Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

terça-feira, 31 de dezembro de 2019

Votos pessoais de… Feliz Ano Novo !


Na anual boa tradição de formular votos pessoais de Bom Ano Novo, e por sincero desejo, apresenta o autor deste blogue naturais anseios aos amigos e fieis leitores do que neste espaço se tem vindo a partilhar. Em intenção que seja um ano de feliz prosperidade e melhor concretização de aspirações de boa índole. E tal como na quadra natalícia ainda em vigor é normal haver moral nos contos de Natal, também que advenha feliz apoteose no que se conta em nossas motivações.


Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens )))

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Efeméride da entrada de Jorge Nuno Lima Pinto da Costa para Sócio do FC Porto


Dois dias após a passagem do aniversário natalício do Presidente do FC Porto Pinto da Costa, assinalamos agora a data da admissão do mesmo e consócio portista Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa como Sócio do FC Porto.

Foi então a 30 de Dezembro de 1953 (meses antes do signatário desta lembrança ter vindo ao mundo), que o jovem Jorge Nuno passou a fazer parte oficial da coletividade Futebol Clube do Porto, de que era adepto ferrenho e viria a ser posteriormente figura de proa.


Então, o FC Porto havia passado a ter o seu estádio um ano e tal antes, em 1952, a cuja inauguração do recinto substituto do velhinho campo da Constituição assistira de corpo e alma o jovem Jorge Nuno, ao tempo com 14 anos e meio sensivelmente, ou seja a caminho dos quinze; e ele próprio guardou mesmo recordações também físicas desse acontecimento festivo da apresentação pública do estádio das Antas. Até que, como conta, no dia dos seus 16 anos recebeu como prenda, de sua avó Alice, a ditosa oferta de passar a ser sócio do FC Porto, com cartão passado. Contudo (pois o cartão fora atribuído antes da aprovação oficial, para poder ser entregue pessoalmente no dia do aniversário) seria dois dias depois que a própria situação ficaria oficializada, com a data de aprovação da respetiva proposta a ter sido datada e assinada a 30 de dezembro desse ano de 1953. Fora sócio proponente o antigo Presidente António Maria Moreira de Sousa e o documento ficou assinado pelo secretário Sr. Paulo Pombo, em tempo que o Presidente da Direção era o Dr. Urgel Horta.

Daí para a frente algumas curiosidades também ficaram associadas à atribuição dos seus sucessivos cartões, na sequência da habitual renovação de atualização que sucede a cada cinco anos. Acontecendo algumas peripécias, como o próprio Presidente Pinto da Costa referiu na sua autobiografia, com exemplos de alguns cartões anteriores de ter passado a ser Presidente.


É pois Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa associado do FC Porto há 66 anos, completados nesta data de 2019. Com cartão de sócio nas mãos desde o dia de seus 16 anos, a 28 de dezembro de 1953, e com entrada aprovada no papel oficial do clube de imediato desde 30 de dezembro desse ano. Estava o FC Porto nesse tempo a formar a grande equipa de futebol da geração de cinquenta, tinha já os grandes ciclistas que nessas eras corriam de forma que o clube azul e branco era o mais vitoriado pelas estradas e possuía também campeoníssimos do andebol, entre tantas excelências patrimoniais. E começavam a surgir no seio do clube homens do futuro, como se revelou ao longo do tempo o grande dirigente Nuno Pinto da Costa.


Ora, em tempo de contos de Natal, como é próprio das narrativas tradicionais do maravilhoso sortilégio natalício, ainda dentro da correspondente quadra recorda-se esse nascimento clubista, não derivado dum nascimento divino numa Lapinha de presépio, mas de algo ambiental nas proximidades da Lapa do Porto. E antes ainda da chegada dos Reis Magos, pois a magia provinda dum sonho desportivo aportou em grande escala com títulos Europeus e Mundiais, conquistas de sucessivas Voltas a Portugal e tanto mais. Até que agora, já com quase 38 anos de presidência, e na epifania da mais uma reeleição, se anseia que o museu do clube ainda venha a ter espaço e lugares para tudo o que significa todo o historial portista, na preservação de tudo quanto personifica o portismo de que andam muitas almas cheias. Na fé do trajo da cor das próprias veias  como está gravado no poema Aleluia e ressalta em todo o ser de quantos somos Dragões. 

