sábado, 31 de janeiro de 2015

Evocação do 31 de Janeiro… de 1971 - à Porto!


Há  44 anos, precisamente, o 31 de Janeiro, que hoje ocorre neste sábado, então foi ao domingo. Ficando-nos na retina o que se passou nesse belo dia, num lindo domingo de sol de inverno. E, esse, foi realmente um 31… para a história. Não o 31 de Janeiro antigo, também levado a cabo na cidade do Porto, da revolta política pela liberdade social, uns anos antes da proclamação da República; mas no âmbito desportivo, muitos anos volvidos, quando Portugal era quase só Lisboa e o resto paisagem, à imagem do regime político e desportivo salazarista.  

= Plantel do F C Porto nessa época, dos 4-0 ao Benfica...

Ainda há poucos dias, em texto publicado, aqui rememoramos parcialmente esse acontecimento, por entre as “Memórias PortistasPersonalizadas”:

- …Entretanto, entre tantas recordações, nunca mais poderá ser esquecido que, apesar do poderio da organização do desporto estar em Lisboa, com tanto faciosismo decisivo, em tempo de ditadura do Terreiro do Paço, de vez em quando o F. C. Porto ia conseguindo contrariar as injustiças e, quantas vezes, impor-se mesmo, em futebol jogado... Como aconteceu com uns célebres 4-0 ao Benfica, nas Antas, com quatro golos de António Lemos, na tarde soalheira do domingo que era último dia de Janeiro de 1971.

Porque do facto já colocamos diversas referências memoriais, por quanto relembramos em ocasiões anteriores essa grande vitória, apenas focamos agora a recordação correspondente à efeméride do dia, neste dia em que trazemos à memória pública uma lembrança dessa inesquecível vitória por 4-0, com quatro golos de Lemos.

Armando Pinto


Um texto interessante... a propósito dos efeitos do antigo regime !


Seis milhões de benfiquistas ou o centralismo terceiro-mundista português

Texto de Gabriel Leite Mota • 30/01/2015 in “Público”

« É voz corrente dizer-se que o Sport Lisboa e Benfica tem cerca de 6 milhões de adeptos em Portugal. Apesar de essa ser uma estatística não verificada, a verdade é que o Benfica é, claramente, o clube com mais adeptos no país. A afluência aos estádios nos jogos do Benfica, seja em que terra for, é um bom exemplo dessa realidade.

Tal facto costuma ser motivo de orgulho benfiquista (diga-se, de passagem, que não entendo bem porquê: é que a valia de um clube desportivo mede-se pelo seu sucesso desportivo, não pelo número de adeptos ou associados). Porém, esse mesmo facto devia ser motivo de vergonha nacional: é que este dado estatístico é uma consequência directa da história de Portugal, nomeadamente do Estado Novo, e é um espelho do nosso atraso civilizacional e da nossa doença centralista.

Salazar foi um ditador tacanho e provinciano que sempre temeu o desenvolvimento urbano e industrial da nação, pois temia a formação de movimentos operários. À custa desse temor, condenou o país a um atraso civilizacional, deixando apenas que se vissem vislumbres de urbanismo em Lisboa. O resto do país era paisagem rural.

É essa assimetria entre Lisboa e o resto do país, associada aos consequentes sucessos desportivos do Benfica durante os anos 60, que faz de Portugal um caso de estudo na Europa: é que não há, nos outros países da Europa civilizada, tal concertação de adeptos num só clube.

Nos outros países da Europa, mesmo nos pequenos, as pessoas são adeptas do clube da terra onde nasceram. Nasceu em Bruges, é do Club Brugge K.V., nasceu em Eindhoven é do PSV (nunca do Ajax). Nos grandes, então, nem se fala: nasceu em Valência, é do Valencia Club de Fútbol, nasceu em Birmingham, é do Aston Villa Football Club. Não passa pela cabeça de nenhum marselhês defender o Paris Saint-Germain, é expatriado o catalão que defenda as cores do Real Madrid, é cunhado de louco o nado em Liverpool que suporte o Arsenal FC, é condenado ao degredo o napolitano que defenda o AC Milan.

Entusiasmo pela terra
Em Portugal, tristemente, é fácil ver bracarenses, flavienses, vimaranenses, farenses, leirienses, coimbrões ou até (imagine-se) portuenses, a defendem as cores do grande da capital em vez de defenderam as cores dos seus clubes locais. Felizmente, em Braga e em Guimarães há um renovado entusiasmo com os clubes da terra (o que aponta na direcção do que sempre devia ter acontecido) e, no Porto, os benfiquistas sempre foram uma minoria.

Enfim, nunca nos podemos esquecer que todos os clubes são regionais, locais. Essa é a sua natureza, esse é o seu racional. Até os nomes costumam ser elucidativos: Sport Lisboa e Benfica. É o clube desportivo de um bairro/freguesia da cidade de Lisboa. Por que diabo deve um vila-condense exaltar essa freguesia Lisboeta? Futebol Clube de Porto. É um clube de futebol da cidade do Porto. Por que raio há de um aveirense defender o FC Porto antes do defender o Beira-Mar?

Sei bem que o sucesso de um clube consegue cativar aqueles que gostam de seguir os vencedores mais do que os da sua terra. Por isso, os clubes que vencem muito têm adeptos de todo o lado. Mas o dado mantém-se: o grau de concentração de benfiquistas em Portugal é uma excentricidade de que todos nos devíamos envergonhar…»

Nota aqui do autor da página:

No nosso caso pessoal, o ser-se Portista, também foi uma forma de lutar contra o tal centralismo, sendo o Futebol Clube do Porto representante do distrito e diocese do Porto, da capital do Norte e o clube da província que dava luta aos grandes da capital. Tendo ganho dimensão que hoje suplanta tudo e todos… para inveja dos que não ganham tantas vezes como o F C Porto tem vencido!


Armando Pinto) 

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Tributo Póstumo em Imagens - a Norberto Alvim, do Hóquei Portista

NORBERTO CARDOSO ALVIM

Enfileirando na equipa campeã nacional de seniores de 1985 

No "banco dos responsáveis" durante a 2ª mão da final Europeia da conquista da Taça dos Campeões Europeus de 1986.

... E, depois, no regresso, à chegada a Lisboa, comemorando na Casa-Delegação do F C Porto.

Na equipa dos Campeões Nacionais de 1992

No organograma da folha da estrutura da secção de HP do FCP de 1993

Gravura incluída na "Coleção Oficial"  de cromos " F C Porto 1893-1996"

No lote (sequência de fotos) de vencedores dos campeonatos de Juniores, Juvenis e Infantis, de 1996, com as faixas de Campeões Nacionais.

Foto da equipa vencedora da Taça CERS em 1996

Armando Pinto

(((Clicar sobre as imagens, para ampliar )))



domingo, 25 de janeiro de 2015

Faleceu Norberto Alvim


Há pessoas que, mesmo sem conhecermos pessoalmente, nos são familiares por algum motivo especial. Como, no caso pessoal, quem esteve ou esteja ligado ao F C Porto é do nosso conhecimento afetivo, no seguimento atento à vida portista, entre nomes e feições que sempre nos dizem muito. Tal o facto de um nome que, soubemos agora, deixou ontém o número dos vivos, sendo personagem do F C Porto.

Ora, chegou-nos hoje a infausta notícia do falecimento de Norberto Alvim, senhor que era conhecido especialmente como massagista do hóquei em patins do F C Porto. Massagista e fisioterapeuta, como era referido por vezes, ou simplesmente enfermeiro. Uma figura portista que conhecíamos, como tal, de o ver na assistência aos hoquistas do F C Porto.

