Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

“Mestre” Pedroto – de eterna memória…!


Janeiro é mês de inúmeras efemérides, sobre os mais variados aspetos e feitios, muito naturalmente. Mas, das diversas curiosidades que nesse campo engloba, é também um mês, no que toca à Memória Portista, de datas inesquecíveis na vida do F. C. Porto. Quanto, entre tantos, se pode recordar o caso de José Maria Pedroto, nomeadamente por ter sido em 7 de Janeiro que ocorreu o seu falecimento; tal como, por outro lado, uns bons anos antes, no mesmo mês se dera a realidade da sua aceitação para o seu regresso oficial às Antas, num retorno ao comando da equipa principal azul e branca que deu frutos históricos. 

Com efeito, foi em finais de Janeiro de 1976 que José Maria Pedroto, na altura ainda treinador do Boavista, se comprometeu com Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa em assinar contrato com o F.C. Porto, carimbando então o seu regresso e o de Nuno Pinto da Costa (afastado do dirigismo desde 1971 e se candidataria pela lista vencedora de Américo de Sá em Maio do mesmo ano). Dando-se depois a assinatura oficial do contrato, mais tarde, em Junho seguinte.


Serve pois este mote (visto anteriormente já termos referido outros) como mais um motivo para evocarmos esse Senhor que, com Pinto da Costa, esteve na linha da frente da maior afirmação existencial do nosso F. C. Porto, como bem se sabe.

Interiorizado como temos que a sua memória é perene, recordamos com grande estima esse nome sagrado do Portismo que nos enche o ser, através de respigos de algumas páginas escritas pelo também saudoso Manuel Dias, grande jornalista e escritor que escreveu «F. C. Porto – 100 Anos de História / 1893-1993» - onde ficaram devidas referências a Pedroto como jogador e como treinador do F. C. Porto.









»»»»» Clicar sobre as digitalizações, para ampliar ««««« 

= Recorde-se que, na grande admiração que o autor destas linhas manteve pelo sr. Pedroto, o grande sr. José Maria Pedroto que foi e é nome emblemático do F. C. Porto, colocamos, em tempos, no nosso anterior blogue “Lôngara…” (depois continuado pelo atual “Memória Portista”) alguns posts recordatórios de J. M. Pedroto: 

Conf. (clicando sobre os links) in





 Armando Pinto

2 comentários:

  1. Recordar é viver... Foi com emoção que recordei esses momentos. Comovente as imagens do seu funeral A nossa casa que ficava perto do estádio e foi,nesse dia, invadida e nas imediações eram milhares de pessoas. Ao longo do percurso era impressionante a multidão dos que o acompanharam,numa manifestação inédita de amor e saudade.Para além de profissional ao serviço do FCP,preocupava-se muito com a solidariedade social.Era um filantrópico.Como é bom sentir que ainda há pessoas que evocam,com carinho,a sua memória. Um abraço de amizade.

    ResponderEliminar
  2. Grande Pedroto. Está no nosso coração e na história do FCP para sempre. Obrigado por esta bonita lembrança.

    ResponderEliminar