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens )))

sábado, 28 de dezembro de 2019

Aos 82 anos de Nuno Pinto da Costa: Parabéns Presidente-Dragão!


Como as árvores de grande porte se mantêm altaneiras onde brotaram boas raízes, o Presidente do FC Porto aí está fixo no sentimento portista já com 82 anos de vida, numa vida plena cuja meia parte tem sido vivida na gerência do grande FC Porto que é paixão de muita e boa gente de sentimentos e princípios.


Ora, na passagem de seu 82º aniversário natalício, a dois dias de também perfazer 66 anos de sócio do FC Porto, durante seu mandato presidencial de já 37 anos (e a cerca de 4 meses de completar 38) à frente dos destinos do FC Porto, apresentamos-lhe nossas felicitações, com algumas recordações simbólicas de avivar memórias eternas.


Parabéns Presidente, caro sr. Nuno Pinto da Costa !

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens )))

sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

Boa prenda no sapatinho portista: hoquista Gonçalo Alves renova com o FC Porto


Ainda dentro da quadra natalícia, antes do final do ano e mesmo a anteceder a passagem de mais um aniversário do presidente portista, o líder Dragão Pinto da Costa validou a assinatura de contrato de renovação do hoquista Gonçalo Alves, o atual hoquista que detém o carisma do hóquei do FC Porto, na linha de Cristiano, Zé Fernandes, Vítor Hugo, Filipe Santos, Reinaldo Ventura, Hélder Nunes, etc. Dando assim mais uma satisfação ao mundo azul e branco, qual prenda colocada no sapatinho do sentimento portista.


Esta boa nova chegou ao nosso conhecimento através da programação noticiosa do Porto Canal. Ao aparecer diante dos olhos e dos ouvidos que Gonçalo Alves renovou contrato com o FC Porto, prolongando assim a ligação ao clube até 2023.


O novo vínculo foi oficializado na presença do presidente do clube, Jorge Nuno Pinto da Costa, e do diretor de hóquei em patins portista, Eurico Pinto.


Para o tão admirado jogador do hóquei do FC Porto tal ocorrência resulta num «sentimento de orgulho e de satisfação", como ele mesmo afirma ao continuar no clube. Acrescentando: «Sinto-me muito bem aqui no FC Porto»

E como nos sentimos bem com tal notícia! Como sempre com notícias assim.


Armando Pinto  
((( Clicar sobre as imagens )))

sábado, 21 de dezembro de 2019

BOAS FESTAS !


Quando o Natal se aproxima e o tempo deste inverno de fortes depressões meteorológicas traz fortes rabanadas de vento e rajadas de chuva, com a chamada Elsa que tem afetado o território nacional, seguindo-se a depressão Fabien, vale no espírito da quadra haver as tradicionais rabanadas doces para amenizar o ambiente. Assim, desejamos uma maior intensidade de afetos e ânimo derivado do sortilégio natalício, a todos os amigos acompanhantes deste blogue, formulando votos de

BOAS FESTAS

com um Feliz Natal bem aconchegante na magia familiar.

Natal de 2019
Armando Pinto

((( Clicar sobre a imagem )))

quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

Recordando: Passado e Futuro, numa publicação antiga


Estando estas rememorações numa sequência histórico-literária de preservação afetiva, em tempo de advento natalício como o que passa, quando se aproxima a época em que calham bem certas ofertas como as de livros, partilhamos então, por este meio, mais uma recordação apropriada. Trazendo até aqui uns trechos de leituras à vista dos confrades destas loas, no comum apego pela memória Portista.


Assim, desta feita recordamos um pequena publicação com a chancela do clube, numa edição publicada em 1980, feita ao tempo a registar o texto duma palestra oficial da cerimónia das rosetas de reconhecimento aos sócios, ocorrida nesse ano e proferida pelo associado Custódio Moreira de Castro – um antigo dirigente historiador, que tinha um grande e valioso espólio sobre a Vida do F. C. Porto. Trazendo nós até aqui, a este espaço público, umas simples amostras dessa curiosa publicação, colocando no entanto apenas algumas das cerca de 18 páginas em que se alongava o texto da dita comunicação. Não indo além disto, porém (evitando danificação da encadernação com a digitalização), para não estragarmos essa brochura que gostosamente possuímos. Mas, isto assim, já dá para ficar uma ideia de tal interessante narrativa impressa à posteridade.