Sendo o hóquei em patins uma modalidade que sempre nos despertou atenções e, em tempos, no seu seio, pudemos acompanhar de perto alguns dos grandes valores do passado, que muito admiramos como hoquistas que vestiam a camisola azul e branca, ali se granjeando mutuamente boas amizades, recebemos assim esta comunicação, como adepto, que nos apressamos a comunicar ao mundo azul e branco.

Por acaso, esta tarde a equipa principal do hóquei patinado portista, ao vencer no difícil reduto da Oliveirense um jogo deveras importante, pôde oferecer espiritualmente um triunfo à memória do antigo massagista do hóquei.

O funeral de Norberto Alvim realiza-se amanhã, segunda-feira. Mas não sabemos, de momento, ainda, mais nada, quanto a pormenores informativos. Contudo (tal como em tempos fizemos com outras figuras do clube, como o massagista Lopinhos, por exemplo), aqui o autor deste blogue, logo quer seja possível, vai ver se consegue dedicar um artigo evocativo com alguma propriedade, dedicado a Norberto Cardoso Alvim.

Entretanto, apresentamos nossos pêsames à família e a todo o pessoal da secção hoquista do F C Porto.

Paz à sua Alma!

Armando Pinto

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Memórias Portistas Personalizadas


Este é um espaço com alcance do que é aqui do autor. E que partilho com correligionários – porque o F C Porto é como uma religião, em que cremos e assumidamente professamos. Sendo a existência Portista algo especial.


Ora a História do F C Porto mistura-se com nossa vivência, sendo muito de nossos dias passados a pensar no que é para nós o F C Porto, a acompanhar tudo o que respeita ao F C Porto, a seguir o dia a dia portista. Como tal, aqui a memória Portista associa-se à vida do F C Porto, como memória personalizada… de quão intercalamos a vivência do mundo azul e branco com o quotidiano pessoal… passando a recordar o percurso paralelo vivido.

Claro que primeiro que tudo está a honra do F C Porto ser um clube desportivo muito antigo, com um glorioso historial. Fundado em 1893, é o clube de futebol presentemente mais antigo de Portugal - por muito que os adversários não gostem de reconhecer a verdade.


(Estas memórias personalizadas foram inicialmente descritas no anterior blogue pessoal, sendo esse artigo um dos "posts" que levaram adeptos mouros a atacar “virolentamente”o mesmo blogue, o “Lôngara - Actividade Literária e Memória Alvi-Anil”, com ameaças e por fim violação da publicação através de vírus, de modos que conseguiram anular a respetiva existência no espaço da blogosfera. O que nos leva aqui e agora, com mais palavra ou menos fraseado, a repor esta mesma narrativa, neste blogue sucessor!)

Assim sendo, começamos pelo ano de nascimento do autor… a remexer nos arcanos da memória.



1954 – Dobrado o meio do passado século XX, foi tempo de nascimento dum Portista. Cujo ano foi também tempo em que, entre outros exemplos, foi colocada na Praça da Liberdade, no Porto, a estátua de Almeida Garrett, escritor portuense, lutador por um ideal de política social no país, recuperador de memórias pátrias e impulsionador do teatro português, um verdadeiro personagem da história nacional. Nesse mesmo ano de 1954 realizara-se no Porto uma católica Marcha de Silêncio, em solidariedade às Igrejas de Leste, dentro das Igrejas que sofrem, no caso a reivindicar cidadania e liberdade religiosa ante a política antidemocrática da Polónia, ao tempo, num reflexo dos novos ventos que começaram a soprar, com a entrada de D. António como Bispo do Porto. Tendo, depois da famosa carta a Salazar, mais propriamente Pró-Memória de 1958, então sido entendida aquela manifestação anterior, da marcha, como uma inicial abordagem contra o regime do Estado Novo – embora na época a oposição democrática, conforme posição escrita de uma fação, tivesse entendido aquilo ao contrário, atendendo ao facto de haver ideia política de que as cúpulas eclesiais estavam comprometidas, nesse tempo...

E, ao mesmo tempo, em 1954 a equipa de futebol principal do Futebol Clube do Porto integrava, com maior utilização, o guarda-redes Frederico Barrigana, famoso “mãos de ferro”, o defesa Virgílio Mendes, o Leão de Génova e durante muitos anos recordista português de internacionalizações na Seleção A (em tempo de escassos jogos disputados, a nível de Seleções), mais Miguel Arcanjo, Vale, Carvalho, Porcel, Albasini, Eleutério, Henrique Monteiro da Costa, José Maria, António Teixeira, o famoso Hernâni Silva, Carlos Duarte, Fernando Perdigão e José Pedroto; como também Osvaldo Cambalacho, Dell Pinto, Sarmento, Vieira e Romeu.


Nessa época o F. C. Porto não foi campeão nacional de futebol (o que veio a ser  de seguida em 1955/56 e depois em 1958/59), mas sim, nesse ano de 54, em Andebol de Onze, modalidade em voga ao tempo, na qual foi campeoníssimo com títulos a eito, anos a fio. E em Andebol de Sete, variante que era recente no país, nesse tempo. Mas, porém, no futebol sénior, naquele ano, o FCP venceu a taça de inauguração do estádio do Benfica, pois foi a Lisboa vencer o Benfica, em futebol de primeiras, como se denominava à época as formações de honra, na inauguração do então ainda chamado Estádio de Carnide, o depois (antigo e originalmente) denominado Estádio da Luz, trazendo para as Antas o artístico trofeu em disputa (na permuta, relativamente à presença do Benfica na inauguração do Estádio das Antas, em 1952).


Não se pode escamotear, porém, que, conforme até “disse” a imprensa, o F. C. Porto só não venceu o campeonato de 1954, como noutras ocasiões, aliás, por fatores por demais estranhos ao próprio jogo. Repare-se, a título de exemplo, do que veio (em edição impressa muitos anos volvidos) ainda, pasme-se, numa publicação do jornal A Bola, de Lisboa, in “50 Anos do desporto português”: «1954-Janeiro-30 - Jogo de importância transcendente na luta pelo título, em Alvalade: Sporting-Porto... com vitória do Sporting por 2-1. Muito polémico o 2º golo do Sporting, por Vasques..» Curiosamente, do mesmo “lapso”, o Jornal de Notícias, do Porto, publicou na ocasião uma foto a mostrar o “crime”, de quando o mesmo avançado leonino se antecipou e enfiou a bola nas redes com um soco...Tendo, por isso, o JN sido impedido de entrar em Alvalade durante uns tempos...! Ainda, segundo a anteriormente referida publicação d’ A Bola, por ironia estranha também, «o árbitro era Inocêncio Calabote, que algum tempo depois mais tragicamente famoso ficaria...» (com o célebre prolongamento escandaloso de inesquecível jogo SLB-CUF, na tentativa de o Benfica marcar os golos que precisaria para poder suplantar o F.C. Porto no desempate por golos, em 1959).

Por esses e outros tempos, tem de se ter em conta essas particularidades que enfermaram o país em eras passadas, de que naturalmente ficaram resquícios pelos tempos fora. Anote-se, ainda da mesma publicação, anteriormente referida, como meros exemplos de reforço, as seguintes passagens: «1948-Setembro-15 – Em nome de outros valores, a Direção Geral dos Desportos autorizou Capela e Castela a transferirem-se do Belenenses para a Académica por, no pedido, terem alegado a condição de estudantes. Mas com uma limitação que haveria de fazer doutrina. No caso de saírem da Associação Académica de Coimbra, teriam de regressar ao antigo clube, equiparando-se a situação à do serviço militar. Com essa decisão do ministro da Educação (em tempo de Salazar e Estado Novo) se terá frustrado a verdadeira intenção de Castela se transferir para o F. C. Porto...». E «1956-Fevereiro-12 - «O F. C. Porto saiu da décima oitava jornada do “Nacional” com o mesmo ponto de vantagem sobre o Benfica, simplesmente porque, em Évora, o árbitro Jacques Matias, de Setúbal, permitiu que o benfiquista Ângelo marcasse o golo da vitória já vários minutos para além da hora, ignorando por completo, durante todo esse lapso de tempo, os sinais do seu fiscal de linha, indicando-lhe o final do tempo regulamentar. Os benfiquistas marcaram e, então, sim, deu o jogo por findo...»!


