Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Muita força Fernando Gomes, “nosso Bibota”!


Gomes foi o ídolo maior da grande massa apoiante do FC Porto durante bons anos, sensivelmente entre meio dos anos setentas até perto dos noventa, no século XX. Eternamente celebrizado como “Bibota”, em permanente recordação de ter conquistado duas Botas de Ouro da Europa. Sendo os golos de Fernando Gomes celebrados de modo particular e conhecendo-se dele quase tudo o que era possível, dentro do que chegava ao grande público. Tendo sido depois, por isso, uma desilusão frustrante quando se viu esse nosso ídolo de juventude afastado do clube, por erros da equipa técnica e da direção, ao tempo – mediante os acontecimentos em que esteve envolvido Octávio Machado e os responsáveis diretivos se deixaram levar. Felizmente mais tarde foi reabilitado dentro do clube, com um regresso ao seio do FC Porto como dirigente da prospeção e representante em atos oficiais, como Relações Públicas. Isto porque a história não se pode apagar, mas lembrando ocorrências boas e outras tristes, essas lembranças reforçam quão apreciado era e é o Gomes a nossos olhos Portistas, o camisa 9 que, quando o Amaro relatava no Quadrante Norte, seus golos eram mais vitoriados…


Ora Fernando Gomes, antigo goleador do FC Porto e atual responsável pelo departamento de scouting do clube, luta contra uma doença oncológica, segundo anda a ser difundido pela comunicação social e redes sociais. Contudo, «apesar de atravessar uma fase mais debilitada, o "Bibota" mantém-se no ativo, mas a sua situação preocupa os portistas, tendo motivado uma enorme onda de solidariedade dos adeptos do clube, que o têm apoiado através das redes sociais.»


Gomes, agora de 62 anos, quase a perfazer 63 em novembro próximo, foi formado nas camadas jovens do FC Porto e vestiu a camisola azul e branca, das duas listas azuis tradicionais, tendo sido campeão regional e nacional pelo FC Porto em juvnis e juniores; seguindo-se como senior 13 épocas como profissional portista, desde 1974/75 até 1988/89, sucedendo-se os títulos de cá, pela Europa e além mar na estranja com a camisola do FC Porto colada ao corpo ao longo de tantos anos. Em cujo trajeto foi campeão nacional de Juvenis (vencedor 2 vezes da Taça Nacional de Juvenis) e igualmente em Juniores (vencedor 1 vez do Campeonato Nacional Junior); como em seniores depois por cinco vezes (Campeão Nacional, como vencedor do Campeonato da 1ª Divisão), assim como venceu 3 vezes a Taça de Portugal e outras tantas a Supertaça nacional; mais foi campeão europeu e mundial, tendo com o FC Porto conquistado a Taça dos Campeões Europeus de 1987, assim como a Taça Intercontinental/Mundial de Clubes no mesmo ano e ainda a Supertaça Europeia em 1988. Além de ter vencido seis Bolas de Prata, como melhor goleador do Campeonato Nacional em seis épocas, e por duas vezes ter sido Bota de Ouro de melhor marcador da Europa. Também representou os espanhóis do Gijón, após o verão quente das Antas e durante o período de ausência de Pinto da Costa do clube; como ainda o Sporting, após saída do FC Porto devido a suspensão interna, na ponta final da carreira. Enquanto a nível de Seleções, além de ter jogado algumas vezes pela Seleção da Associação de Futebol do Porto (quando houve jogos inter-associações em seu tempo), foi intermnacional 6 vezes pela seleção nacional de Juniores, como em seniores 9 pelas Esperanças e 48 pela Seleção A.


Depois de ter posto ponto final na carreira, e após algum tempo de afastamento do futebol, regressou ao FC Porto pela porta grande como elemento diretivo. Ao jeito de embaixador com diversas funções públicas, em feliz atitude ainda da Direção de Pinto da Costa. Atualmente é também diretor do “Scouting” e tem sido representante do clube nos sorteios das competições nacionais e internacionais.


Pois Gomes é mesmo um incontornável nome da História do FC Porto e do futebol português, europeu e mundial. Como damos nota, ao correr da escrita, através de respigos de algumas publicações. Mais imagens de cromos e calendários de bolso da coleção particular do autor.


