Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

António Araújo: Um Símbolo do F. C. Porto de meio do século XX…


Sempre houve figuras salientes na vida do F. C. Porto que, no decurso da História Portista, atingiram um plano de tal forma representativo que, em associação emblemática, foram considerados como bandeiras do clube. Tal o caso, nos primeiros anos de maior implantação clubista, de uns Valdemar Mota, Siska e Pinga, a que se seguiu um… Araújo. António Araújo, grande futebolista do F C Porto de meio do século XX, autêntico ídolo dos campos de futebol na década dos anos 40... Antes, portanto, do aparecimento de Hernâni, Américo e outros imediatos, até Gomes e Cª… de sucessores. 

Tanto assim foi que Araújo está oficialmente considerado uma das "Lendas do F. C. Porto", segundo a homenagem que foi proporcionada ao mais alto nível aquando da inauguração do pavilhão Dragão Caixa, ficando assinalado com um círculo alusivo, também, no passeio da fama implantado no espaço fronteiro à entrada do mesmo atual pavilhão gimnodesportivo portista.


Como tal, é na literatura azul referido a propósito: «António Araújo - Um avançado de grandes potencialidades, que se sagrou melhor marcador do campeonato em 1947/48, apontando 38 golos. Pela seleção marcou 6 golos em 9 partidas. A seleção portuguesa da altura era designada com algum sarcasmo por «Sport Lisboa e Araújo». O maior momento de glória de Araújo foi na 1ª vitória oficial frente à Espanha, em 1947. Portugal venceu por 4-1, com os dois primeiros golos apontados pelo António Araújo.»


A sua biografia ficou superiormente resumida no trabalho de Rodrigues Teles, aqui acima postada, em resenha sobre a galeria dos Internacionais do F C Porto, dos quais ele foi o 17º cronologicamente a ter atingido os galões na lista de futebolistas azuis e brancos que chegaram à Seleção A portuguesa. 


Dessa fama era ilustrativa a associação interligada que a seu tempo lhe era atribuída, como demonstra uma capa da revista Stadium, que em 1946 legendava precisamente o seu nome em conexão com o do clube. Em número de cuja edição, de 23 de Outubro de 1946, são ainda as imagens que colocamos no fim (vendo-se Araújo assistindo a uma cabeçada do colega Correia Dias e ele mesmo a vencer a oposição dum adversário), nuns clichés visuais  duma jornada a contar para o Campeonato Regional do Porto (prova que antecedia as competições a nível nacional e apurava os primeiros da Associação para o campeonato português). Jogo esse, acrescente-se, em que a equipa principal do F. C. Porto derrotou o Salgueiros por 5-2, com 4 golos de Araújo, na disputa da 2ª volta daquela competição portuense - depois de na anterior rodada o clube Portista ter vergado os Salgueiristas copiosamente por 18-0, com 7 golos de Araújo…


A carreira de Araújo foi célebre, como atestam as diversas descrições que tem merecido e consta de livros e variadas edições publicadas. 

© Armando Pinto 

»»»»» Clicar sobre as imagens, para ampliar «««««

3 comentários:

  1. Mais um belo pedaço da nossa historia, Armando.

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Não conheci, mas os meus mentores, avô, principalmente e pai, falaram-me muito bem dele. Naquele tempo, talvez um símbolo, agora prefiro referências.

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Grande jogador mas acabou cedo nas primeiras categorias por causa de lesões que lhe apareceram. No Porto era como depois foi o Eusébio no Benfica, com a diferença que era jogador do Porto e nunca lhe foi dada a mesma importância. Voltou a jogar mais tarde já em divisões inferiores pelo Tirsense e pelo Paredes, clube da sua terra e onde era funcionário da Câmara Municipal. O presidente Pinto da Costa fez-lhe uma entrega dum dragão de porcelana há alguns anos.

    ResponderEliminar