Por essas e por outras, ficou então célebre aquela tirada do Hernâni, o malabarista da bola e senhor do futebol (que era ao tempo o “Capitão”, como autêntico General do Porto), de que ao F. C. Porto não bastava só ter uma equipa tão boa ou melhor que a dos outros, mas sim teria de ser muitíssimo superior, para poder lutar contra as arbitragens e os jogos de bastidores, pelo que um campeonato ganho pelo Porto valia, na realidade, por dez dos adversários rivais... E, como dizia Alves Teixeira amiudadas vezes no antigo jornal “O Norte Desportivo”, o grande goleador Artur de Sousa “Pinga”, famoso ídolo dos anos trinta e quarenta, do séc. XX, só não tem sido considerado o melhor futebolista português de todos os tempos porque jogou com a camisola do Porto!

= Troféu Pinga, antecessor do Dragão de Ouro, foi dentro do F C Porto galardão de reconhecimento clubista com o nome do mais famoso futebolista portista de tempos antigos =

No ano de 1954 estava como Presidente do F. C. Porto o Dr. José Carvalho Moreira de Sousa; o Pároco de Rande era o Padre João Ferreira da Silva; era Papa Pio XII; a Patriarca da Igreja portuguesa estava o Cardeal D. Manuel Gonçalves Cerejeira; o Bispo do Porto era o mítico D. António Ferreira Gomes; o Presidente da República de Portugal era o Gen. Francisco Craveiro Lopes; enquanto Presidente do Conselho de Ministros obviamente o Dr. António Oliveira Salazar.


Por esses tempos, dos inícios de frequência pública local, por volta de 1960 quando já ia à “doutrina” (catequese) e principiei a interessar-me por ouvir falar do Porto, quem venceu a Volta a Portugal em bicicleta foi o ídolo Sousa Cardoso, do F.C.Porto, em tempo em que ainda corria com a camisola azul e branca o ciclista Felgueirense Artur Coelho


Tal qual quando então passei a colecionar cromos, os “macacos” de ases da bola, a equipa de futebol principal do F. C. Porto era composta por uns Américo Lopes, Virgílio, Arcanjo, Mesquita, Barbosa, Paula, Ivan, Luís Roberto, Monteiro da Costa, Carlos Duarte, Serafim, Jaime Silva, Custódio Pinto, Azumir, Hernâni... E Azumir, artista no ataque, foi o melhor goleador do campeonato em 1961/62, conquistando o galardão da Bola de Prata.


Os referidos cromos, de gravuras dos jogadores de futebol, vinham embrulhados em rebuçados baratos, a tostão, ou seja um centavo (em tempo de moeda do Escudo) – coisa que agora, com a moeda em Euros já não tem equivalência, pois a mais baixa unidade, de 1 cêntimo, corresponde a dois antigos escudos. Recordando-se que um escudo andava à volta de cem centavos ou tostões, como se dizia popularmente, num enquadramento aos tempos que correm, da primeira década do século XXI, em que um Euro equivale a duzentos escudos de antigamente (1 E = 200$00 arredondados, mais precisamente 200, 482 escudos, na ocasião da entrada da moeda Euro, em 2002). E, naquele tempo, nos anos sessentas, com um tostão até se comprava bem mais coisas, também, bastando saber que com uma coroa, de cinco tostões (centavos), já se comprava um doce na padaria (equivalente aos pastéis de hoje em dia, que custam em média oitenta cêntimos, cerca de cento e sessenta escudos antigos), para o que servia a coroa que se ganhava em ir na “Cruzada” aos enterros... como se passava na ida aos funerais que iam havendo pela localidade, integrando o grupo da Cruzada Eucarística local. 

= Pinto e Festa - dois dos ´grandes representantes do futebol portista em meados dos anos 60´s =

Depois, enquanto memorização dos inícios da década de sessenta do século XX, entre jogatanas no recreio da escola e andanças pelos caminhos da Longra, apareceram aos ouvidos, nas conversas sobre futebol, os nomes de uns Festa, Nóbrega, Almeida, Alípio, Joaquim Jorge, Valdir, Atraca, Vasconcelos, Rolando... dos que foram passando a envergar a linda camisola azul e branca. Enquanto o grande ídolo desse tempo, o guarda-redes Américo, ganhou em 1963/64 a primeira “Baliza de Prata”, trofeu então instituído para premiar o guardião mais regular, sendo ele o menos batido (havendo sofrido só 17 golos em 25 jogos, enquanto Carvalho do Sporting encaixou 19 em 23 jogos e Costa Pereira do Benfica 24). Ao passo que na Volta a Portugal, na sequência desses anos, se sucederam vitórias por Mário Silva, José Pacheco e Joaquim Leão, ciclistas de azul e branco vestidos.

= Américo, ao receber o troféu Baliza de Prata =

Nesses tempos o fenómeno desportivo despertava já atenções, pese as diferenças, porque o futebol não atingira as proporções atuais e no seio dos grandes clubes desenvolvia-se ainda o ecletismo, que levou a que no F C Porto o ciclismo dominasse muitas preferências, nessas eras. Algo hoje visto com outras dimensões, em tempos de SAD’s. Porém sempre sendo das coisas de que se gosta, de matéria relacionada a um atrativo na vida. Pois... Como escreveu o poeta Rui Belo: «Quer-nos parecer que começa a ser tempo de o intelectual ou o artista irem perguntando a si próprios por que motivo o público que lhes falta esgota as lotações dos estádios...» Coisa que, atualmente, já se terá de acrescentar o muito público que se prende às transmissões televisivas de jogos de futebol e lê jornais desportivos, por quanto as enchentes nos estádios acontecem presentemente mais nos chamados jogos “clássicos”, embora nomeadamente por culpa do custo de vida, sobretudo.

= Plantel do futebol sénior do F C Porto em 1968 =

Por esses lustros, chegou-se a viver, em 1966, uma oportunidade excecional do futebol português, que antes se sentia diminuído ante os estrangeiros. No Mundial de Inglaterra (em que do F. C. Porto só jogou Alberto Festa, enquanto Custódio Pinto e Américo fizeram parte do lote dos 22 convocados, mas não foram utilizados), aí, Portugal obteve um inesperado 3º lugar; e só não foi mais além por determinados erros, o mais grave dos quais a teimosia de não ter sido posto a jogar o melhor guarda-redes português desse tempo, só porque era o Américo do Porto... Então o resultado esteve à vista: Primeiro nos três golos sofridos perante a Coreia do Norte, nos quartos-de-final, mas então ainda valeu a cavalgada de Eusébio, que deu a volta à situação para a vitória obtida, por 5-3. Depois nos dois golos sofridos, de forma estranha, no 1-2 diante da Inglaterra nas meias-finais, originando choro desconsolado... Como depois o próprio guarda-redes Costa Pereira (guardião benfiquista, então em fim de carreira), no seu papel de comentador na televisão, reconheceu, indicando que José Pereira, do Belenenses, «não esteve à altura dos acontecimentos e o valor de Américo garantia outra confiança»...! Acontecendo tal dislate porque imperava o sistema BSB (das presidências reservadas apenas a representantes de Benfica, Sporting e Belenenses), e ao tempo o presidente federativo era do Belenenses. E a evidência é que, depois de mais um jogo após o Mundial/ 66 com nova e concludente prova dos nove, a partir de então Américo passou a titular da seleção portuguesa, durante todos os jogos da equipa das quinas em 1967 e 1968, até ter sofrido lesão que o afastou dos campos de futebol.

