sirva de lição e incentivo para dentro do balneário - mantém-se a supremacia do F. C. Porto, que a nível de comparação entre clubes portugueses, se mantém com mais provas conquistadas no total, perante a soma de 72 competições de futebol sénior, enquanto o mais direto adversário, Benfica, continua a só fazer 69...

No caso do jogo deste sábado, foi o que se sabe. Perdendo-se a hipótese de vencer, como até aqui acontecera, as finais disputadas frente ao Sporting de Braga. Verdade desfeita agora ao quinto duelo entre os clubes maiores de Entre Douro e Minho, para a Taça da Liga, no Estádio Cidade de Coimbra.

 

Antes, é de recordar, no plano memorial, frente aos "arsenalistas", os "Dragões" venceram duas edições da Taça de Portugal, uma Supertaça e, mais recentemente, há duas épocas, uma Liga Europa, no que foi a primeira e até agora única final europeia entre duas equipas lusas.

 

No meio disso, a conquista mais importante, no âmbito internacional, foi a Liga Europa, a tal cuja baliza onde entrou o golo vitorioso irá fazer parte do museu do Dragão, num  futuro já algo próximo… Foi a 18 de Maio de 2011, em Dublin, capital da República da Irlanda, com o tento do avançado colombiano Radamel Falcao a valer saboroso triunfo (1-0) ao mundo azul e branco representado pelo “onze" então orientado por André Villas-Boas.

 
 

Foi essa a quarta vitória do F.C. Porto sobre o Sporting de Braga em outras tantas finais, até então, sendo que a primeira, para a Taça de Portugal, se realizou precisamente 34 anos antes de Dublin, a 18 de Maio de 1977, e também foi decidida com um tento solitário, mas inteiramente justiceiro.

 

Nesse jogo, em pleno Estádio das Antas, como local antecipadamente aprovado oficialmente para o encontro, os "anfitriões", orientados pelo Mestre José Maria Pedroto, ganharam por 1-0, graças a um golo do "bi-Bota de Ouro" Fernando Gomes, aos 52 minutos, de cabeça, após cruzamento de Duda.

   

Os dois clubes nortenhos voltaram a encontrar-se, entretanto, na final da Taça de Portugal em 1997/98, aí no Estádio dito Nacional de Oeiras, no Jamor de Queijas, arredores de Lisboa, onde o "onze" de António Oliveira se impôs por 3-1, num embate recordado sobremaneira pelo terceiro golo, num bonito pontapé de bicicleta executado por Artur, avançado brasileiro que com aquele toque de artista sentenciou o resultado, a juntar aos golos portistas de Jardel e Aloísio.

 

Meses depois, como o F.C. Porto se sagrou campeão, seguiu-se o confronto natural para a Supertaça portuguesa, que à época se disputava a duas mãos. Assim o F. C. Porto levou a melhor logo na primeira nas Antas, com triunfo por 1-0, graças a um golo de Zahovic, aos 48 minutos. Seguindo-se um empate de confirmação no jogo derradeiro, à segunda mão, no Estádio 1.º de Maio em Braga, onde os portistas selaram praticamente o troféu aos 69 minutos, com um tento de Capucho, adiantando-se a um posterior de consolação, aos 80, com que o Braga ainda restabeleceu a igualdade, porém sem já nada valer para o lado da cidade dos arcebispos.

 

 

Fica assim para a história tudo isso e a célebre e mais importante Taça Europa, que essa foi e é nossa.

Depois... Aconteceu agora uma das derrotas inesperadas que por vezes surgem, com erros e desvios... Como foi hoje, na noite deste sábado, dia 13 de Abril de 2013, em que, passando duas épocas após o histórico duelo de Dublin, o F.C. Porto e o Sporting Bracarense jogaram nova final. Esta a mais infeliz, na verdade, como taça da cerveja que continua a ser...tratando-se duma taça considerada menos importante, como quarta prova em hierarquia de importância das competições futebolísticas em Portugal. Mas que conta sempre.   

Contudo, melhores dias virão... como os anteriores, que sabe sempre bem recordar!

 Armando Pinto

 »»» Clicar sobre as imagens, para ampliar «««

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Intermitência…

 

Numa das chamadas nuances da vida, quanto a variações e diferentes fases, porque há sempre alterações que vão surgindo, chega mais um período, ainda que ténue, de momento intervalar na continuidade às mensagens aqui já usuais, à partilha e convívio virtual na transmissão regular destas loas do nosso espírito Portista. Por nada de menor nem maior força motivacional ou desfalecimento, felizmente, mas simplesmente por uma espécie de intermitência necessária, em espaço e frequência. 

Ora, isto porque simplesmente retomamos o trabalho profissional, ainda na área administrativa, logo a situação até agora passada é relativamente alterada. Naturalmente pelas atuais situações ditadas pelo estado da nação, derivado a não serem atribuídas agora aposentações a quem ainda resiste em estar vivo… Assim, para não se forçar a máquina física, a partir de agora deveremos passar a outras funções, menos “stressantes”. Aliás, a nosso pedido (neste aspeto) num outro local de trabalho, embora dentro do mesmo serviço, continuando na área de administrativo de saúde mas mais em missão de retaguarda, num centro diferente, para variar. Uma situação que aludo apenas aqui, aos amigos da blogosfera Portista, por meio informático e (para não chegar a todo o mundo do facebook, por exemplo) só neste nosso blogue. Aos amigos e leitores que por aqui vão passando e se inteirando do que mais nos une.

Deste modo, entenda-se, poderá escassear algo das evocações aqui colocadas, de quando em vez. O que referimos para descanso de amigos e eventuais interessados. Contudo com a promessa de sempre que for possível por aqui passarmos e quanto possível continuarmos. Que o mais certo será a manutenção, pois - tal como Inês até falava do nome de seu Pedro às ervinhas - quem gosta de um ente, gosta de falar e dizer bem dele, como no nosso caso, aqui, sobre o nosso F. C. Porto. Desde há muitíssimo tempo…

   

Para abrir este período de breves intervalos (apenas porque haverá menos tempo e disposição, obviamente), nada melhor que umas imagens de interlúdio, a espaçar o tempo, como quem vai ao baú e pega em recordações, daquelas que serão capazes de ligar o tempo... Quão transportam revestidas umas quantas fotos antigas, essas aí acima... que aqui mostramos, sobre outros tempos dum adepto entusiasta, sempre Portista… ardentemente. 

Armando Pinto