Quando ele começou a dar nas vistas nos juvenis, primeiro, e depois nos juniores, sendo então já deveras admirado, por junto com o Maia, ambos cabeludos e autênticos craques em surgimento, até parecia que eu (exprimindo na primeira pessoa aqui o autor desta linhas) já estava a adivinhar que ele ia ser alguém, pelo menos desejando que fosse outro Hernâni, de modo a que o meu FC Porto passasse a ter outra grande referência depois de Pinga, Valdemar Mota, Araújo, Virgílio, Hernâni, Arcanjo, Festa, Pinto e Américo. E o Gomes superou praticamente as expetativas. Sendo um dos maiores nomes da mística portista. Tanto que conseguiu superar as adversidades relacionadas com os acasos que impossibilitaram que tivesse ultrapassado Eusébio na lista de marcadores nacionais, com as lesões e dois anos fora do país, mais a maneira como saiu do clube contra sua vontade quase ao expirar a carreira. Tal como conseguiu e soube voltar ao clube a bem, depois.


É hoje um símbolo do clube, como ainda recentemente, aquando do 126º aniversário do FC Porto, foi acarinhado e reconhecido pelos adeptos presentes. Como testemunha a recente edição da revista Dragões, por acaso chegada hoje até às mãos do assinante autor destas palavras, a tempo de integrar esta singela homenagem de apoio.


Sendo Fernando Gomes um lutador nato, persistente e vitorioso, tudo fará para ultrapassar o caso atual da anunciada doença, com fé bastante para continuar vencedor. Ficando a saber que está no coração dos portistas e tem toda a solidariedade da gente com alma de dragão. Para quem o valor da vida combina com a cor azul do céu.


Muita força e confiança, Bibota!

Armando Pinto

Nota:  - Pode-se fazer uma revisão por alguns artigos mais sobre Gomes, num COMPACTO de pesquisa, clicando em


A. P. 

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Vítor Baía – no seu 50.º Aniversário: Lembrança de Parabéns!


Vítor Baía comemora esta terça-feira, dia 15 de outubro de 2019, seus 50 anos. Sendo assim este dia do 50º aniversário natalício do eterno Vitor Baía, associamo-nos neste espaço de Memória Portista com algumas imagens relacionadas a seu brilhante percurso, que tanto honrou o sentimento da mística portista.


Baía está na memória portista como um dos mais emblemáticos guarda-redes que vestiram as camisolas do FC Porto e da seleção nacional. Curiosamente na seleção dita nacional ficou também associado ao triste episódio de não ter sido chamado a defender a baliza portuguesa no Europeu de 2004, à imagem do que no Mundial de 1966 foi feito a Américo, outro dos estrelados guarda-redes da história portista. Perdurando ainda Baía na memória pelos tempos adiante também por constar na chamada “Capsula do tempo” enterrada pela UEFA aquando do seu jubileu de ouro em 2004, com a colocação de umas luvas suas como melhor guarda-redes da Europa nesse ano.

= Equipa da final vitoriosa da Liga dos Campeões Europeus de 2004 !

Sendo como foi e é uma referência portista, está também entre as figuras caricaturadas em  miniaturas da coleção de "bonecos" da equipa do FC Porto, conforme consta da coleção do autor destas linhas... 


Ora, como ilustração de seu Currículum Vitae, recordamos aqui algo de tão grandiosa carreira através de resenhas de sua biografia e currículo desportivo.

Primeiro através do que lhe foi dedicado no nº 1 dos livros da Coleção “ Onze + “ (sobre os considerados melhores nas respetivas posições, numa edição d’ O Jogo e da editora Quidnovi em 2008), no caso os onze mais dos guarda-redes que passaram pelo futebol português, em cujo lote de onze foram colocados do FC Porto, por ordem cronológica, Barrigana, Américo e Baía.



Seguindo-se mais uma página referente à publicação sobre uma seleção de equipa do FC Porto, em edição da Quidnovi também de 2008, na qual há uma apreciação ao Vítor Baía, a cuja página se junta imagem com o respetivo autógrafo, que foi possível conseguir para um livrinho de “Caça Autógrafos”…


Assim como, em complemento e reforço, se junta a sua parte integrante no livro “FCPorto figuras & factos 1893-2005”, edição d’ O Comércio do Porto, com indicação de Produto licenciado FCP, de 2005.