= Américo e Pinto no apoteótico regresso do Mundial de Londres, na caravana que andou no meio da multidão lisboeta...

(Relativo ao caso, de Américo e do Mundial/66, vem na “Enciclopédia do Desporto”, volume 1, da edição de 2003 da Quidnovi, que Américo, «após ter revelado uma regularidade notável, foi com alguma surpresa que não foi utilizado... O futuro encarregou-se de revelar o seu devido valor, quando o selecionador nacional, passados alguns anos, confessou que o seu grande erro em Inglaterra foi não o ter colocado na equipa em vez de José Pereira, quando retirou o sportinguista Carvalho... E, para culminar a sua carreira, ainda na temporada de 1968, Américo venceu a primeira classificação de regularidade alguma vez instituída em Portugal, o Prémio Somelos...», a premiar o melhor atleta da época.)

Entretanto também, em futebol, o F. C. Porto venceu em 1968 a Taça de Portugal, com triunfo diante do Vitória de Setúbal por 2-1, na Final disputada no Jamor, através de golos de Valdemar e Nóbrega, sendo a restante equipa composta com Américo, Bernardo da Velha, Atraca, Rolando, Pavão, Jaime Silva, Custódio Pinto, Eduardo Gomes e Djalma.

=Equipa vencedora da final da Taça de 1968 =

Essa vitória na Taça de Portugal/68 teve ainda um entusiasmo especial, que foi do F. C. Porto haver eliminado o Benfica nas meias-finais, fase que se jogava então em dois jogos (a duas mãos): tendo o Porto ido à Luz impor um empate a dois golos e na resposta depois a equipa encarnada haver perdido nas Antas por 3-0, com a equipa das Antas a assegurar a passagem à final, numa eliminatória em que nem Eusébio valeu perante a supremacia azul e branca. Do lote que alcançou a ida ao Jamor, para o desafio da entrega da Taça no estádio chamado nacional, sito em Oeiras, formação essa orientada por José Maria Pedroto, apenas o defesa Sucena não disputou a Final depois, sendo aí substituído por Bernardo da Velha. Então o Benfica, ao que constou, tentou seduzir o vitorioso treinador Pedroto, e, como isso não foi conseguido, lançaram boato de que o Porto pensara numa transferência de Eusébio – como se isso enganasse alguém com os neurónios todos, ou seja, sabendo-se de antemão que não era possível nesse tempo, quando Eusébio fora considerado por Salazar um património do Estado, no endeusamento do regime diante da política colonial (até pelo que aconteceu aquando da sua vinda para Lisboa em que foi praticamente tirado ao Sporting, para o entregar ao clube do regime, conforme toda a gente com noções mínimas de história sabe). E estando-se ainda em período do Estado Novo, mantinha-se o estatuto.


De permeio começara o autor a despertar atenção para o hóquei patinado, onde despontava um jovem ídolo que dava pelo nome de Cristiano. Ora o Porto surgia mais acentuadamente no panorama hoquístico, onde antes, nessa modalidade tão querida pelos títulos ganhos pelas seleções portuguesas, pontificavam quase exclusivamente equipas do sul. Então, começando a transformar-se o ambiente, em 1969 o F. C. Porto conquistou o “Metropolitano” de hóquei em patins (como se denominava à época o campeonato nacional do Continente, pois havia depois uma fase final junto com equipas das Províncias Ultramarinas). E começou uma forte ligação com o hóquei em patins portista, ganhando amigos na secção e na equipa em que sobressaíam, além do Cristiano Pereira, também o Alexandre Magalhães, o Joaquim Leite, mais Hernâni, Ricardo, Brito, Castro, tal como, mais tarde, o Zé Fernandes, Júlio, irmãos Barbot, Jorge Câmara, Augusto, etc.

= António José Lemos =

Entretanto, entre tantas recordações, nunca mais poderá ser esquecido que, apesar do poderio da organização do desporto estar em Lisboa, com tanto facciosismo decisivo, em tempo de ditadura do Terreiro do Paço, de vez em quando o F. C. Porto ia conseguindo contrariar as injustiças e, quantas vezes, impor-se mesmo, em futebol jogado... Como aconteceu com uns célebres 4-0 ao Benfica, nas Antas, com quatro golos de António Lemos, na tarde soalheira do domingo que era último dia de Janeiro de 1971.

Só para que conste e não se pense em mania de perseguições ou favoritismos como desculpas (conforme há quem queira fechar os olhos), por esses tempos e seguintes o ambiente era de tal forma, que mais tarde, muito tempo depois obviamente, houve revelações surpreendentes: Assim, por exemplo, no programa de televisão da TVI “Bwin Liga, Jornada, Casos e Forum”, na sua edição de 10 de Setembro de 2006, o antigo árbitro Jorge Coroado (que até é conhecido por ser anti-Porto), deixou escapar, relativamente à década de 70, que «antigamente, no tempo em que Humberto Coelho era “capitão” do Benfica, conforme o mesmo confessara depois de abandonar o futebol, bastava ele, porque era o capitão do Benfica, dar dois passos à frente e levantar o braço para ser assinalado fora-de-jogo aos adversários». Tal como, no mesmo programa, o treinador Jorge Jesus recordou que, «uma vez, em que a equipa em que jogava foi muito prejudicada, tendo reclamado no fim do jogo junto do árbitro, a resposta foi só: querias ganhar a um grande de Lisboa?!»

Assim, visto em futebol o Porto então ter andado a marcar passo, em virtude do que é por demais conhecido do tempo do Portugal de Lisboa e do resto ser paisagem, ainda nos idos de setenta, serviu de escape, entre outros casos, o entusiasmo que se gerou em torno do basquetebol na era de Dale Dover, o homem-espetáculo que deu ao F. C. Porto o título nacional de basquete mais mediático, por essas épocas de romantismo e música ligeira a cair no ouvido.

Pese as diferenças de tratamento da comunicação social, que influenciam sobremaneira muita gente, o F. C. Porto teve sempre bons adeptos, especialmente, de simpatizantes e até associados, em número que foi crescendo significativamente com a evolução social da população. Nesses tempos, começou finalmente a haver também transmissões de jogos do Porto na televisão, coisa que até meio da década de setenta, do século XX, era só a contemplar os clubes do sul... Um exemplo, somente, do que faz jus aos que sabem pensar por sua cabeça, sem influências orquestradas, sabendo fidelizar-se ao que seja de afeição representativa da própria região.


Diferenças de tratamento que inclusive ocultavam o faciosismo reinante. Repare-se numa passagem do livro “Horizontes Fechados” de Raúl Rego, onde aquele antigo diretor do jornal República, de Lisboa, refere a dado passo, em capítulo “A Censura À Imprensa” (na página 23 da correspondente 3ª edição, de tal recolha de crónicas, escritas durante os anos 60 e censuradas, isto é cortadas pela censura vigente ao tempo, pelo que foram reunidas em livro editado em 1974, depois do 25 de Abril):  «...tempo houve – e estão aí muitos jornalistas desportivos que o podem testemunhar – em que o diretor da Censura era o Diretor Geral dos Desportos, tenente-coronel Salvação Barreto. Dezenas de vezes vimos cortar apreciações críticas ao trabalho do árbitro nos desafios de futebol, só porque a crítica era desfavorável. A esse ponto chegou em Portugal o endeusamento da autoridade...»

Qualquer pessoa, para mais numa região do interior do país de brandos costumes, andava então totalmente a leste de ideias e situações políticas. E, afinal, como no decurso dos anos já vividos se tem constatado, embora sendo a política social coisa para se andar minimamente a par, atendendo às intenções e interesses, como que para não se andar no mundo só por ver os outros andarem, é, porém, como um mundo à parte que cada vez se revela mais, origem de menor apologia de convicções.

