quarta-feira, 22 de março de 2017

Eduardo Gomes - Um dos "Valentes" Vencedores Portistas da Taça de 1968!


No mundo azul e branco, do entendimento portista, os jogadores que souberam honrar a camisola do FC Porto estão em lugar de grande apreço na afeição clubista. Havendo entre todos sempre alguns que ficam ligados de modo especial, por momentos também especiais proporcionados no universo afetivo. Como aqui para o autor destas linhas ficaram os que venceram a final da Taça de Portugal em 1968 – por ter sido a primeira grande vitória vivida por quem começou a ser Portista em inícios dos anos sessentas… E entre os vencedores, além de Américo, Pinto, Valdemar, Nóbrega, Djalma, Atraca, Rolando, Pavão, Bernardo da Velha e Jaime, esteve também Eduardo Gomes. 


Eduardo Gomes na época era quase só conhecido por Gomes - e curiosamente passou depois a ser referido publicamente com o primeiro nome, mas mais nas referências históricas, devido ao aparecimento e importância do goleador Fernando Gomes... anos mais tarde.


Ora esse Gomes, o primeiro, era um futebolista muito útil e certeiro, por norma sem saber jogar mal, mas dentro do clube demorou um pouco a conquistar um lugar fixo na equipa principal. E tal como apareceu, quase sem se dar por ele, também desapareceu, saindo por fim do F C Porto sem grandes alaridos.


De nome completo Eduardo de Oliveira Gomes, nasceu no dia 12 de Agosto de 1942 em Matosinhos. E como tal, naturalmente, iniciou-se nas camadas jovens do clube da sua terra, inscrito pelo Leixões S C na Federação Portuguesa de Futebol em 1958/59. Ali, depois de ter percorrido os escalões da formação do Leixões, ascendeu à categoria sénior do clube leixonense em 1961, logo na época da conquista da Taça de Portugal ganha pelo Leixões, surpreendendo o FC Porto na final, que Gomes ajudou a conquistar. Para de seguida ter permanecido na equipa principal mais quatro épocas, até que em 1965/66 se transferiu para o Futebol Clube do Porto, na altura treinado por José Maria Pedroto.

= Eduardo Gomes na equipa de futebol do Futebol Clube do Porto. Em cima da esquerda para a direita: Rolando, Sucena, Almeida, Pavão, Atraca e Américo. Agachados: Gomes, Djalma, Bernardo da Velha, Custódio Pinto e Nóbrega. Época de 1967/68. =

Na sua primeira temporada ao serviço do FC Porto contribuiu na conquista da Taça Associação de Futebol do Porto. Enquanto durante as épocas que permaneceu no clube também esteve anualmente no lote vencedor do Torneio Início da Associação de Futebol do Porto, ao tempo disputado durante a pré-época – como se recorda aqui o caso da época de 1967/68, através de imagem e anotação pessoal de arquivo do autor.


Nas Antas permaneceu durante seis temporadas, sendo inicialmente utilizado como extremo-direito e depois como médio de ataque. 

= Equipa do FC Porto da época 1967/68: Em cima, da esq. p/ d.ta - Rolando, Fernando, Almeida, Mário, Atraca e Américo; em baixo, pela mesma ordem - Eduardo Gomes, Djalma, Custódio Pinto, Manuel António e Malagueta.

= Equipa do FC Porto da época 1967/68, no ato da entrega do trofeu referente à conquista do Prémio Somelos-Helanca pelo guarda redes Américo, como melhor do campeonato dessa época, segundo pontuação do jornal A Bola. Em cima , da esq. p / d.ta: Jaime, Rolando, Bernardo da Velha, Valdemar, Américo, Rui, Fernando, Sucena e Eduardo Gomes. Em baixo, pela mesma ordem, Lisboa, Luís Pereira, Djalma, Malagueta, Custódio Pinto e Ricardo. 


Foi como espécie de líbero, deambulando pelo meio campo e extrema direita que atuou no Estádio do Jamor, na final da Taça de Portugal da temporada de 1967/68. Pois Eduardo Gomes foi um dos titulares que derrotaram o Vitória de Setúbal por 2-1 e levaram para as Antas tão apreciado troféu, dez anos depois da última conquista na mesma prova. No que foi, nesse tempo de acirrado sistema federativo BSB, uma autêntica "lança metida em África" do regime, como grande triunfo da presidência de Afonso Pinto de Magalhães à frente dos destinos do FC Porto e do treinador Pedroto na sua primeira passagem no clube como responsável do futebol sénior portista.

= Equipa da Final da Taça /68!

Com Pedroto chegou Gomes a capitanear algumas vezes a equipa principal, como no caso do jogo da homenagem nacional a Vicente do Belenenses...


... e mais tarde, depois de ter estado envolvido no “caso Pedroto”, que em 1969 suspendeu alguns dos mais influentes do plantel (Américo, Pinto e Gomes) por divergências com alterações dos hábitos da equipa, devido a início de estágios, ao regressar à atividade Gomes voltou a ser capitão da equipa na fase final desse campeonato, perdido anteriormente durante a ausência dos titulares afastados. 


Depois ainda esteve na equipa durante a seguinte época de 1969/70, de fraca memória, sendo que, como período de transição, houve enfraquecimento da equipa com a saída de Américo da baliza, forçado por lesão a acabar a carreira, mais a saída de Djalma, Jaime e alguns outros, tal como ainda por mais diversos motivos, tornando-se época quase para esquecer. 

Equipa do FC Porto do início da época de 1969/70: Em cima, da esq. p/ d.ta: Gualter, Rolando, Pavão, Vieira Nunes, Leopoldo e Aníbal; em baixo pela mesma ordem - Lisboa, Custódio Pinto, Chico Gordo, Eduardo Gomes e Nóbrega.

De permeio, excetuaram-se algumas ocorrências dignas de nota, conforme foi a ida ao Brasil, em Janeiro de 1970, para a inauguração do então novo estádio do São Paulo, onde a equipa azul e branca participou no jogo de inauguração do Estádio Cícero Pompeu de Toledo, mais conhecido por Estádio do Morumbi. Cujo resultado da partida foi um empate a 1-1, em prélio presenciado por cerca de cem mil adeptos, que resultou na conquista do Trofeu Governador Abreu Sodré. Havendo também durante essa digressão sido ainda recebido no Rio um trofeu como reconhecimento público de popularidade (“F C Porto o mais popular clube português no Rio de Janeiro”), através dum concurso da rádio, como se pode ver e ler pelo recorte reportando esses dois galardões.


Depois disso esteve Gomes ainda na equipa portista durante o período de renovação do futebol dos dragões, até que no final da época de 1970/71 deixou de fazer parte do plantel do FC Porto. Após, na soma das seis épocas em que representou o clube Dragão, Eduardo Gomes ter disputado 100 jogos oficiais e apontado à sua conta 5 golos, também em jogos oficiais pelo FC Porto.

Plantel do FC Porto à época 1970/71: Em cima da esq. p/ d.ta - Tommy Docherty (Treinador), Rui, Manhiça, Rolando, Valdemar, Vieira Nunes, Pavão, Albano Soares, Gualter, Hélder Ernesto, Gomes, Armando Silva e António Teixeira (também treinador).

Mais tarde enveredou pela carreira de treinador, havendo já no comando técnico passado por vários clubes, como Coimbrões, Custóias, Trofense, Arcozelo, Valadares e Aliados de Lordelo. Reside atualmente em Vila Nova de Gaia e continua a ser lembrado entre os adeptos portistas, nomeadamente deveras recordado por conhecedores da História do FC Porto.

De sua carreira  brilhante juntamos mais algumas imagens, como corolário de sua ligação ao mundo portista, numa espécie de album de recordações dele e nosso – desde equipas de sucessivas gerações de ases da bola que envergaram a camisola do FC Porto, em que Gomes esteve incluído, até momentos épicos, como a final da Taça de Portugal ganha em 1968 e outras imagens comprovativas da sua polivalência valorosa. Como fica em nós a imagem do Gomes do tempo do Américo, Pinto, Rolando, Pavão, Nóbrega e C.ª !


Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

6 comentários:

  1. Magnífico repositório de uma fase fulgurante do Futebol Clube do Porto, recheada de grandes talentos individuais e da intervenção decisiva do Grande José Maria Pedroto. Curiosamente, lembro todos os jogadores mencionados e integrados nas fotografias, mas apagou-se do meu acervo este Eduardo Gomes, talvez pela projeção do grande ídolo desse tempo, o artilheiro Fernando Gomes. Intrigante, porque este Gomes tem um currículo muito recheado, quer como jogador do FCP, mas ainda como treinador. Coisas da erosão inerente à idade.

    DRAGÃO, SEMPRE!

    ResponderEliminar
  2. Mais uma vez entrou um comentário do anónimo mais conhecido... Desta vez a, segundo suas palavras escritas, a querer chamar os nomes... Naturalmente logo comentário anulado.
    Ora quanto a comentários anónimos aqui só se publicam comentários bem intencionados ou pelo menos sem pretensão de envolver polémicas, que são desnecessárias.
    Pois bem, comentários a atirar pedras e esconder a mão, como se diz em gíria popular, isso não. Nunca. Se o amigo quer dizer isso deve criar um espaço próprio, onde haja identificação de autoria para poder dizer (escrever) de sua justiça o que achar por seu lado escrever. Ok?!
    Se enviar comentários sem expressões que possam ofender alguém, corretamente, serão publicados, mesmo assim sem identificação, como tem acontecido. De modo contrário não, aqui não.
    Armando Pinto

    ResponderEliminar
  3. Eduardo Gomes era um... cérebro; o Custódio Pinto o cabecinha de ouro e o Américo um verdadeiramente “mãos de ferro”.

    ResponderEliminar
  4. É com muita tristeza no coracão que informamos que, nesta manhã de 15 de maio de 2017 o nosso querido Eduardo Oliveira Gomes faleceu.
    Para quem quiser prestar as ultimas homenagens ao nosso guerreiro, o velório será na Capela de Santo Ovídeo a partir das 14h e o funeral irá realizar-se amanhã dia 16 as 14h30.
    Paz à sua alma.

    ResponderEliminar
  5. Recordo da transferência do Leixões para o F.C.Porto
    Parabéns ao Sr Armando Pinto pelo excelente trabalho

    ResponderEliminar
  6. Quando o Eduardo Gomes veio para o F C Porto não foi logo utilizado porque o Leixões não permitiu a sua transferência e como o Gomes queria muito jogar pelo Porto teve de ficar dois anos sem jogar para poder ser inscrito pelo FCP, por causa do sistema que vigorava nesse tempo,da lei da opção, que os clubes detentores da carta do jogador tinham por seu lado. O que fez com que o Gomes não fosse depois muito lembrado do publico quando começou a jogar nas Antas, logo apareceu quase sem se dar por ele. Só por isso merece ter um lugar nos grandes portistas.

    ResponderEliminar