Armando Pinto 
((( Clicar sobre as digitalizações )))

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

Evocação de Pavão - na data aniversária de seu falecimento


16 de Dezembro para sempre é data associada ao falecimento do célebre “Pavão do Porto”, quando numa tarde triste caiu em pleno relvado com a camisola do FC Porto vestida, esse tão admirado Fernando Pascoal Neves “Pavão”.

Faz agora anos, na data de hoje, que em 1973 desapareceu dos olhos, mas ficou como constante recordação. Estando eternamente na memória que, então, o mítico Pavão fez o seu último passe, no também mítico Estádio das Antas.


Fernando Pascoal Neves, mais conhecido e celebrizado por Pavão, nascido em Chaves a 12 de Agosto de 1947, faleceu assim na cidade do Porto e no coração do FC Porto a 16 de Dezembro de 1973. Era jogador de futebol do FC Porto, com cuja camisola azul e branca vestida conseguiu ser Campeão Nacional de juniores e vencedor da Taça de Portugal, então já em seniores. Tal como tinha a faixa de capitão da equipa principal do FC Porto, além de ter envergado ainda a camisola da seleção nacional – não tantas vezes como merecia ser chamado a representar Portugal, sabendo-se que era o melhor no seu lugar, mas como jogava no FC Porto, atendendo ao sistema BSB que privilegiava tudo o que fosse de Benfica, Sporting e Belenenses, as poucas vezes que conseguiu superar isso demonstra como era mesmo bom… e superior à concorrência!

Morreu então no decorrer do jogo de futebol disputado no Estádio das Antas no que veio a ser seu último dia de vida. Ao minuto 13 da 13ª jornada da época de 1973/74, durante o encontro do Futebol Clube do Porto com o Vitória de Setúbal. Pavão caiu no relvado e ficou inanimado. Foi levado para o Hospital de São João, mas apesar de todas as tentativas médicas de reanimação, não foi possível mantê-lo vivo.

Tal como ficara conhecido por fintar os adversários de braços abertos, em associação ao majestático porte dos pavões, ficou com seu esplendor para sempre na memória portista.


Pavão está sepultado no Mausoléu do Futebol Clube do Porto, no cemitério de Agramonte, onde jazem Estrelas do FC Porto. E uma sua camisola está preservada, emoldurada devidamente, em recanto domicilário do autor destas linhas escritas.

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens )))

sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Notícia no SF - Sobre próximo livro historiador de Ciclistas de Felgueiras - com Gente do Ciclismo do FC Porto !


= Notícia no jornal Semanário de Felgueiras, edição de sexta-feira dia 13 de dezembro de 2019.

O conteúdo do referido livro irá conter biografia e currículo de Artur Coelho, histórico "Papa Etapas do FC Porto", além de biografias curriculares de mais três ciclistas nascidos no concelho de Felgueiras, dos que participaram em edições da Volta a Portugal, como também a biografia desportiva de Adriano Quintanilha, natural de Felgueiras e principal patrocinador atual do ciclismo do FC Porto.

A. P.

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Onofre Tavares com espaço particular no Museu do Ciclismo


Tomamos conhecimento por estes dias, através de notícia do Jornal Oeste Online (em artigo de setembro passado, agora chegado a nossos olhos graças a um amigo também adepto do ciclismo), que Onofre Tavares, histórico ciclista e técnico de ciclismo do FC Porto, foi reconhecido e está honrado com um espaço a ele dedicado no Museu do Ciclismo, sito nas Caldas da Rainha.

Reza assim essa notícia:

«Inauguração do núcleo expositivo dedicado a Onofre Tavares no Museu do Ciclismo
O ciclista e mais tarde treinador da equipa de ciclismo do FC Porto, Onofre Tavares, foi homenageado na passada quarta-feira, dia 28 de agosto, no Museu de Ciclismo, com apresentação de um núcleo dedicado à sua carreira, na Exposição Permanente do 1º andar do museu.

