Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

quarta-feira, 12 de março de 2014

Duda: um dos exemplos de “Jogador à Porto”…


Tem estado presente, nesta época ainda em curso, perante o menor desempenho da equipa principal de futebol do F C Porto, uma determinada realidade consequente, através de consubstanciadas considerações sobre a postura de alguns futebolistas dos que atualmente envergam as camisolas de listas azuis e brancas. Fazendo isso recordar alguns outros, dos que noutros tempos deram “o litro”, como se costuma dizer, de seu suor… Daqueles cantados no poema Aleluia, de Pedro Homem de Melo:

« DERAM TUDO POR NÓS ESSES ATLETAS
SEU TRAJO TEM A COR DAS PRÓPRIAS VEIAS
E A BRANCURA DAS ASAS DOS POETAS… »!

Ora, então para melhor se definir um desportista-Portista, entre os que representaram ou ainda desempenham a  interpretação do carácter do clube-Dragão a grande nível, nos cenários de jogo e em plena luta pela defesa das cores azuis e brancas, costuma-se dizer que tais atletas, dos nossos, são jogadores à Porto. Por simbolizarem a mística Portista, pondo em campo todo o empenho e amor à causa.


Pois um dos exemplos, assim, por quanto se esforçou e deu de seu melhor pela camisola das duas listas azuis que vestiu, foi o brasileiro Duda – aquele polivalente e abnegado Duda do tempo do treinador Pedroto, um dos que se cobriu de glória na conquista do tão ambicionado título nacional que fugia há cerca de 19 anos e foi finalmente alcançado em 1977/78, além de ter ainda estado também no Bi-campeonato de rajada conseguido em 1978/79.


Duda, nome de guerra de José Francisco Leandro Filho, era um futebolista que não dava muito nas vistas mas ocupava o campo quase todo, senhor de garra aliada à técnica, como se salientava. Numa noite internacional inesquecível, contra o Manchester United, nas Antas e para as competições europeias, mais precisamente na então existente Taça das Taças, marcou três golos na goleada de 4-0 que ficou célebre. Depois, volvidas duas épocas, em 1979/80 contra o Milão, para a Taça dos Campeões Europeus, calou o estádio de S. Siro com um monumental golo de livre a grande distância. Contra o Benfica não se fez rogado  e, entre casos vários, fez o gosto ao pé com um golo que emudeceu o antigo estádio da Luz, na tarde em que um benfiquista partiu a perna ao portista Marco Aurélio. E contra o Sporting por várias vezes fez das suas, contribuindo com exibições e golos para a série dos bons resultados nos confrontos com os leões, em seu tempo de “jogador à Porto”.

Ficou dentro do F C Porto detentor de especial folha de bons serviços, como polivalente, tanto sendo médio como avançado. Em cinco épocas, de 1976/77 a 1980/81, foi duas vezes campeão e ganhou uma Taça de Portugal, em 1976/77, em cujo período disputou 112 jogos (segundo dados normalmente referidos), tendo ainda marcado 35 golos.

= Clicar sobre a imagem, para ampliar =

Armando Pinto

Sem comentários:

Enviar um comentário