Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Soares dos Reis – Uma dinastia real de guarda-redes e não só… numa linha desportiva do futebol até ao ciclismo!


É sabido que a nação portuguesa começou no norte do país, mais precisamente na área do noroeste, pela zona de transição de Douro e Minho, sendo que a fidalguia que ajudou à criação da nacionalidade era da zona do baixo Minho e Douro Litoral. Havendo, pelas circunscrições alastradas pelo Vale do Sousa, os Sousãos que governaram parcelas importantes do Condado Portucalense. Para não recuar a tempos de trilobites, como se sabe por fósseis como réstias de antiga maresia nos vales circundados pelas serras das zonas do Paiva e do Sousa, desde as serras de Arouca a Valongo, passando por Penafiel, Lousada e áreas do genuíno vale do sousa alongado até Felgueiras, onde nasce o rio Sousa nos corredios de S. Vicente de Sousa. Quão importante foi sempre essa parcela do país profundo, onde a nação brotou. Não admirando que do alegre e viçoso Vale do Sousa haja surgido castas de gente como os Soares dos Reis, a que dedicamos aqui atenção devida, desta feita.


Soares dos Reis foi nome que começou a ser do conhecimento pessoal, do autor destas linhas, por leituras de reportagens, dando conta que tinha sido um guarda-redes valoroso do Futebol Clube do Porto. Mais tarde também por associação ao escultor duma figura que aparecia no livro de leitura escolar. Embora sabendo depois que nada tinha a ver uma coisa com outra, nem um com o outro, a não ser na excelência de cada qual em seu mister. Passando a considerar o próprio apelido famoso como tal, sendo assim esse um nome grande em Portugal, quer na área da arte escultórica, quer no campo desportivo do futebol e não só… mas também. Podendo assim considerar-se um nome de marca, a nível artístico pelo famoso escultor da obra-prima “ O Desterrado”, título da escultura mais célebre desse mestre cujo nome perdura no museu artístico da cidade do Porto. E, embora sem ligação familiar, também tanto ou mais famoso, de modo especial como nome conhecido da história desportiva nacional, através do famoso guarda-redes de futebol Soares dos Reis, que se tornou figura portuense e nacional como guardião do FC Porto e da seleção nacional em seu tempo. Tal como ainda por via de seus continuadores futebolistas na linha familiar, tendo um seu irmão e um sobrinho-afilhado sido igualmente guarda-redes que chegaram a defender a baliza do FC Porto, entre outras curiosidades de percurso, incluindo o facto de ter havido sequência extensiva ao ciclismo.

É assim essa linhagem digna de menção honrosa, no caso dos Soares dos Reis salientes no panorama histórico de desporto português.  

A sua importância como nome do futebol, torna o clã como que doutorado na amplitude de sua dimensão. 

Soares dos Reis, o primeiro, que fez história na baliza do FC Porto e da seleção portuguesa, além de ter sido mais tarde dirigente do FC Porto, foi também o primeiro guarda-redes internacional do FC Porto. Bem como deu início a uma dinastia de guarda-redes que vestiram a camisola do FC Porto. Seguindo suas pisadas Soares dos Reis II, seu irmão, mais novo seis anos e que antecedeu na baliza portista o “Mãos de ferro” Barrigana, e posteriormente o sobrinho e afilhado, Neca Soares dos Reis, que foi júnior e sénior pelo FC Porto, tendo sido titular da equipa de reservas ao início da década de sessenta, e companheiro de plantel com Américo e Rui, entre outros. Até que, cedido pelo clube, representou durante anos outros emblemas e, mais tarde, se dedicou também ao ciclismo, sendo atualmente considerado o maior colecionador de artigos relacionados com a modalidade das bicicletas.

= O mais novo (Neca) Soares dos Reis, junto ao Soares dos Reis II...

Um interessante caso que dá pano para mangas, que aqui e agora se procura alinhavar pela escrita possível, em artigo com lugar há muito planeado neste blogue…

Mas... Comecemos então pelo princípio: 
Manuel Soares dos Reis, nascido a 11 de Março de 1910, em Penafiel, e falecido no dia 15 de Abril de 1990, na cidade do Porto, teve um percurso desportivo anterior a ter ingressado no FC Porto.