Efetivamente Baía faz parte da galeria dos melhores guarda-redes do FC Porto e do futebol português. Como foi até aflorado em tempos numa publicação da antiga revista Bola Magazine, juntando quatro desses grandes guarda-redes que vestiram a camisola de guardiões do FC Porto.

= Américo, Vitor Baía, Barrigana e Acúrcio !

Por fim, anexamos números e factos de seu palmarés, deitando mãos ao que foi publicado (na véspera deste aniversário) no jornal O Jogo. Em cujas páginas, ao longo de oito folhas, foi publicada uma grande entrevista, com Baía a passar em revista histórias e episódios marcantes de uma carreira ímpar. «Dos primeiros passos na Académica de Leça ao FC Porto foi um pequeno passo, numa carreira que teve ainda uma passagem pelo Barcelona. Voltou a casa, escolheu o 99 e continuou a vencer em Portugal e no estrangeiro. Só faltou mesmo um título pela Seleção». Que poderia muito bem ter acontecido, então para ele e sobretudo para a seleção portuguesa, se tivesse estado na baliza no Euro/2004, o tal em que a atitude de Scolari (e de quem também o aconselhou a isso, dentro da Federação…) fez Portugal perder com tão incompreensível caso de Vitor Baía não ter selecionado...


Dessa publicação, eis os números e dados que com a devida vénia para aqui recortamos:


Parabéns por tudo isto e também pelo aniversário. E muitos anos de vida!

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens )))

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Notícias sobre o FC Porto de regresso ao Porto Canal, com o Universo Porto-Jornal


Com alguma surpresa, nesta segunda-feira 14 de outubro, ao passar hoje os olhos pelo Porto Canal soube aqui o autor deste blogue que está de regresso ao ecrã normal um programa de formato noticioso com lugar no televisivo Porto Canal.

Há algum tempo que o canal portista não era chamariz de interesse clubista, a não ser à noite com os programas habituais Universo de Bancada, de Imprensa, Entrevista, etc. Por ultimamente o canal televisivo do FC Porto ter andado algum tempo algo arredio de programação noticiosa sobre o clube, desde que surgiu a variante de visão noutros suportes.

Agora, segundo soubemos, volta a haver coisa de interesse com o Universo Porto – Jornal, como “um programa de informação desportiva, sobre conteúdos do FC Porto. Trata-se de um programa diário, de segunda a sexta-feira, com todas as informações do FC Porto, um olhar atento sobre o dia-a-dia do clube, com síntese sobre todas as modalidades.”. Nos horários das 13,00 e 19, 30 horas.

Saúda-se tal regresso à antena do Porto Canal, com a certeza de deixar de ser necessário novamente andar com o comando caseiro a clicar em espaços de canais afetos aos clubes adversários, para o efeito de atualização possível.

Armando Pinto

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Um “recorte” dum jogo de juniores de 1956… a propósito de lembrar ARMANDO, o guarda-redes dos juniores do FC Porto desse tempo, e mais…


Se fosse vivo, Armando Pereira da Silva “fazia anos” nesta data. Sendo o dia 11 de outubro de aniversário desse que foi o valoroso guarda-redes de futebol Armando. Um Senhor do desporto e Pessoa com letra grande, um bom amigo que é constante recordação.

Formado no FC Porto, Armando permaneceu no FC Porto até aos seniores, tendo chegado a vestir a camisola nº 1 do seu clube de coração antes de ir para a tropa. Depois percorreu os caminhos que a vida lhe proporcionou, chegando a guarda-redes titular do Braga, onde se cotou como herói da primeira Taça de Portugal ganha pelo clube arsenalista do Minho, até que depois ainda regressou ao FC Porto. E tudo o mais, metendo novo regresso onde fora feliz, ao Sporting de Braga, até ali ter acabado a sua carreira e então haver recebido a medalha de Comportamento Exemplar da FPF por nunca ter tido algum castigo.

Ora, neste dia em que o senhor Armando nasceu há 81 anos no Porto, recordamo-lo de uma maneira singular. Deitando olhos a um recorte de jornal de seus tempos de formação no FC Porto, quando evoluía como guarda-redes titular da equipa de Juniores do clube dragão.


Assim, reporta o caso a um jogo do distante ano de 1956, respeitante à época futebolística de 1956/57. Do qual, através do jornal O Porto, em sua edição de 14 de novembro daquele ano de 1956, vemos a crónica de um jogo em que o nome de Armando lá estava como guarda-redes dos juniores portistas.


