Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Franklim Pais - Guardião de Títulos e Um dos Rostos do Hóquei em Patins do FC Porto


No mundo de exotismo afetivo que engloba a História do FC Porto, como grande fenómeno existencial que é o baluarte da simbiose de cores azuis e brancas, constam tantos e tantos nomes que se formaram, evoluíram e contribuíram para o engrandecimento do colosso desportivo maioritariamente azul, a dar ênfase à tonalidade da cor das veias salientes dos adeptos apoiantes. Mas também, nesse universo azulado, se vão intercalando nomes de aderentes, entre desportistas que entraram e não mais saíram depois. Tal o caso de Franklim, antigo guarda-redes de hóquei em patins, mais tarde treinador e atualmente “team manager” dentro da estrutura do hóquei patinado portista. Oriundo de outras bandas mas que, tendo depois ingressado no seio do clube dragão, veio para ficar no FC Porto. Sendo que, depois que arrumou as caneleiras de guarda-redes e após triunfante percurso também como treinador, é na atualidade um elo de ligação entre o setor dirigente e o departamento técnico, qual diretor sempre presente, mesmo mais que assessor do treinador e ao mesmo tempo superdirigente atento à equipa, no que mais se vê do panorama da equipa principal de hóquei do FC Porto, além de tudo o mais perante tudo o que respeita à modalidade dentro do clube.


Franklim Pais, como guarda-redes, entrou no FC Porto e depressa se mostrou digno da galeria de bons guarda-redes que passaram pelo clube azul e branco, desde Moreira, Branco, Brito, Castro, Zé Manel, Luís Caetano, Beleza, Vítor Francisco, Domingos Guimarães, etc. Tendo tido depois uma carreira brilhante na defesa das balizas portistas, a pontos que, passados anos, ainda é constante recordação, considerado como é uma das referências dessa bonita modalidade no ecletismo portista. De tal forma que recentemente teve destaque no Jornal de Notícias, na coluna “Património Nacional” do suplemento semanal “Ataque” publicado aos sábados nesse diário português de forte implantação.

Atendendo ao facto, registamos essa deferência com transplante de tal peça jornalística, para aqui:

« Património Nacional - Franklim Pais: o topo da Europa sabe melhor a duplicar

Franklim Pais e as medalhas correspondentes às duas vitórias na Liga dos Campeões, em 1984/85 e em 1989/90
(Foto: João Manuel Ribeiro/Global Imagens – Jornal de Notícias)

Parecem iguais e, na verdade, dizem respeito à mesma competição. Mas contam histórias bem diferentes. Ambas entram no álbum das melhores memórias de Franklim Pais, antigo guarda-redes de hóquei em patins e hoje team manager do F. C. Porto. "Dizem respeito a duas Ligas dos Campeões, os dois títulos mais importantes que conquistei, a nível de clubes", explica.

A primeira (1984/85) foi especial por ser inédita no palmarés dos dragões e o coroar de uma época de ouro. "Ganhámos tudo. Lembro-me que na segunda mão da final, estávamos a perder 5-1 com o Novara ao intervalo e virámos para 7-5. Só que o ambiente estava tão adverso que começaram a atirar rolos de papel higiénico para o campo e o jogo não acabou. Tivemos de receber a taça no balneário", conta, recordando também o triunfo de 1989/90, após "um jogo memorável no Américo de Sá, com uma vitória por 6-0 frente ao Noia, na primeira mão da final" e a consequente festa em Barcelona, "em plena noite de S. João".

Depois, claro, há as memórias arrancadas a tantos anos de seleção. "A vitória no Campeonato do Mundo de 1982 é inesquecível. Portugal não ganhava um título há alguns anos e eu era o benjamim da equipa", aponta, antes de lembrar um momento mais caricato. "Um Portugal-Holanda, em Oviedo, na altura da ETA. O pavilhão teve de ser evacuado, porque houve uma ameaça de bomba. Saímos a correr, de patins e tudo, e só retomámos o jogo no dia seguinte".»

= Franklim entre Gente Portista, num encontro de convívio de antigos atletas e apoiantes do Hóquei em Patins do FC Porto.

^^^ ’’’ ^^^
« Passe Curto
Nome: Franklim José Ribeiro Pais
Naturalidade: Porto
Idade: 07/12/1961 (55 anos)

Clubes que representou:
Infante Sagres, Juventude de Viana, Famalicense, F. C. Porto
Principais títulos, pelo FC Porto e Seleção Nacional: duas Ligas dos Campeões, duas Taças CERS, uma Supertaça Europeia, seis campeonatos nacionais, cinco Taças de Portugal, oito Supertaças, dois Campeonatos do Mundo, dois Campeonatos da Europa »

~~~~ *** ~~~~
Posto isto, aproveitamos o caso para uma merecida homenagem evocativa a este senhor do hóquei portista, um dos grandes nomes do hóquei do FC Porto, enfileirando na galeria de grandes vultos como foram, por exemplo, uns Acúrcio Carrelo, Alexandre Magalhães, Cristiano Trindade Pereira, Vitor Hugo Silva, entre mais uns tantos que fazem parte da memória portista - tal a ficha de Franklim Pais, campeão nacional pelo FC Porto seis vezes como guarda-redes e 'Octa' como treinador.


Franklim José Ribeiro Pais, nascido no Porto a 7 de Dezembro de 1961, começou a jogar hóquei em patins no Infante de Sagres. Havendo de seguida continuado seu percurso pelo plantel da Juventude de Viana, até ter finalmente ingressado no F. C. Porto, onde teve a carreira que o levou a ser considerado um símbolo do FC Porto, clube que mais tempo representou. De tal modo que foi guarda-redes do FC Porto e da Seleção nacional de prestígio.


Entretanto, e por fim, Franklim chegara ao FC Porto na época 1984/85. Já com o FC Porto a habituar-se à conquista de títulos, embora até essa altura o clube das Antas tivesse apenas vencido 2 campeonatos nacionais, 1 Taça de Portugal, 2 Supertaças e 2 Taças das Taças. Tendo assim a sua chegada ao FC Porto coincidido com o início da caminhada vitoriosa portista na modalidade.


= Foto da equipa, orientada por Cristiano Pereira, que venceu o Novara na Final da Taça dos Clubes Campeões Europeus 1985/86.

Então, esse que é o guarda-redes mais titulado de Hóquei em Patins da história do FC Porto ficou associado a grande parte dos campeonatos de seniores de permeio conquistados pelo FC Porto na modalidade (recordando que anteriormente o FC Porto fora já campeão em 1982/83 e 1983/84). Aos Campeonatos nacionais conquistados passou também a somar diversas Taças de Portugal e Supertaças. Enquanto a nível europeu, só lhe faltou vencer a Taça das Taças, pois o FC Porto venceu essa competição (em 1981/82 e 1982/83) quando Franklim ainda representava a Juventude de Viana.


Como treinador, ainda, Franklim foi um caso raro no Desporto nacional, pois esteve incluído na maior série de campeonatos consecutivos na modalidade desportiva que em Portugal conquistou mais títulos, quer a nível de Seleções como de clubes.


Aos 8 campeonatos nacionais conquistados como técnico principal, Franklim junta ainda 6 campeonatos como jogador e 2 como treinador-adjunto (de António Livramento e Cristiano Pereira), além dos posteriores como dirigente supervisor. 

= Ao tempo em que era Adjunto de Cristiano, em 1999/2000

Como treinador, faltou-lhe ser também campeão da Europa (pois perdeu as finais que disputou frente ao Barcelona), um título esse que venceu por duas vezes quando era guarda-redes do FC Porto (vencedor portanto em 1986 e em 1990). Tendo Franklim sido primeiramente suplente utilizado (já que Domingos era o guarda-redes titular) naquela inesquecível final a duas mãos, frente ao Novara, em que o FC Porto chegou ao intervalo do jogo da 2ª mão a perder por 5-1 (venceu 7-5!), e foi titular na 2ª conquista da Taça dos Campeões Europeus, em 1990, frente ao Noia (vitórias por 6-0 e 5-2). A nível internacional, também merece destaque as duas Taça CERS (espécie de Taça UEFA do Hóquei em Patins) que conquistou enquanto jogador do FC Porto. A primeira, em 1993/94, numa vitória sobre o Vic (derrota por 2-5, na 1ª mão, e vitória por 7-1 na 2ª), e na segunda, em 1995/96, numa vitória sobre outra equipa espanhola, o Tordera (vitória por 3-0, na 1ª mão, e por 7-1 na 2ª). O outro troféu internacional que conquistou foi frente a uma equipa portuguesa, quando o FC Porto derrotou (vitória por 9-3, na 1ª mão, e derrota por 3-4 na 2ª) a Sanjoanense, na Supertaça Europeia em 1985/86.

Franklim também foi internacional por Portugal mais de uma centena de vezes, tendo-se sagrado por duas vezes campeão da Europa e campeão do mundo. Ao passo que dentro do FC Porto Franklim é dos poucos que recebeu o 'Dragão d´Ouro' como jogador e como treinador.

= No ano do 1º Título como treinador principal, em 2001/2002

Como um dos rostos do hóquei em patins portista, apesar de não se mostrar muito e não ser dos mais expansivos, Franklim, a par com sua figura no imaginário de apoio clubista, está na retina da memória ainda de fresco na conquista de três troféus na temporada finda de 2017. Fazendo assim parte da equipa do FC Porto, treinada por Guillem Cabestany, que conquistou triunfos na Supertaça, a abrir, depois o Campeonato Nacional, de forma épica vivida no último jogo, e fechando a época com a vitória na Taça de Portugal, ficando os Dragões novamente detentores de todos os troféus nacionais – feito que se fica a desejar tenha mais repetições na continuidade.


Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

1 comentário:

  1. Mas que belo texto para um livro de Estrelas do Hóquei do Porto, este e outros que se lêm neste site a biografar a história do hóquei, as carreiras de Cristiano, José Castro, Victor Hugo e outros. O Franque é bom companheiro e merece.
    A C

    ResponderEliminar