Então, ainda jovem, pela época 1925/26 Soares dos Reis começou a jogar no Egas Moniz Foot-ball Club, em Penafiel. Em tempos ainda de brincadeiras e jogatanas de bola com amigos, além de idas aos ninhos com colegas de infância. Contava ele que sua família não queria nem uma coisa nem outra. Seu pai chamava ao “foot-ball” uma doidice e à história dos ninhos um pecado. Por vezes escondia-lhe a roupa, mas ele não se importava e ia, nem que fosse como foi algumas vezes, em ceroulas. Depois sofria as consequências, pois o pai, com um grande bengalão, esperava-o à porta de casa e ele tinha que descobrir mil processos para não apanhar fortes tareias. Fugia até seu pai se esquecer e cada dia seguinte renovava as suas idas para o campo, para o meio da equipa. (Curiosamente, enquanto nesses primeiros tempos o pai não via com bons olhos o entusiasmo do filho, já mais tarde, quando na década de 30 Soares dos Reis passou a defender a baliza do F. C. do Porto, até se deslocava de Penafiel ao Porto só para o ver jogar.)


Entretanto, havia sido criado na terra natal um clube, o Sport Club de Penafiel, fundado em 1923. Ao qual pouco depois o jovem Manuel Soares dos Reis passou a dar seu contributo pelas épocas de 1926/27 a 1927/28. Com exibições que foram passando além fronteiras de sua área geográfica. Como aconteceu num jogo que o projetou a nível mais vasto, tendo tido algum destaque no jornal "Os Sports de Lisboa". Reportando isso a um jogo disputado contra o Guimarães Sport Club, prélio que o Sport Club de Penafiel venceu por concludente 3-0 tal valoroso adversário, ao tempo 2.º classificado do Campeonato da Associação de Braga. Seguindo-se encontros vários, nas compitas realizadas ao tempo, com saliência, conforme o próprio recordava, para a conquista em 1927 da taça "Festas da Cidade", disputada em Penafiel com o Sport Club Lixense, através de vitória por 4-1 diante desse antigo grupo da Lixa (do concelho de Felgueiras). Enquanto na época seguinte, perante o bom desempenho que a equipa fizera, além de jogos com equipas da mesma igualha, por assim dizer (tendo inclusive vencido de permeio no Dia de Natal a "Taça Cidade de Penafiel”, diante do Egas Moniz Sport Club, seu antigo clube também de Penafiel), o mesmo seu clube Sport Club de Penafiel participou também no Campeonato da Associação de Futebol do Porto, durante alguns meses, sem ter podido depois continuar em virtude de não ter campo com as condições regulamentares exigidas pela mesma Associação.

Enquanto isso, resultante duma grande exibição em 1927 do jovem guarda-redes penafidelense num jogo a contar para o Campeonato da Promoção, realizado em Leça da Palmeira contra o clube local, na época seguinte Soares dos Reis passou a defender a baliza do Leça Foot-Ball Club. Aí entrou Soares dos Reis a disputar o Campeonato de Portugal, no qual, com o mesmo guardião, o Leça foi a única equipa do norte de Portugal a chegar aos quartos da final.

Chegada a idade do serviço militar obrigatório, Soares dos Reis foi para Lisboa cumprir a vida de tropa e, perante essa realidade, aceitou convite de jogar no clube dum seu oficial superior, transferindo-se assim na época de 1931/32 para o Club Foot-Ball "Os Belenenses". Tendo sido já com Soares dos Reis na baliza que o Belenenses venceu em Coimbra a "Taça União", derrotando o União de Coimbra. Até que em Dezembro de 1931, também, o Belenenses disputou a final do Campeonato de Portugal com o Futebol Club do Porto, na qual houve primeiro um empate a 4 bolas, tendo no dia seguinte em Coimbra se realizado o jogo de desempate que o Futebol Clube do Porto venceu por 2-1. Apesar disso, o Belenenses e extensivamente Soares dos Reis foram campeões do Campeonato de Lisboa Acontecendo, como tal, que Soares dos Reis, embora sendo homem do norte, como representava "Os Belenenses", era o guarda-redes da Seleção do Sul.

Após isso, na seguinte época de 1932/33 regressava ao Norte, para defender as balizas do Boavista, e, como tal, também, deixou de fazer parte da Seleção de Lisboa, para ingressar na Seleção do Porto.