[+] Fotos
O ciclista Onofre Tavares, Mário Lino e o vereador do desporto, Pedro Raposo junto à exposição
Entre 1943 e 1957, o ciclista “somou vitórias e colecionou títulos”, que o “conduziram à fama e tornaram-no num dos mais sólidos ídolos da sua geração”. Representou a camisola do Porto e do Benfica, onde assumiu o estatuto de “Rei do sprint” e somou 10 vitórias em igual número de etapas da Volta a Portugal.

Por tudo isso, o Museu do Ciclismo com ajuda do sobrinho do ciclista, Manuel Lopes, que já costumava acompanhar o tio nas provas de estrada nos anos 50, decidiram homenagear o ciclista pelos seus dotes de sprinter, que o ajudaram a conquistar o prémio de Campeão Regional e Nacional de Fundo e de Campeão Nacional de Velocidade, por quatro vezes.
Segundo o diretor do Museu do Ciclismo, “a ideia era homenagear Onofre Tavares, naquela que também é a sua casa”, explicou adiantando que esta “simbólica homenagem” também serviu para celebrar os seus 92 anos, a sua carreira de ciclista e tudo o que fez para contribuir para esta instituição.

Presente também estiveram outros ex-ciclistas como é o caso de Manuel Fernandes, que referiu que, foi “graças à força de vontade do sobrinho do ciclista Onofre Tavares, que teve o cuidado de ir buscar memórias, que estavam em casa, como é o caso das camisolas que estão aqui expostas e eu sugeri que fossem colocadas aqui no Museu do Ciclismo”. Além do equipamento, o núcleo de exposição conta com diversos painéis informativos e fotografias relativas à carreira do antigo ciclista.
Após apresentação do núcleo foi cantado os parabéns ao antigo ciclista. »

O facto, que se aplaude e regista com louvor, faz vir à ideia como espaços assim deveriam também ter lugar no Museu do FC Porto, por quanto é pena que material que pertenceu a grandes nomes do ecletismo portista se percam ou fragmentem por outros lados. Não no caso vertente, pois no Museu do Ciclismo está e ficará muito bem preservado o que foi e lembra da carreira de Onofre Tavares, mas noutros possíveis exemplos. 

Recorde-se que Onofre Tavares foi ciclista do FC Porto durante longo tempo, apenas com um breve interregno pelo meio provocado pela "tropa" que o levou para Lisboa (e como tal esteve episodicamente no Benfica,  devido ao serviço militar, mas curiosamente sem grandes vitórias fora de seu ambiente). Tendo no FC Porto sido um dos mais vitoriosos ciclistas - conforme seu curriculo vitae já registado em artigo neste blogue.

A propósito, é uma honra saber que um ciclista com o casrisma de Onofre Tavares, senhor que cativa simptias mesmo entre antigos adversários e adeptos atuais de outros emblemas, é uma referência do FC Porto, como  alguém especial do ciclismo portista.

Relembre-se ainda que Onofre Tavares recebeu em 2018 a Roseta de Diamante de sócio do FC Porto, em sessão de entrega das respetivass rosetas aos sócios com 75 anos de filiação clubista, conforme foi então registado na página oficial do FC Porto:

«Atleta, treinador e sócio há 75 anos: a história de Onofre Tavares


Entre os agraciados com a Roseta de Diamante há pessoas cuja ligação ao FC Porto foi muito para além da bancada. Domingos Barros foi atleta de Basquetebol e Fernando Domingues representou o clube no Andebol. Mas a ligação mais prolongada será mesmo a de Onofre Tavares (foto abaixo).


Ciclista e, mais tarde, treinador da equipa de ciclismo do FC Porto, fez-se acompanhar pelo sobrinho Manuel Lopes que já costumava levar para as provas de estrada nos anos 50.

“Viajava com ele e com a equipa do FC Porto. Como deve compreender, para um menino muito pequeno aquilo era um espetáculo. Fui uma vez com a equipa a Lisboa quando eles foram correr ao estádio de Alvalade na pista, num festival internacional em que aquilo estava lotado e onde estiveram as principais vedetas mundiais da altura. Ele ganhou algumas das provas”, recorda Manuel.

Onofre Tavares (na foto nos tempos de ciclista), natural de Gulpilhares, começou por ser portista, depois sócio e, por fim, atleta. “Naquela altura havia muita gente que vinha de lá para cá e eu comecei a vir também. Cheguei a vir à Constituição e às Antas, claro. Era muito amigo do Pedroto e principalmente do Hernâni”, conta.

Sobre a vida como atleta relembro os encontros na Constituição. “Era de lá que partíamos para dar a nossa volta. É um gosto ver que ainda hoje temos uma equipa de ciclismo”, assume. Treinou atletas como Sousa Cardoso, Mário Sá, Sousa Santos, Pacheco ou Peixoto Alves e ainda hoje está atento às duas rodas.

Manuel Lopes conta que o tio esteve em Braga, na chegada da etapa da Volta a Portugal (em 2018). “Esteve a falar com o Nuno Ribeiro. E também foi ver a final do Grande Prémio Jornal de Notícias que o António Carvalho ganhou”, acrescenta.»

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens )))

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Jantar das Bodas de Ouro do Metropolitano de 1969: Reflexos do Encontro dos Hoquistas Campeões Metropolitanos do FC Porto


No sábado em que se ligaram as luzes de decoração natalícia em muitos sítios, como na cidade do Porto foi inaugurada a tradicional gigante árvore de Natal, congregando no centro citadino grande aderência de pessoas predispostas a sentir ao vivo o ambiente do espírito natalício, também dali não muito longe se juntou um grupo de antigos colegas e sempre amigos em espírito comemorativo, como foi o caso do evento comemorativo dos 50 anos da conquista do Campeonato Metropolitano de hóquei em patins.  


Ora, como antecipadamente neste blogue se anunciou e registou em enquadramento memorial, foi assinalada a efeméride jubilar do primeiro campeonato de nível nacional conquistado pelo FC Porto no hóquei patinado. Havendo sido realizado, no sábado último de novembro, também dia de encerramento do mês e à entrada do novo e em pleno período de Advento do Natal, o jantar das Bodas de Ouro do Título de Campeão Metropolitano de Hóquei Patins. No próprio dia e sensivelmente a entrar pela hora em que há 50 anos a equipa principal de hóquei em patins do FC Porto alcançava o primeiro título nacional para o clube:

- 30 / Novembro / 1969 – 2019!


A ocasião proporcionou assim reencontro de antigos colegas de equipa, com a grande maioria dos elementos que se sagraram campeões em 1969. Tendo, dos hoquistas que ao longo dessa época contribuíram na caminhada de que resultou o Título Metropolitano, apenas não estado presentes 3, por motivos de impedimento momentâneo, compensando-se de permeio tais ausências com a junção de 3 convidados (como anteriormente também aqui se enunciou).


Juntaram-se então 13 dos companheiros de “sticadas” daqueles bons velhos tempos. Os quais assinaram a folha de presença, não só no convívio como também com autógrafos de marcação da ocorrência – servindo, para o efeito, a ementa do próprio repasto, como para aqui se transpõe (através de amável envio de fotocópia do amigo Fernando Barbot).


Pelos autógrafos e seguindo a ordem com que assinaram (se a identificação do “notário” que reconheceu as assinaturas se não enganou): Eduardo Valentim, José Castro, Fernando Graça, Alexandre Magalhães, Fernando Barbot, Júlio Silva, Joel, João de Brito, Sobral, José Fernandes, Cristiano, Rui Caetano e Orlando Santos.


De tudo isso, e seguindo a máxima de que há imagens que falam mais que quaisquer palavras, ilustra-se visualmente o acontecimento com um bom filme de fotografias, captadas pelo também hoquista campeão Orlando – através do qual, igualmente por amável envio, fica melhor documentado o sucesso decorrido em família do hóquei portista.


As fisionomias demonstram que ainda estão todos em grande forma! Que se cuidem  Gonçalo Alves e Companhia, da atual equipa de hóquei em patins do FC Porto  para pelo menos daqui a anos também comemorarem campeonatos que vão ganhar!  

A série de captações visuais, por ordem cronológica do encontro, fala por si e por todos.
  

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens )))