Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

segunda-feira, 2 de março de 2015

Tello na pauta dos grão goleadores em clássicos e na galeria dos “Hat-tricks” Portistas perante o Sporting


A vida é feita de pequenas e grandes coisas, contudo sempre mais atrativa quando complementada com grandes feitos. Tal a importância de haver heróis, como apologia da transcendência existencial.

Sendo que o desporto é um fenómeno social e o chamado desporto-rei que é o futebol galvaniza multidões e ajuda a tornar a vida menos monótona, sabendo-se como não se pode sempre estar a pensar no enfraquecimento do nível de vida e prejuízos causados pelas más políticas dos anos mais ou menos recentes, ainda é o entusiasmo pelo universo futebolístico que serve de válvula de escape, com a paixão portista firme na crença ( apesar da intromissão de jogadas de bastidores que têm ajudado o Benfica a manter-se ao colo do sistema que vem do tempo dos túneis)…


De todo o modo, como dizia o poeta, o F C Porto mantém firme o passo, aqui ninguém recua. Com perseverança e confiança. Tanto que este domingo deu uma lição a muita gente, do modo como goleou o Sporting por 3-0. E só não foram mais porque, além dum outro remate esbarrado na trave da baliza, ainda foram escamoteados ao F C Porto pelo menos dois penaltis, em mais uma arbitragem feita por um conhecido árbitro pró-Benfica…  

Para o caso, contaram três golos apontados então pelo espanhol Tello.


Com estes três golos apontados ao Sporting no clássico do Estádio do Dragão, Tello entrou para um lote restrito de futebolistas que estão na história, integrando quadro de honra, por terem apontado três ou mais golos em duelos entre Dragões e Leões, ao longo de todos os jogos das competições oficiais. Desse rol, importa, no caso, a parte respeitante ao F C Porto, tendo sido cinco homens equipados de azul e branco a apontar tantos golos duma assentada, em seis jogos, ao rival de Alvalade.

A honrosa lista é encabeça por Artur de Sousa Pinga, histórico senhor que nunca é demasiado recordar.


Eis alguns números e dados do rol de tais marcadores de três ou mais golos nos embates entre os emblemas do F C Porto e Sporting, num total de cinco craques de sucessivas gerações. Sendo que desses o portista Carlos Nunes até apontou quatro golos, e Pinga fez três em duas partidas disputadas em anos seguidos.


Os cinco magníficos e seus feitos correspondentes:

Primeiro foi o grande Pinga, em 1934/35 a obter 3 golos no F C Porto 4 x 2 Sporting dessa época de 1934/35; repetindo a proeza no ano seguinte, fazendo assim um hat trick em dois jogos entre estes rivais. Em cujo triunfo azul e branco por 10 x 1, Pinga fez três golos, mas Carlos Nunes fez quatro remates certeiros. Seguiu-se aí Carlos Nunes, então com os 4 golos na goleada de 10 x 1 infligida aos leões, em jogo disputado no campo do Ameal, em 1935/36. Volvidos poucos anos, ocorreu outro hat-trick portista através de Slavko Kordnya, autor de 3 golos de enfiada no cômputo do F C Porto 4 x 2 Sporting de 1939/40.


Passou de permeio muito tempo de interregno, até novo futebolista do F C Porto ter  levantado  três dedos vitoriosos perante os adversários da camisola às riscas verdes,  o que só voltou a acontecer já na década dos anos setentas,  com António Oliveira a enfiar três golos no decorrer do F C Porto 4 x 1 Sporting, em 1976/77...


...Surgindo agora a mão cheia de heróis azuis e brancos em tais autorias, com o feito de Tello, neste F C Porto 3 x 0 Sporting que ainda vivemos e saboreamos, agora com novo ânimo nesta fase decisiva da época de 2014/2015.


Um facto destes merece natural realce. Como procuramos aqui fazer, revivendo os autores através de alguns respigos ilustrativos, nomeadamente por via de alguns excertos de números das antigas Seleções Desportivas, edições de 1978; bem como por uma ficha da Enciclopédia do Desporto, edição Quidnovi, volume 10, de 2003; e da revista “Golo”, de 1977 – dando, por fim, imagens da grande exibição de Oliveira, coroada com três golos, diante do Sporting de Laranjeira, Fraguito, Baltazar, Manuel Fernandes, Inácio e demais badalados sportinguistas desse tempo. Entre os quais também estava Manaca que, anos mais tarde, transferido para o Vitórioa de Guimarães, ajudou o Sporting a ser campeão com um auto-golo famosíssimo acontecido num Guimarães/Sporting celebrizado pelos piores motivos.


Importa destacar que Cristian Tello é o primeiro espanhol a marcar três golos num jogo deste género por cá, entre nós. Ou seja, até este domingo, nenhum jogador espanhol havia feito tantos golos num encontro entre portistas e sportinguistas.


Olhando para a justeza  dos números e contando o tempo pela medida da ampulheta recente, verifica-se que ia na casa das três décadas de anos que um só jogador do F C Porto não fazia pelo menos três golos num só clássico entre F C Porto e Sporting. Recuando-se então ao tempo em que José Maria Pedroto treinava o FC Porto e António Oliveira era o “Sandokan”, em 1976/77, emparceirando na forte equipa cantada na voz popular como sendo especialmente de… “Duda e Oliveira, mais Gomes na dianteira”… Ao tempo em que António Oliveira tinha sido o último a apontar um hat trick ao serviço do FC Porto contra o Sporting. Na altura, os Dragões venceram no Estádio das Antas por 4 x 1.


Armando Pinto

»»» CLICAR sobre as imagens, para ampliar «««

5 comentários:

  1. Caro amigo

    tenho a ideia de que o Doriva marcou 3 de livre aos leões.

    António Costa

    ResponderEliminar
  2. Doriva marcou 2, na vitória do FCP sobre o Sporting por 3-2 (sendo o outro por Jardel), em 1998/99.
    Obrigado pela participação. Abraço.

    Armando Pinto

    ResponderEliminar
  3. Lembro-me perfeitamente desse jogo em que o Oliveira marcou os 3 golos. Assim como também me recordo que, passados 15 dias, voltamos a receber o Sporting, para a Taça, e novo triunfo desta vez por 3-0 e o Oliveira também "molhou a sopa".

    ResponderEliminar
  4. http://www.maisfutebol.iol.pt/coracao-afasta-doriva-nao-esqueco-os-golos-ao-sporting
    O Doriva marcou 3 sim senhor!
    Melhores cumprimentos

    ResponderEliminar
  5. Publiquei o comentário acima, apesar de escondido no anonimato, para poder dizer isto melhor: - Quanto a essa pseudo polémica sobre os golos do Doriva, por muito que pensemos assim e assado, conta a parte oficial. E para isso, como todos os que nos interessamos, devíamos saber, há atrubuição oficial, no chamado boletim de jogo. Ora oficialmente o tal golo foi atribuído ao Jardel, como consta na literatura de homologação do campeonato e iunclusive nas publicações do F C Porto quanto a esse jogo, idem, aspas. Ok?!
    Armando Pinto

    ResponderEliminar