Antes, o tempo foi passado como ouvinte e atento leitor por todo o período histórico que meteu a guerra do ultramar, a morte de Salazar (que, na altura, teve repercussão porque, durante os respetivos dias de luto nacional, impediu transmissões diretas, na rádio, de notícias da Volta a Portugal em bicicleta...), passando pela primavera do regime antigo e todo um manancial de ocorrências, do que se ouvia nos noticiários e se podia ler, até aos alvores do 25 de Abril de 1974... Ao passo que a guerra do Vietname era apenas um tema que se ouvia nas notícias do Telejornal, mas já o golpe militar do Chile, pelas consequentes atrocidades cometidas, foi coisa que mexeu com a sensibilidade, segundo o que foi possível saber-se.)

= Uma das formações do hóquei em patins do F C Porto que alinhou durante o Metropolitano de 1969 =

Por esses tempos, o autor destas linhas teve bons amigos no mundo azul e branco, dentro do ambiente do Futebol Clube do Porto, sobretudo o guarda-redes de futebol Armando Silva (que nos inícios da década de setenta dividiu com Rui Teixeira a guarda às balizas portistas), como no hóquei o grande diretor sr. Sampaio Mota e os atletas Cristiano, José Fernandes, irmãos Barbot, Jorge Câmara, etc. (que até lhe dedicaram uma vitória, conforme “caixa” vinda no jornal “O Porto” de 27 de Maio de 1972).


Já escrevia artigos também regularmente, o autor, com alguma colaboração publicista, inclusive no jornal O Porto” (do F. C. Porto), além de colaboração em periódicos regionais; e, por esses tempos, andava já a recolher dados sobre a história da freguesia natal e da região concelhia, começando a alinhavar hipótese de escrita de uma monografia local, bem como para procurar elevar a mística local, através da preservação da memória coletiva.

= Guarda-redes Armando Silva =

 ... E ficou inclusive ligado à campanha de construção do Pavilhão Gimnodesportivo das Antas, ao que ficou impresso também no jornal do clube... Viveu então período de intenso acompanhamento de atividades pelas Antas, um sítio onde se sentia um bem estar indescritível. 


Pelo meio, dessa sucessão da evolução afetiva, e na sequência das modificações havidas no país depois do “25 de Abril”, o F. C. Porto venceu a Taça de Portugal em 1976 e sagrou-se Campeão Nacional de futebol sénior em 1977/78 (a 11 de Junho), com mestre Pedroto a treinador - era já tempo do goleador Fernando Gomes, mais tarde bi-Bota d’Ouro da Europa, como de toda uma geração de campeões. Para trás ficavam longos anos em que só os outros ganhavam campeonatos, e, pela primeira vez, desde que a idade permitia memória (já que do título de 1959, ou seja com cinco anos, não havia recordação real), passava-se então, em 1978, a conhecer a alegria de sentir o Porto também Campeão Nacional. Logo no ano em que a esposa estava grávida e, depois, nasceu o primeiro filho!

No ano seguinte, repetiu-se o título de campeão nacional, obtendo-se o Bi-campeonato de 1978/79, algo especial para quem estivera tantos anos sem quase nada. Na inversa em 1980 aconteceu a perda do que seria o Tri, o terceiro campeonato consecutivo dessa sequência, devido a um auto-golo de Manaca, então defesa do Guimarães mas anteriormente atleta do Sporting, o qual com esse lance decidiu o campeonato a favor do clube leonino. Pelas imagens televisivas ficou toda a ideia que houve intenção, com o rodar de cabeça a meter a bola na sua própria baliza como se fosse um avançado... E o certo é que, conforme constou na imprensa, chegou a haver um desaguisado entre colegas da equipa do Vitória de Guimarães, tendo Tozé culpado Manaca do golo propositado na própria baliza, como depois na imprensa estrangeira houve comentários a atribuir jogadas de bastidores na oferta desse título, em tal época. Depois, pairou desânimo no período do “verão quente das Antas” (e disso, mais tarde, bem se referiu o Dr. Sardoeira Pinto no seu livro “Dragão de Causas”), quando o Dr. Américo Sá se envolveu na política e, para ser deputado nacional na Assembleia em Lisboa, subalternizou o representante-mor do Norte aos interesses do Sul, poderosamente saudoso de velhos processos. Originando daí o afastamento do técnico Pedroto, como do então Chefe do Departamento de Futebol, Pinto da Costa, tal qual ainda o goleador Fernando Gomes teve sua primeira saída do clube. E sobreveio desinteresse pessoal nos tempos seguintes, o que particularmente esteve na base da desistência de colaboração para o jornal “O Porto”... Até que soprou a Primavera de Abril de 1982, ascendendo Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa à presidência do F. C. Porto, como logo regressou o treinador José Maria Pedroto mais o futebolista Fernando Gomes, a Direcção passou a ter gente acima de tudo Portista, como Alexandre Magalhães, Pôncio Monteiro, Rui Baptista, Álvaro Pinto, etc. E o colosso voltou a empertigar-se.


Já com essa nova aragem de progresso, o F. C. Porto triunfou finalmente no Nacional de hóquei em patins, obtendo o primeiro da seguinte longa série de títulos de campeão, que tem colecionado felizmente nessa modalidade em que, também, conquistou a Taças das Taças da Europa, em 1982 e novamente em 1983, para de rajada ter triunfado nas seguintes provas de Portugal e na Europa – com realce para a Taça CERS (equivalente, no hóquei patinado, à da UEFA no futebol); e em 1986, com o antigo grande hoquista Cristiano no comando técnico, alcançou a Taça dos Campeões Europeus também sobre patins. Título ainda repetido em 1990, com o amigo José Fernandes. Ao que se seguiu depois mais. Tendo o Porto, também, tido uma atleta campeã mundial, com os títulos ganhos por Aurora Cunha em Mundiais de Estrada de Atletismo.

Daí em diante, com o Presidente Nuno Pinto da Costa ao leme, foi sempre a subir... em tudo e no futebol. Sendo, por conseguinte mais que sóbria a glória, afirmada popularmente, de que o «Porto é uma Nação»!

Entre mais, antes ainda, houve destaque às ditosas alegrias quando o Futebol Clube do Porto foi Campeão Europeu de futebol em 1987, a 27 de Maio (na tal Final do “calcanhar” de Madjer e daquele golo de Juary, cujo filme da retina íntima nem tem explicação); e o super FCP foi Campeão do Mundo, vencendo a Taça Intercontinental sobre neve a 13 de Dezembro, com golos de Fernando Gomes e Madjer; tal como depois vencedor da Supertaça Europeia, em Janeiro de 1988, com golos de Rui Barros e António Sousa, divididos pelos dois jogos realizados. Algo mais tarde reavivado com a conquista da Taça UEFA em 2003 e repetido com novos títulos Europeu e Mundial em 2004. E, quem viveu tanta enchente de peito, esteve ainda presente na inauguração do Estádio do Dragão, a 16 de Novembro de 2003, com os olhos rasos da imensidão sentida de tamanho espetáculo ao vivo, culminando no jogo de estreia do novo estádio, sensibilizado em vitória por 2-0 perante o Barcelona, com o golo inicial a sair dos pés de Derlei, o herói do prolongamento da final histórica que dera a Taça UEFA, momento extravasado como todos os que antes se ansiava mesmo saber como seria. E, de permeio, houve ainda a medalha de ouro conquistada pela Fernanda Ribeiro, nos 10.000 metros de Atletismo dos Jogos Olímpicos de Atlanta, nos Estados Unidos da América, em 1996; como antes a mesma atleta do F. C. Porto conquistara, em 1995, a medalha de Campeã do Mundo de 10.000 metros em Gotemburgo-Suécia, mais, entretanto, as medalhas de Vice-campeã Mundial de 5.000m também em Gotemburgo e de 10.000 m em Atenas, respetivamente nos anos de 1995 e 1997, a Medalha de Bronze Olímpica nos Jogos de Sydney, outra de Campeã da Europa de 3.000 m em pista coberta no Europeu de Estocolmo em 1996, etc, etc.


Tempos ditosos, sentidos no acompanhamento apaixonado clubista, apenas de nota menor verificada na alteração acontecida nos equipamentos oficiais do F. C. Porto, contra os próprios Estatutos, ao que se verificou na passagem do Clube desportivo a sociedade-SAD. Deixando aí de poder haver uma eterna identificação à sagrada camisola de duas verticais e largas listas azuis sobre fundo branco, conhecida das sucessivas gerações de adeptos e que era imagem de marca dentro e fora de portas, como foi durante tantas e tantas décadas de anos. Apego nada conforme às mudanças que se passaram a verificar anualmente, afinal, em infeliz ocorrência, ainda que das poucas, mas vincada, do duradouro e glorioso mandato de Pinto da Costa. Embora, como o clube se elevou até patamar só tornado possível com alguém que sente e respira o clube, ainda possa voltar a haver total identificação do passado ilustre ao porvir ansiado, quando voltar a ser imposta verdadeira mística e deixar de se sobrepor o fator económico (de interesse comercial de vendas de camisolas diferentes todos os anos).

Enquanto isso e o mais, menos mal em sonhos, mas não materialmente para fazer face às dificuldades de manutenção das intenções culturais e associativas, à falta de apoios, felizmente não se pensava tanto noutros assuntos sempre que o Porto foi sendo campeão e se ouvia, no apogeu, o tema “We are the champions”, dos Queen. Algo que se deseja sempre repetir, ano após ano, como no efeito de encher o peito ao ouvir “Somos Campeões” em plena erupção do estádio do Porto, tal como a expansão pelos ares que transmite instantâneo trautear mental da ode musical dos “Filhos do Dragão”.


Filho da nação, mas do mundo Dragão, ansioso por saber da salvação de próximas horas ou dias de boa disposição, como sempre que o Porto ganha, o ego foi cada vez subindo mais até o F. C. Porto ter passado a ser o clube português com mais títulos a nível europeu e mundial, em plena entrada no século XXI; como, além de ser o clube de futebol de primeiro plano mais antigo em Portugal, o glorioso e grandioso baluarte azul e branco também ser detentor de mais Supertaças nacionais, por ser prova disputada apenas em regime democrático (numa edição das quais, em 18 de Setembro de 1996, com célebre 5-0 ao Benfica, mesmo no antigo Estádio da Luz); ao invés de Campeonato e Taça onde, na soma de títulos conquistados, há pecúlios vindos de tempos de ditaduras; como ainda sentindo-se orgulho em Vítor Baía, guardião do FCP, haver atingido posição de futebolista com maior número de títulos nacionais e internacionais, no mundo. Etc. etc.

Boas motivações, essas e outras vividas, a par com quaisquer instantes menos apreciados, como de em 2004 a seleção representativa de Portugal ter perdido, em casa para cúmulo, o Europeu de futebol de séniores disputado em Portugal, por “manias” de tiros nos pés. Só porque os senhores da Federação mandaram vir do outro lado do Atlântico um selecionador que se prestou a fazer o disparate de tirar da equipa o guarda-redes português mais vitorioso... Qual fantochada da vontade de determinados sectores. Acrescido do facto, só não importante para os adversários do Porto dentro do país, de Baía ter sido eleito pela UEFA o Melhor da Europa (conforme título dos jornais de 20 de Julho de 2004). E, com essas manobras, mais uma vez os resultados depois ficaram à vista, repetindo-se a história. De pouco valendo as prestações de uma boa parte dos outros componentes da equipa, entre os quais estiveram integrados diversos jogadores do F. C. Porto, como Ricardo Carvalho, Paulo Ferreira, Nuno Valente, Maniche, Costinha e Deco, mais Postiga (que regressava então temporariamente ao clube e depois voltaria para o estrangeiro, até novo retorno, mais tarde). Não sendo pela representação do F. C. Porto que, mais uma vez, o gato foi às filhós, pois desta feita tiveram forçosamente de ser convocados atletas portistas em número razoável, atendendo ao seu valor e ao percurso que o clube obtivera pouco antes na Europa. Mas, contudo, além do afastamento escandaloso de Vítor Baía, para provocar, até num jogo da fase de apuramento foi convocado o então (pasme-se) terceiro guarda-redes do Porto, ao tempo jovem guardião da equipa B do F. C. Porto, Bruno Vale, só por essa vez, entenda-se. Curiosamente, porque não se pode deixar de reparar e refletir, a chamada do luso-brasileiro Deco à seleção teve grande resistência dos dirigentes, jogadores, jornalistas e adeptos dos clubes de Lisboa e mesmo do sul, porque representava o F. C. Porto. Volvido um ano, depois de ter passado a representar o Barcelona de Espanha, passou a ser considerado imprescindível...

Coisas que não têm explicação, entre gente inteligente.

Antes e pelo meio disso, acontecera entretanto, de novo a nível da Seleção, outras que tais atoardas voltadas a suceder no Mundial de 2006. Aí, com a chamada geração de ouro do futebol português e quando nunca esteve tão acessível a esse nível o lugar supremo do pódio, dessa feita calhou a terminação do 4º lugar menos desejado... Em cuja campanha, ironicamente, ou talvez não, entre duas dezenas de convocados, apenas foi escolhido um (Ricardo Costa) então suplente da equipa que dias antes se sagrara campeã nacional, além de Postiga, mas esse porque estivera emprestado (não envergando a camisola do Porto ao tempo da convocatória), enquanto o que fora considerado por toda a comunicação social como melhor do ano (Ricardo Quaresma) ficou de fora... andando-se a brincar com os símbolos nacionais, como a bandeira e a camisola de Portugal.

Contudo, de modo sintomático, passando um autêntico atestado, no fim da época o Sindicato de Jogadores Profissionais nomeou Vítor Baía o Melhor Guarda-redes Português da época 2005/2006, referindo ter havido em conta, para essa escolha, «rigor e prémio à excelência». Com a particularidade de, nessa eleição, pelos valores atribuídos perante o desempenho respetivo ao longo da época, o guarda-redes da seleção, Ricardo, ter ficado em quarto lugar, atrás dos guardiões de Porto, Braga e Benfica...

Pormenores esses, que são o que são, sempre. Como outros antes e depois, já a nível ainda mais clubista, de novo. Acrescendo, noutro exemplo de que as coisas por vezes ultrapassam as marcas, em ter havido casos como aquele facto de que, enquanto a questão do dirigente Veiga do Benfica ter ficado impune na sua ligação ao Estoril, que muito ajudou o Benfica em 2004/05 a sair da travessia de onze anos em jejum, se propagandeou entretanto um tal “caso apito dourado”... Que, mais tarde, sofreu forte cambalhota logo que se soube que o presidente Vieira do SLB estava meio ou mais que envolvido... E, a seguir a Veiga ter sido penhorado e quando Vieira foi noticiado que fora constituído arguido no “caso da transferência de Mantorras”, logo apareceu uma editora a lançar à pressa um livro de afirmações lançadas à toa, sem provas, de uma antiga acompanhante de Pinto da Costa... a qual, não sabendo falar nada de jeito, ao que se notou na metralhadora campanha da comunicação “sulista e elitista”, e como de certeza menos ainda saberia escrever o que fosse em forma, teve que ter outrem a escrever de encomenda...Tal qual, no chamado “caso Mateus”, em que o Gil Vicente, clube de Barcelos, do Norte, foi prejudicado (sendo despromovido) porque do outro lado da barricada estava o Belenenses, de Lisboa, que havia descido mas assim foi repescado... E não é que, na época 2006/07, um golo ilegal do Sporting no Nacional da Madeira, precedido de falta, foi esquecido na comunicação social, enquanto, uma semana depois, um golo também falso, mas do Paços de Ferreira, em Alvalade, foi falado insistentemente toda a semana seguinte e referido longo tempo na TV e jornais... E, particularmente, logo no primeiro “clássico” dessa mesma temporada, o Sporting-Porto que teve lugar em Alvalade com empate a 1-1, com cujo resultado, contra as expectativas imperialistas, o Porto se manteve no comando da Superliga, aconteceu isto: Ao intervalo, quando os leões venciam por margem mínima, pelo menos dois canais televisivos deram a notícia, à boca cheia... Depois, como o F. C. Porto impôs a igualdade no marcador, no final não houve nada para ninguém... Ou melhor, quem ficou à espera de ouvir o resultado (já que o jogo fora transmitido em canal codificado), como enfim ver imagens ou apreciar comentários, teve de se aguentar até horas tardias, para um apressado programa a descarregar opiniões de jornalistas e agentes comprometidos... E na semana seguinte, na aproximação à vinda do Benfica ao Dragão, foi enorme a cobertura mediática duma lamentável campanha benfiquista, a tentar desviar atenções de mau momento da equipa e a tentar jogar nos bastidores para o confronto que se aproximava, que mais parecia que os dirigentes encarnados eram donos e senhores de toda a comunicação social... Para, no apogeu do interesse, depois de o Porto ter vencido o Benfica por 3-2 num prélio interessante, acontecer mais uma estranheza de bradar aos céus: Pois, tendo um benfiquista atirado para o estaleiro com o jovem talentoso Anderson, de forma a fazer sair do campo o então melhor futebolista azul e branco, saído de maca com o perónio partido, a comunicação social sediada a sul logo tentou encobrir a agressão, como a manha de mais um árbitro que, na jogada à margem das leis, nem falta marcou e muito menos admoestou o agressor, bem se sabendo porquê... Não se podendo esquecer que o mesmo atleta, depois, continuou a jogar e a prestar serviço ao seu clube, enquanto o ariete do Porto ficou afastado, impossibilitado de contribuir para a sua equipa largo tempo (durante cerca de cinco meses!). Não servindo de nada antecedentes, decididos pelos órgãos superintendentes do futebol, como de quando, na década de cinquenta o Virgílio do Porto, que estivera numa jogada de que saiu lesionado um tal Caiado do Benfica, esteve de castigo, sem jogar, enquanto o adversário se não recompôs. Não sendo lembrada essa pena quando os infratores são outros, como numa agressão do Toni do Benfica a acabar com a carreira do brasileiro Marco Aurélio do Porto, em finais dos anos setenta. Contudo, na inversa até já houve repetição da história, já na década de noventa, com um castigo a Paulinho Santos, do Porto obviamente. Enquanto de outras vezes, e daquela última referida ocorrência de Katsouranis do Benfica, não foi aplicada tal sanção, como sempre quando o F. C. Porto é o clube lesado.  Coisas?!


Algo que só prova que quando os fracos não conseguem superiorizar-se de forma limpa, não olham a meios para atingir fins, ainda que tenham de usar processos matreiros e subterrâneos... E todas as campanhas, de imprensa e quejandos, mais não são que tentativas de distrair e iludir a opinião, tal qual modos de pressão a procurar manter poderes instituídos... Pois, tudo isso só demonstra, como em todos os clãs agarrados ao poder, haver jogadas para tentar abater quem ameace privilégios e apareça a sobrepor-se... O que, afinal, comprova o F. C. Porto ser mesmo grande, invejado e temido.

Senão, porque é que a comunicação contrária, com os canais televisivos na primeira fila, quando sucede um desaire do F. C. Porto (felizmente escassos nas últimas décadas), abrem telejornais, iniciam blocos informativos e o mais que tiverem à mão, com ares esbaforidos, sem conseguirem disfarçar a surpresa de alegria que tanto ansiavam... tal qual os jornais mais faciosos dão destaque em primeiras páginas... como se uma notícia bombástica haja acontecido...?! Acontecendo que, em tais situações, mas quando é com outros... metem o rabo entre as pernas, apresentando as respetivas notícias intrometidas banalmente, senão mesmo arranjando diferentes focos de atenção, de notícias de chamariz alternativo, que façam esquecer seus deslizes... Porque será?! Ora, porque o F. C. Porto é mesmo o melhor – logo como os mais fracos sempre detestaram os fortes...!


Tal qual, sequencialmente, não se entende mesmo a superpromoção dada na comunicação dita nacional ao Benfica, sobretudo, como ao Sporting, mas a esse mais quando os encarnados estão em baixa... Ao invés do restante panorama. Repare-se, por exemplo, como ainda em 2006 o Braga não teve direito a qualquer transmissão direta dos seus jogos, em qualquer dos canais televisivos, durante a sua campanha na Taça UEFA, enquanto jogos do Benfica num torneio particular no Dubai foram transmitidos, para cúmulo em tardes de semana, ou seja em horários laborais... Enfim!

Mas... Os exemplos são mais que muitos, tornando-se desnecessário prolongar a sequência infindável... Bastando, do que está mais fresco ainda, registar ao calha o que aconteceu no princípio de 2007, com o favor prestado a um futebolista do Benfica, o brasileiro Luisão, o qual depois de ter sido apanhado embriagado a conduzir seu automóvel, a altas horas da madrugada, sendo presente a tribunal acusado de uma taxa elevada de álcool, foi ilibado com uma pena irónica de 40 horas de prestação de serviços cívicos – porque era quem era, na ocasião... Ao passo que, por exemplo, segundo notícias vindas nalguns órgãos de comunicação, um serralheiro, apanhado no mesmo dia mas com dose inferior, viu ser-lhe retirada a carta de condução e foi condenado efetivamente... Como veio n’O Jogo de 14/01/2007, em “Sistema 2”: «Depois dos casos João Pinto, Mantorras e Luisão, vou começar a acreditar no Luís Filipe Vieira... Quando ele fizer aquelas previsões a respeito do apito dourado. Nenhum clube conhece os tribunais por dentro como o Benfica...»!

Razão tinha um (F.C.R.) leitor do JN, que na “Página do Leitor” do Jornal de Notícias de 21/01/2007 questionava: «...E o “apito encarnado” não irá ser investigado? De certeza absoluta que o senhor Procurador-geral da República não se esquecerá, também, de destinar alguém para tratar do caso Mantorras, manhosamente retirado do domínio público, e do obscuro caso João Pinto/José Veiga! Nestes dois últimos casos estão em causa mais de cinco milhões de Euros de fuga ao Fisco! Já agora, para que tudo possa ficar muito claro, não seria interessante que a CGD desse a conhecer os contornos em que se desenvolveu e fixou o contrato sobre o campo de treinos da equipa do regime, no Seixal?...»  Anormalidades que, depois, atingiram as raias do grotesco, quando uma escandalosa arbitragem derrotou o Porto em Leiria, no início da 2ª volta da Liga 2006/07 (nitidamente para evitar o distanciamento classificativo do Porto para com o Benfica e o Sporting) e tendo o treinador do F. C. Porto pedido uma investigação da atuação de tal trio de arbitragem por demais comprometido, na evidência da “roubalheira” praticada diante dos olhos de toda a gente, as instâncias devidas fizeram orelhas moucas... mais parecendo que em Portugal o crime compensa, quando é para tentar destronar ou desmoralizar o F. C. Porto.


– Mas então o Porto nunca foi ou é beneficiado?! Terá sido e pode ser numa ou outra ocasião, mas nada que se pareça a atitudes premeditadas. Porquê? Ora... É tal a campanha pública e eterna... Que: Como quando algum árbitro, na dúvida, não apita contra o F. C. Porto, lhe cai logo em cima e durante longo tempo tudo o que tem poder na opinião pública, acontece mais o contrário... Pois, na dúvida, é mais cómodo aos árbitros e comentadores serem contra o Porto, em Portugal...!!!

É também tal a lavagem ao cérebro geral, nos órgãos de influência pública, por exemplo, até na televisão dita nacional, inicialmente a única e de monopólio estatal e depois todos os canais existentes, que mesmo em casos como a morte há facciosismo: Então não é que da morte de Fernando Pavão, falecido em pleno Estádio das Antas, pouquíssimas imagens há da correspondente ocorrência, enquanto que da morte do benfiquista Feher foram transmitidas mil e tal horas de imagens, em horas consecutivas de reportagens televisivas, incluindo o funeral em direto (conforme está registado na comunicação social desses dias)... E, enquanto de antigos futebolistas do F. C. Porto não tem havido lugar televisivo a notícias de falecimentos nem muito menos evocações, como aconteceu aquando do desaparecimento do Custódio Pinto e mais recentemente de Fernando Perdigão, Hernâni, e outros. Ao passo que (e logo a seguir ao falecimento do Perdigão), já da morte do Bento do Benfica houve mesmo reportagens em direto, programas biográficos, etc. e tal... Para não bater na mesma tecla com o sucedido em 2014, aquando do falecimento de Eusébio, que mais parecia ter sido uma figura de estado… Só não sendo referido que o Benfica não tem ainda um mausoléu para homenagem eterna aos seus valores, ao invés do Porto que o tem já há muito tempo (desde 1969, mais precisamente). Metendo dó tanto descaramento enervante, na diferença de tratamentos, como se todo o povo tivesse ainda os olhos fechados...?!


Com essas e outras… porque Jorge Nuno Pinto da Costa, com seu carisma e apetência para liderar a defesa do F. C. Porto, conseguiu combater esse situacionismo, dentro do possível, transformando o representante nortenho num portentoso clube, é que o Presidente do Porto, Pinto da Costa, começou a ser contestado pelos adeptos do contra (quanto à diferente situação, mas simpatizantes a favor de antigos protecionismos e favoritismos), sendo hostilizado e até difamado... Porém, a melhor resposta aconteceu na votação dos Maiores Portugueses de sempre, na eleição nacional (através de votos dos portugueses que se quiseram manifestar, por essa via), efetuada durante 2006 e anunciada em Janeiro de 2007. Em cujo certame, organizado pela RTP, entre as 100 Personalidades mais admiradas da História de Portugal (tendo sido votados quase três mil nomes), Pinto da Costa figurou em 17º lugar, à frente inclusive de muitas figuras famosíssimas nas mais diversas áreas de intervenção, competência e heroicidade... E nenhum nome de dirigente do Benfica ou Sporting teve lugar nos primeiros cem!

Em suma, além do F. C. Porto ser um símbolo representativo da capital do Distrito do Porto, a que Felgueiras pertence, como de ser embaixador do Norte e do País, afinal, o mesmo fenómeno é algo especial. Como escreveu o grande escritor transmontano Dr. João de Araújo Correia, quanto ao amor à Invicta, «Só não ama o Porto quem não o conhece...»!!!

            Referimos factos de há alguns anos, porque os mais recentes ainda estão bem presentes na memória geral. Deixadas correr as águas já passadas sobre as pontes, sempre com o minuto 92 na cabeça, pois foi quando Jesus, o treinador do Benfica, personalizando todo o universo encarnado, ajoelhou em pleno relvado do estádio do Dragão... 


Haja agora o futuro, sempre atento ao porvir, entre afetos e atenções.



Armando Pinto

((( CLICAR SOBRE AS IMAGENS, para AMPLIAR )))

domingo, 18 de janeiro de 2015

Homenagem à posição de Lopetegui !


Grande atitude de Lopetegui. Louvável e cativante posição afirmativa do treinador atual do futebol do F C Porto, ao mostrar a sua crítica sobre o “tal” esquecimento da FPF perante as escolhas galardoadas na gala dos 100 anos da entidade poderosa do futebol português, afirmando: «noto a ausência de Pedroto, que marcou uma era e mudou o futebol português, e do nosso presidente Pinto da Costa, que é um dirigente com um número de títulos que não tem paralelo em todo o Mundo...» 

Lopetegui deixou, assim, uma crítica ao facto da FPF não ter destacado Pedroto e Pinto da Costa nos prémios do centenário, comentando: «São nomes que devem orgulhar não só os portistas, mas também os portugueses...»

Com esta atitude, mostrando que está de alma e coração com a identidade Portista, tal como ao estar já a conseguir que a equipa de futebol azul e branca se mostre plena de entrega à causa, Lopetegui  diz estou aqui – tal como o cantor Rafael, no refrão da canção espanhola, do vídeo – entoando com força e convicção… expressiva!

Armando Pinto
(((CLICAR na seta, da imagem, para aceder ao vídeo)))

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Boa ação… Portista


Está ainda atravessada aquela constatação da desfaçatez produzida pelos comandos do futebol português na gala dos 100 anos da FPF, com as tais escolhas do século que esqueceram, porque foram e são do F C Porto, uns Pinto da Costa, Pedroto, Hernâni, Américo, Gomes… ou seja o presidente mais vitorioso, o treinador mais carismático, o senhor general dos campos de futebol em seu tempo, o guarda-redes eterno e baliza de prata, o futebolista nascido em Portugal continental que primeiro conquistou troféus individuais a nível europeu, etc. Mas isso é apenas mais do mesmo que tem saído das cabeças do regime desportivo sulista… para não variar. Algo a que o F C Porto tem de fazer frente. Tornando-se evidente que a luta de Pedroto e Pinto da Costa tem de continuar… por estes dias, mais ainda.

Ora, contando que isso estará no horizonte das pugnas do F C Porto, também, detemos nosso horizonte noutro alcance. Porque, indo diretamente ao cerne do assunto a tratar, importa vincar: Hoje praticamos uma boa ação, no âmbito Portista – o que deixou satisfeito aqui o autor destas linhas e a outra parte. Obviamente…

Antes de mais, acrescente-se que temos o dever moral e clubista de fazer qualquer coisa para que a história do F C Porto e os valorosos direitos históricos perante o rol do futebol portuga sejam do conhecimento das gerações do presente e futuro. Tanto que o que os artistas do costume fazem ao futebol indígena não passa ao lado, porque ainda há quem tenha conhecimentos memoriais, associados. Assim sendo, passemos ao tema, naturalmente também relacionado.

Desnecessário será escrever umas quantas loas sobre as virtudes das boas ações, porque de algum modo isso está no subconsciente geral, seja ou não de prática corrente. Interessando que se faça bem a algo ou alguém. Assim, hoje, aqui o autor conseguiu fazer uma criança feliz, ao oferecer algumas revistas do F C Porto a um rapazinho que se mostrou Portista a respirar Portismo por todos os poros. Tendo alguns exemplares repetidos, felizmente, e vendo os olhos aguados desse petiz, ávido por ter para si o que fosse possível com motivos do F C Porto (tal como alguém que conhecemos bem, há umas décadas atrás…), gostando bem de ver mais um dos nossos, depressa lhe depositamos nas mãos um bom lote de literatura portista e então pudemos ver a felicidade estampada naquele rosto. Compensando assim, aqui entre nós, tudo o mais…

Armando Pinto