Continuando a dar nas vistas, Soares dos Reis na época seguinte rumou ao Futebol Clube do Porto.


A estreia com a camisola do Futebol Clube do Porto aconteceu no dia 12 de Novembro de 1933 no Campo do Bessa onde os portistas e o Leça F.C. empataram 1-1, numa partida a contar para a 1ª jornada do Campeonato do Porto (como era popularmente chamado da Associação de Futebol de Porto) da época de 1933/34. Prova também conhecida por Campeonato do Norte, levando que o vencedor fosse apelidado de Campeão do Norte. 

= Primeiros tempos no FC Porto. Separata da revista "Stadium", de 1 de Agosto de 1934. "Equipa do Foot-Ball Club do Porto".


Dono da baliza dos dragões, durante sete épocas, desde 1933/34 a 1939/40, distinguiu-se de tal forma no plantel portista que foi o primeiro guarda-redes internacional do Futebol Clube do Porto.

Soares dos Reis tinha então uma faceta curiosa, de ser conhecido por se treinar de forma caricata, tendo durante algum tempo aprimorado a rapidez e instinto de se lançar às bolas com treinos a atirar-se a agarrar um coelho, que lhe havia sido oferecido por uma admiradora – com o qual foi fotografado, cuja foto é histórica diante de sua fama de grandes reflexos.


Soares dos Reis jogava então de camisola de gola alta, bordada com as suas iniciais «SR» bem visíveis. Uma das camisolas usadas, como depois usou outra com iniciais FCP e ainda outras lisas.

No FC Porto, na segunda época ao serviço do FC Porto logo ajudou à conquista do título nacional, no que foi o primeiro Campeonato Nacional (Liga) que venceu com a camisola do FCP, disputado em 1934-35.

Dessa temporada, fica à posteridade uma pose da equipa campeã do FC Porto em 1934/35. Com toda a equipa usando blusão com as iniciais FCP (embora o guarda-redes também tenha usado camisola de equipamento de jogo com as mesmas iniciais).

= Foto de página inteira da revista "Stadium" de 26 de Dezembro de 1934. Equipa do Foot-Ball Club do Porto, "Campeão Vitalício" da Capital do Norte.= 

De tal proeza, nesse tempo, houve mesmo versos que foram publicados em panfletos e daí andaram de boca em boca em cantiga popularmente entoada – como na época era usual em cantos de heróis do povo, através de folhetos que se vendiam em feiras e em quiosques nas publicações de cordel (por estarem expostos ao público pendurados em fios de corda fina, cordel). Cujos versos fazem parte dos arquivos de Soares dos Reis, dos quais se anotam algumas partes:
...
Com o seu altivo porte
O nosso onze do Porto
Trouxe do Sul para o Norte
A glória para o desporto

O nosso onze valente,
P'ra honra deste torrão,
Deve julgar-se contente
Do Porto ser campeão.

Jogaram em tarde boa,
Delira o norte franco,
Esta semana, em Lisboa
Há beiça com feijão branco.
Soares dos Reis, Avelino,
Carlos Pereira e Valdemar
Trabalharam com destino
Para o seu grupo honrar.

= Revista "O Notícias Ilustrado", de 19 de Maio de 1935. Equipa do F.C do Porto que alcançou, em Coimbra, o título de Campeão Nacional da 1ª Liga 1934/35. Na outra página, a receção de milhares de portugueses aos Campeões Nacionais, na estação de S. Bento, no Porto; e em círculos instantâneos do jogo, com Soares dos Reis como interveniente = 

Com o título de Campeão, o FC Porto naturalmente passou ainda a ser mais desejado em jogos amigáveis, de convívios e homenagens, mais festivais desportivos. Como aconteceu numa tarde em plena cidade berço da nação, tendo o FC Porto sido convidado para ir a Guimarães. Onde o FC Porto foi, acedendo jogar, como ficou registado à posteridade em postal ilustrado.

= Postal ilustrado. Na foto: As equipas principais do F. C. Porto e do Vitória de Guimarães num jogo amigável realizado em Guimarães, no campo de "Benlhevai", ano de 1935.
(Na equipa do F. C. Porto, podemos ver de pé da esquerda para a direita os seguintes portistas: Szabo (treinador), Lopes Carneiro, António Santos, Carlos Mesquita, Valdemar Mota, Avelino Martins, João Nova, Zeferino e Castro. Agachados: Rosado, Soares dos Reis, Jerónimo, Assis, Acácio Mesquita, Carlos Nunes, Arnaldo Borges e Álvaro Pereira.) 

Como curiosidade interessante há a reter um pormenor, em reflexo como Soares dos Reis se sentia à vontade em frente às balizas. Tendo sido referenciado também como Guarda-redes do guarda-chuva. Ora, como nesses tempos os guarda-redes vestiam camisolas de lã grossa, que com chuva ficavam pesadonas, não admira que em certas ocasiões, mais quando chovia torrencialmente, Soares dos Reis não tivesse nenhum problema em levar por vezes um guarda-chuva para a baliza. A pontos dessa curiosa atitude ter sido retratada em versos no "Jornal de Sports", de autoria de um tal Jota Eme:

Nessas terras do estrangeiro
Ou cá no país da uva,
Já viram algum porteiro
Em campo, com guarda-chuva?

Eu não sei se já sabeis,
Mas crede que foi verdade,
O senhor Soares dos Reis
Deu-nos esta novidade...

Como ilustração, junta-se cliché da época. Reportando a um jogo Porto-Aveiro, disputado em Espinho, em cujo decurso, enquanto a bola anda por longe, Soares dos Reis sempre atento ao desenrolar do desafio, se abriga no guarda-chuva de Lopes Carneiro, seu colega de equipa, que não alinhou neste encontro.

= Imagem da contra-capa da revista "Stadium" de 18 de Dezembro de 1935. Na imagem uma composição de "Hermann", a equipa do Foot-Ball Club do Porto, que mais uma vez foi Campeão. =

Como importante curiosidade, há a registar que em 1935, logo em Janeiro, Soares dos Reis se cotou com uma defesa que fez história. Tendo então sido o primeiro guarda redes português a defender um penalti em jogos oficiais do calendário desportivo português. Havendo defendido um penalti que foi o primeiro a ser defendido e por curiosidade precisamente contra um seu anterior clube, Belenenses. Ou seja, porque é mesmo de vincar, Soares dos Reis foi o autor da primeira defesa da marca de grande penalidade, em jogo disputado no dia 20 de Janeiro de 1935, no Belenenses-F. C. do Porto que terminou empatado a uma bola. O penalti foi rematado por Bernardo (que tinha partilhado consigo o balneário, na temporada em que Soares dos Reis jogava no Belenenses).

 = Separata da "Stadium". “Equipa do F. C. Porto que arrebatou o primeiro Campeonato das Ligas". Época 1934/35 = 

Entretanto em 1937 o FC Porto venceu o Campeonato de Portugal, com Soares dos Reis a grande altura na baliza. Nessa que foi a penúltima edição do Campeonato de Portugal (1936-37). Esta competição viria a ser substituída, na época 1938/1939 pela Taça de Portugal.

= Imagem (revista "Stadium" de 1 de Abril de 1936) Na imagem: Os atletas Campeões, homenageados pela Direção do Futebol Clube do Porto na cerimónia da entrega das medalhas aos vencedores da 1ª Liga de Futebol, no ano de 1936. Soares dos Reis está na frente, no primeiro plano e do lado esquerdo da fotografia =

Com efeito, na temporada de 1936-37, em simultâneo com o Campeonato da Liga, decorreu o Campeonato de Portugal em moldes habituais de bota-fora, com final em campo neutro.

Sob a orientação técnica do austríaco François Gutka, o FC Porto dominou os «leões», numa final disputada no Campo do Arnado em Coimbra. Despique rijo e emotivo com os portistas a vencer por 3-2, com golos de Lopes Carneiro, Carlos Nunes e Vianinha. Era o 4º título no Campeonato de Portugal.

= Reboredo numa manifestação de júbilo beija a bola no fim do jogo. O polícia não resistiu à emoção!

Num sistema clássico de dois defesas, três médios e cinco avançados, o FC Porto fez alinhar nesse jogo, Soares dos Reis; Ernesto e Vianinha; Pocas, Carlos Pereira e Francisco Ferreira; Lopes Carneiro, António Santos, Reboredo, Pinga e Carlos Nunes.

= Separata da"História do Futebol Clube do Porto", de Rodrigues Teles. Equipa do F. C. Porto, que alinhou na final do Campeonato Nacional em Coimbra e venceu o Sporting C. P. na época 1936/37. = 


= Revista "Stadium", de 7 de Julho de 1937, na tiragem seguinte ao dia do jogo, disputado no dia 4. Equipa do Foot-Ball Club do Porto, Campeão Nacional de Futebol em Coimbra. Em cima da esquerda para a direita: Anjos, Carlos Pereira, Francisco Ferreira, Ernesto Santos, Vianinha, Soares dos Reis e o treinador Goutkas. Agachados: Lopes Carneiro, António Santos, Roboredo, Pinga, e Nunes.= 

Após mais algumas temporadas, Soares dos Reis voltou a ser campeão pelo FC Porto e logo de duas vezes seguidas. Tendo acontecido o primeiro Bicampeonato portista, em 1938-39 e 1939-40.

Indo por partes, anote-se descrição referente ao primeiro desses títulos, no caso o de Campeão Nacional da 1.ª divisão de 1938-39.

Conforme o próprio deixou registado em seus apontamentos: Extintas a Liga e o Campeonato de Portugal, decidiu a Federação organizar Campeonatos Nacionais da primeira e segunda divisões. Oito clubes pertencentes a quatro Associações participam no designado Campeonato Nacional da Primeira Divisão. O apuramento era obtido com base nas classificações dos respetivos Campeonatos Regionais, convencionando-se, nesse ano de abertura, que Lisboa teria direito a quatro representantes, o Porto a dois e Coimbra e Setúbal a um cada. Benfica, Sporting, Belenenses, Casa Pia, Barreirense, Académica de Coimbra, Académico do Porto e FC Porto partiram para a disputa da prova maior da época de 1938/1939. Com críticas relacionadas. Tanto que, mais uma vez, se murmurava nos bastidores o tema da maioria ser engrossada pelo bloco sulista; na linha da tradição antiga de o sul ser beneficiado, facto que no norte começou a se motivo de fazer das fraquezas forças, ou seja “ao invés de injetar fraquezas, contribuía para um agigantamento saudável só à força da mística catapultado”.

Logo de início, os portistas levaram de vencida o Sporting, ultrapassado com vitória azul e branca por 2-1, que foi prenúncio de uma campanha ascendente, de que resultou chegada a bom porto com 23 pontos, dez vitórias, três empates e apenas um desaire, que havia sido em Lisboa com o Benfica.

Na segunda volta, “no popular cá-te-espero”, e jogo final, o FC Porto não podia perder novamente. Então, para tão importante jogo com o Benfica no campo da Constituição, toda a equipa do Futebol Clube do Porto se concentrou durante algum tempo em sítio relativamente distante da Invicta. Em ocasiões do género era costume fazer-se um retiro na Quinta da Vinha, um remanso do antigo presidente, dirigente outras vezes e sempre colaborador Sebastião Ferreira Mendes, numa das margens do rio Douro, para os lados de Oliveira do Douro. Mas dessa vez foi a equipa estagiar para a Vila da Lixa, no interior do distrito, dentro do concelho de Felgueiras, recaindo escolha na Pensão Silva

= F.C. do Porto em estágio na Lixa, em frente à Pensão Silva. Soares dos Reis, na ocasião, estava muito bem sentado no parapeito do janelão, enquanto o treinador Siska saboreava um cigarro e todo o pessoal descansava ao sol da terra da Senhora das Vitórias. Com esse atributo subjacente, a ser paradigmático.

E o certo é que, diante dum emotivo jogo, o encontro terminou empatado a três golos para cada lado, sagrando-se o FC Porto campeão. Manteve assim o primeiro lugar, com um ponto de vantagem sobre o Sporting e dois do Benfica (diferenças, para enquadramento, que correspondiam à melhor prestação pontuada. Sendo nesse tempo e por muitos anos as vitórias com atribuição de 2 pontos e 1 por empate). No segundo lugar ficaria o Sporting, com 22 pontos e em terceiro o Benfica, 21 pontos.

Duas horas antes do início do jogo, não cabia mais ninguém na Constituição. Com o empate a três golos, o FC Porto juntou à vitória no primeiro Campeonato de Portugal e à vitória no primeiro Campeonato Nacional da 1.ª Liga, a conquista do primeiro Campeonato Nacional da I Divisão. Com números que não deixavam enganar. Conforme registou nos seus apontamentos: Ataque produtivo (57 golos marcados - média ligeiramente superior a quatro golos por jogo), goleadas a denunciarem desníveis acentuados entre planteis (12-1 ao Académico e 10-0 ao Casa Pia) eis os aspetos mais notórios dessa época, da máquina imparável azul e branca orientada pelo treinador Miguel Siska, antigo guarda-redes portista. Pertenceu aos azuis e brancos os dois melhores artilheiros: Costuras (18 golos) e Carlos Nunes (15).


Na época seguinte, que seria a última de Manuel Soares dos Reis I na baliza do FC Porto, repetiu a dose, que daria para sair em beleza. Embora não fosse tanto assim, em virtude de um desentendimento e consequente castigo interno, que apressou o abandono da carreira.

Apesar disso, contou que o FC Porto foi campeão. Tendo no decisivo jogo, disputado no antigo campo das Amoreiras ido vencer a Lisboa o Benfica, com três golos azuis e brancos, dos quais 2 apontados por Pinga e 1 por kordnya.


Os nomes dos Campeões Nacionais de 1939-40. Soares dos Reis, Andrasik (seu sucessor), A. Baptista, J. Baptista, Carlos Nunes, C. Pereira, Castro, Gomes Costa, Guilhar, Kordnya, Lopes, Pacheco, Pereira Silva, Petrak, Pinga, Pocas, Rosado, Sacadura, Santos, Sarrea, e Zeca. Treinador: Mihaly Siska.

Contudo, o caso do seu afastamento, com o tempo acabou por ser ultrapassado. Tanto que Soares dos Reis voltou a servir o seu clube de coração, depois nas funções diretivas.


Efetivamente, após deixar o futebol como praticante, Soares dos Reis continuou ligado ao Futebol Clube do Porto na qualidade de dirigente, integrando os Corpos Gerentes do FC Porto. Tendo durante alguns anos acompanhado o ciclismo, como representante do FC Porto, servindo como elo de ligação aos ciclistas do FC Porto nas Voltas a Portugal e outras provas. Assim como no futebol teve ação de prospeção e negociação com futuros ases, havendo sido por sua interferência que, graças a si, alguns nomes mais tarde tornados lendas do clube chegaram às Antas, nomeadamente Virgílio, Hernâni e Américo, entre outros.

= Soares dos Reis na função de diretor representante do ciclismo do FC Porto (no caso reportando à sessão em que recebeu o troféu da vitória coletiva do FC Porto na Volta a Portugal de 1950, a segunda ganha por Dias dos Santos.) =

= Soares dos Reis no exercício de diretor do futebol do FC Porto, quer numa deslocação da equipa portista aos Açores, como também à ilha da Madeira =

Entretanto, já em tempo de colaboração ao clube como diretor e mesmo depois, Soares dos Reis voltou a defender a baliza em representação do FC Porto, tendo participado também na equipa das Velhas Guardas por diversas ocasiões.


Muitos anos volvidos, em entrevista de recordação, corria já 1986, quando contava 76 anos de vida, contou sobre seu tempo de futebolista: “A maior parte dos jogadores não aparecia aos treinos. Uns porque trabalhavam, outros porque se alimentavam mal e não podiam esbanjar as energias que guardavam para os jogos oficiais”. Assim como... “Para mim era terrível jogar fora de casa. O público estava junto de nós e tratava-nos do piorio. Tínhamos de jogar em duas frentes, defendendo os remates dos avançados e os do público. E os destes eram, muitas vezes, bem mais dolorosos”. Mais, confirmando por sua experiência, que... “O lugar de guarda-redes foi sempre ingrato. Depois dele, só há a baliza, o golo. Uma coisa posso dizer: não havia «frangos» nem «chapéus». O guarda-redes saia mais da baliza do que sai hoje. Eu era decidido: ou ia ou não ia”.

Dessa entrevista, publicada no Suplemento do Jornal de Notícias "Que futuro para este presente?", em 19 de Dezembro de 1986 (quatro anos antes de falecer), junta-se digitalização das suas recordações expostas em duas páginas (que aqui, para melhor leitura, se recortam em parcelas):


(De tão interessante testemunho impresso, além de visualização da imagem principal estar ao contrário, conforme se repara pelas letras da camisola, nota-se também que nesse tempo Soares dos Reis planeava publicar suas memórias. O que não chegou a acontecer, apesar de ele ter tudo registado em álbuns com recortes de tudo o que "falava" de sua carreira, em precioso acervo que ficou à posteridade.)  

Soares dos Reis nas sete épocas em que esteve ao serviço do F.C. Porto conquistou 10 Títulos e disputou 128 jogos oficiais.

= Soares dos Reis e seu suplente Rosado - cromos da página da "Equipa do Football C. do Pôrto", da coleção de cromos "Futebolistas de Portugal", 1939 (De onde se retiraram estes dos dois guarda-redes do FC Porto, nesse tempo). 

Palmarés
- 3 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (1934-35, 1938-39, 1939-40)
- 1 Campeonato de Portugal (1936-37)
- 6 Campeonatos do Porto
- Foi Internacional 4 vezes, tantas as que envergou a camisola da Seleção Nacional em jogos oficiais.


Por fim, há o sempre referencial facto de ter sido Internacional português.

Facto que merece um à parte – Tendo sido Soares dos Reis guarda-redes da Seleção Portuguesa de Futebol, e particularmente o primeiro guarda-redes internacional do Futebol Clube do Porto. Isto é, sabendo-se que já aquando do primeiro jogo disputado por uma seleção representativa de Portugal houve forte celeuma por não ter jogado o então guarda-redes do FC Porto, Lino Moreira, em 1921, só em 1934 um guarda-redes do FC Porto jogou na Seleção dita Portuguesa, e esse foi Soares dos reis. Verificando-se finalmente, então, que um guarda-redes do FC Porto conseguiu superar o habitual esquema sulista e elitista… dos jogadores do Porto para irem à seleção não basta ser tão bons ou melhores que os outros, dos clubes de Lisboa, pois têm de ser mesmo muitíssimos superiores. E, por isso, está diante dos olhos a valia de Soares dos Reis

Assim, Soares dos Reis vestiu em quatro jogos a camisola da Seleção de Portugal.


Isso num tempo de muitíssimo poucos jogos entre seleções.

Para um alcance de enquadramento quanto ao panorama de jogos internacionais desse tempo, ao nível de seleções representativas de países, através das equipas selecionadas pelas respetivas federações, basta referir que poucos se realizaram nas primeiras décadas do século XX, tendo na década dos anos trinta também pouco melhorado essa tendência. E assim entre 1934 e 1936 apenas se realizaram cinco jogos, tendo Soares dos Reis alinhado em quatro.


A estreia deu-se num célebre Espanha-Portugal em que Portugal saiu copiosamente derrotado por 9-0, como reflexo da fraca organização do futebol português, evidenciando-se grande diferença para o futebol espanhol.

Ora, nesse tal jogo, dos 9-0 do Espanha-Portugal de 1934, em que a Seleção jogava pela primeira vez uma qualificação para o Campeonato do Mundo, a estreia de Soares dos Reis como guarda-redes da Seleção portuguesa ficou marcada por três golos sofridos e lesão que o impediu de continuar em campo.

Curiosamente, esse encontro ibérico, realizado em Madrid, no estádio de Chamartin a 11 de Março de 1934, foi precisamente no dia do seu 24.º aniversário. Aí o guardião portista sofreu uma lesão durante esse jogo e foi substituído pelo benfiquista Augusto Amaro que «encaixou» os restantes seis golos.


Nessa mesma partida, também, se estreou como massagista um outro elemento do FC Porto, Abel Aquino. Esse que era e é uma das grandes figuras da história do FC Porto, tendo sido jogador de futebol, treinador, seccionista, dirigente e tudo o que fosse preciso durante a primeira metade do século XX. Foi ele que formou muitos campeões, como criador das escolas de jogadores do clube. E então, como mestre dos sete ofícios, em março de 1934 estreou-se pela seleção nacional de futebol como massagista (como se vê na foto, de mala na mão e calças desportivas presas nas meias).


De tal jogo junta-se imagens do início protocolar, mais uma página respeitante a uma crónica manuscrita (dos apontamentos de Soares dos Reis) sobre o mesmo encontro; e, por fim, a pose de conjunto da equipa, onde se vê Abel Aquino à esquerda, em pé, assim como no mesmo plano está Soares dos Reis em penúltima posição da direita. Sendo que, entre os selecionados desse tempo, na mesma equipa também estão os portistas Acácio Mesquita e Valdemar Mota, em pé (na 6ª e 7ª posição, a partir da esquerda), o Nova (na 9ª posição do mesmo lado, ou seja em 4º a contar do lado direito, perto de Soares dos Reis), Álvaro Pereira, Avelino Martins (em baixo, 2º e 3º elementos a contar da esquerda) e Pinga na extrema, do lado direito), em primeiro plano.


Depois na semana seguinte ainda houve novo jogo, já sem interesse para o apuramento, mas mesmo assim num género de tentativa de desforra, entre as mesmas seleções, então em Lisboa, e com Amaro na baliza (porque Soares dos Reis estava lesionado), tendo  Portugal voltado a perder, embora pela diferença de 1-2 de quase consolação… Após isso, já em 1935, Portugal, com Soares dos Reis de novo a titular da baliza, conseguiu empatar, tendo-se verificado o resultado de 3-3.


Jogo do qual se ilustra a história com pose da equipa portuguesa, incluindo os guarda-redes titular e suplente (que voltou a entrar no decorrer do jogo, por outra lesão de Soares dos Reis, fruto dos ossos do ofício...). Em modo de recordação ficou à posteridade fixada foto dos representantes da Seleção de Portugal de futebol que, no Lumiar, em Lisboa, no dia 5 de Maio de 1935, souberam corresponder às esperanças do país desportivo, impondo ao seu mais tradicional competidor, a Espanha, esse famoso empate.

 = x =

A Soares dos Reis I sucedeu Andrasik e a este, depois, seguiu-se Soares dos Reis II, que adiante segue também nesta evocação.

= Manuel Soares dos Reis de visita à terra natal e em convívio familiar, com os pais e irmãos num evento penafidelense, comendo o tradicional farnel na festa de Bustelo, como era antigamente de uso e costume anual nas segundas-feiras a seguir à Páscoa". =

Alguém, jovem pelos anos sessentas, que conheceu pessoalmente Soares dos Reis e como tal mirava o antigo ídolo com olhos de admiração (o amigo e grande portista Fernando Machado, que foi atleta de pugilismo e de bilhar do FC Porto), descreve o antigo guarda-redes do FC Porto pela retina apreciativa da recordação, em curiosa descrição:

«O Sr. Soares dos Reis era uma figura imponente. Impecavelmente vestido de fato e gravata, cabelo com brilhantina penteado para trás, com uns largos quilinhos a mais e com um tremendo distintivo a ouro e brilhantes do F C PORTO na lapela. Era mesmo uma figura imponente e com um sorriso largo. Camisa branca e botões de punho. Como tinha uma largura de peito considerável, o colarinho era largo e as gravatas de malha que invariavelmente usava, distinguiam-no de qualquer um

Manuel Soares dos Reis, o antigo guarda-redes internacional e dirigente do FC Porto, falecido em 1990, a 15 de abril, está sepultado no Mausoléu do FC Porto, onde “Repousam Glórias do Futebol Clube do Porto». Lado a lado com outros ilustres portistas como o mítico Artur de Sousa “Pinga”, o senhor Lopinhos, célebre massagista, o grande craque Pavão, o Mestre Pedroto, o notável atleta Acácio Mesquita, o carismático dirigente João Augusto Silva.


Com uma vida intensa e memorável, sendo um dos ícones portistas e daqueles que como cantou Camões, da lei da morte se libertaram, Soares dos Reis, grande entre os melhores guarda-redes portugueses, continua presente na memória portista, enquanto houver portistas que conheçam a história do FC Porto e portugueses apreciadores do futebol nacional.

(continua)
= CLICAR SOBRE AS IMAGENS, PARA AMPLIAR  =