Também desse encontro, a ilustrar o tema, é uma foto da mesma edição do órgão oficial do clube nesse tempo, dando para ver um dos avançados da equipa, e lá atrás a silhueta do guarda-redes do Porto, in illo tempore…!

Desse tempo, a propósito da lembrança dos juniores do tempo do guarda-redes Armando, são também as fotos que se juntam, retiradas para aqui de sua Fotobiografia, quer a que encima este artigo de homenagem, como a seguinte de evocação justa, inclusive (na imagem ao cimo) com anotação pelo próprio punho dele referente a essa época.


Depois foi todo um percurso assinalável, como se pode lembrar através de seu Crriculum Vitae desportivo.

Nascido no Porto a 11 de outubro de 1938, começou nas camadas jovens do FC Porto uma longa carreira de futebolista:

- Futebol Clube do Porto, como Júnior - entre 1954/1955, 1955/1956, 1956/57 e 1957/58 (tendo no final dessa época subido de imediato aos seniores e logo sido suplente da final da Taça de Portugal ganha em 1958 por 1-0 ao Benfica, com golo de Hernâni);
e como Sénior
- Futebol Clube do Porto - final da época de 1957/58 e totalidade das épocas de 1958/1959 e 1959/1960;
- Gil Vicente Futebol Clube - época 1960/1961;
- Ferroviário de Malange - 1961/1963 - serviço militar em Angola (Campeão Distrital de Malange);
- Sport Comércio e Salgueiros - época 1963/1964;
- Sporting Clube de Braga - épocas 1964/1965, 1965/1966, 1966/1967, 1967/1968, 1968/1969 e 1969/1970 (vencedor da Taça de Portugal de 1966);
- Futebol Clube do Porto - épocas 1970/1971, 1971-1972 e 1972/1973;
- Sporting Clube de Braga - épocas 1973/1974 e 1974/1975.

- Internacional B (Portugal vs França);
- Suplente da Seleção A de Portugal (Portugal vs Roménia / Portugal vs Suíça / Portugal vs Grécia / Portugal vs México / Roménia vs Portugal / Suíça vs Portugal).

Medalha de Exemplar Comportamento da Federação Portuguesa de Futebol (391 jogos sem qualquer castigo).


Curiosidades:
- Primeiro Guarda-redes a defender um penalti de Eusébio em jogos para o campeonato, a 22 de Novembro de 1964, no Estádio da Luz, jornada 6.
- Record Mundial de Penaltis Defendidos (4 seguidos) no jogo FC Porto vs Celta de Vigo, em Caracas, Venezuela - 1971

Carreira como treinador:
- Vilaverdense Futebol Clube
- Santa Maria Futebol Clube
- Forjães Sport Clube
- Atlético Clube de Valdevez (Treinador de Guarda-Redes)
- Sporting Clube de Braga (Camadas Jovens)
- Associação Desportiva de Terras de Bouro (Campeão Distrital da 2ª Divisão da AF Braga pelo AD Terras de Bouro em 1983/84).


Falecido em fevereiro de 2018, o senhor Armando continua vivo na memória de quem o admirou e estimava, como aqui o autor destas linhas de profundo reconhecimento.

Ora, assim mesmo, como alguém de relevo nunca morrerá enquanto for lembrado, aqui continuamos a recordá-lo. Honrando sua memória.

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens )))

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Curiosidades Portistas: Uma "sociedade" de quatro futebolistas do FC Porto: Pedroto, Teixeira, Vieira e Américo - em 1952/53


No deslumbre interessante que proporciona o conhecimento de factos passados na história que nos toca, seja na área da heroicidade das figuras da chamada história da Pátria, seja ao nível desportivo na admiração pelos nomes ilustres do historial do clube desportivo que nos enternece motivação especial, merece um cantinho peculiar de afeto o que se guarda no baú de memórias do grande baluarte do desporto português. Incluindo curiosidades relacionadas. Como o caso desta vez a merecer uma revista memorizante.


Ora, folheando páginas de história portista, pousam nossos olhos num anúncio publicitário sobre uma mota usada em tempos idos. Conforme aparece numa das páginas do livro “Colecção FIGURAS do FUTEBOL NACIONAL” (Volume I - Futebol Clube do Porto), publicado na época de 1952/53. Sendo essa publicação numa edição conjunta de “Publicidade Sete Cores” e da “Livraria Simões Lopes”, através de patrocínios de anunciantes, entre os quais estava a firma dessa moto, naturalmente. Com a curiosidade de em tal campanha de promoção terem entrado quatro futebolistas ao tempo a jogarem no FC Porto, que aceitaram juntar seus nomes, para o efeito – Teixeira, Pedroto, Vieira e Américo.


Assim os futebolistas António Teixeira, José Pedroto, Carlos Vieira e Américo Lopes “faziam reclame” (como se dizia, popularmente), conforme era anunciado desse modo, a afirmarem que compravam motos da marca publicitada. Estava-se então nos inícios da década dos anos cinquentas, a entrar por 1953, sendo de notar que Teixeira e Pedroto eram já nomes consagrados como titulares da equipa principal do FC Porto, enquanto Carlos Vieira que era mais antigo no clube era visto como um reforço quando necessário, e Américo estava a começar a entrar no plantel, antes ainda de ter ido para a tropa e o serviço militar lhe atrasar a carreira.


Ao tempo ainda o estádio das Antas era novo, havia sido inaugurado em Maio da temporada anterior e todos os futebolistas do FC Porto entretanto tinham passado pelo pelado do campo da Constituição. A equipa principal detinha também alguns dos grandes valores da década de quarenta, mas estavam de permeio a entrar jovens arietes. Tendo por isso a escolha sido sintomática do apreço dos diversos níveis etários e da inerente valorização diante do público.

Era então treinador do FC Porto o célebre Cândido de Oliveira. Ao lado de cuja biografia, no referido livro, foi colocado o chamariz do anúncio publicitário...


Perante esta curiosidade, e os quatro elementos do FC Porto terem sido escolhidos para essa publicidade, em sinal da admiração com que eram tidos, folheamos o livro em apreço para revisitarmos o que sobre os mesmos, desse quarteto, era então narrado à época.


(Note-se que a terra natal de Américo é Santa Maria de Lamas  e a data de nascimento está conforme foi registado, mas o verdadeiro dia de seu aniversário é a 27 de fevereiro. Sendo estas mais algumas curiosidades, a talhe da publicação.)

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens ))) 

terça-feira, 8 de outubro de 2019

Efeméride do dia - (Mais) Uma goleada do FCP ao Benfica


A 8 de Outubro de 1950, «no Campo da Constituição, o FC Porto de Anton Vogel recebia e vencia o Benfica por 5-2 em jogo da quarta jornada da Liga, mesmo sem Hernâni, a contratação e sensação do momento que não entrava nas contas do treinador romeno nascido em Viena e radicado em Birmingham. Vital e Monteiro da Costa bisaram e Nelo fez o resto, de pouco valendo aos “encarnados” os dois golos de José Águas.»


Assim é recordado hoje em “Dragões Diário” o facto que serve a preceito para a efeméride desta data. E como dá especial sensação vencer e convencer diante dum adversário de estimação, sobretudo sendo numa superação sempre difícil contra o clube protegido do regime, assinala-se também aqui o caso. Porque sempre dá gozo saber que o FC Porto venceu antes, como depois, tal como vencerá sempre.  


Como ilustração apropriada, adorna-se o tema com colocação duma correspondente “separata” (como ao tempo, por ser imagem separada duma publicação, se chamava a um poster, conforme agora é conhecida qualquer gravura de formato médio ou grande). Fixando à posteridade a pose das linhas avançadas dos dois clubes em confronto, antes de iniciarem um importante jogo dos que por esses tempos se realizaram no recinto do FC Porto, não estando na imagem Vital mas tendo entre os avançados Nelo Barros, dos nomes referenciados na efeméride.

Na linha de recordação, a propósito, recordamos também a estada de Anthony Vogel no clube portista.


E, como remate mais consentâneo, junta-se imagens do próprio Porto-Benfica de 1950 – deitando mão a gravuras publicadas na revista Stadium, de Lisboa, em seu número de 11 de outubro de 1950.


De acrescentar ainda, na visão destas imagens coevas: Esse jogo teve mais uma particularidade relevante, também, como foi o regresso de Araújo depois de uma lesão no joelho, após paragem de cerca de dois anos e meio.


Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens )))