terça-feira, 23 de agosto de 2016

FC Porto de regresso aos grandes momentos futebolísticos - Vitória épica em Roma e carimbo para a continuidade na Liga dos Campeões!

Ahhh!!! 
O FC Porto dos grandes momentos regressou. Grande vitória em Roma, com épica passagem à fase de grupos da Liga dos Campeões. Carimbada que fica com três golos em pleno estádio Olímpico de Roma.  Pedro Homem de Melo exaltou a alma do FC Porto no seu grandioso poema Aleluia, e o FC Porto continua a subir aos píncaros nas asas poéticas com épicas vitórias destas, como a de agora no estádio romano da atualidade.


Os comentadores adversos andavam a dizer que a equipa portista estava obrigada a marcar pelo menos um golo, como que a meter pressão... e a nossa equipa fez mais, com três, uma das contas que Deus fez.

Agora são já 21 presenças do FC Porto em 25 edições na "Champions", algo só igualado por Real Madrid e Barcelona. O FC Porto é algo especial!

E que grande vitória foi e é esta do FC Porto, no mítico Olímpico de Roma! Costuma-se dizer que em Roma sê romano, mas o FC Porto foi autêntico Dragão, a deitar fogo, não a Roma como séculos antes o imperador Nero, mas (não confundir com Nerú, por causa de certas rimas…)  a todas as mentes doentes que não olham a meios para procurar atingir os interesses portistas. Como se viu no fim do jogo pelas “trombas” de alguns comentadores televisivos de certos canais feitos com outros regimes, alguns dos quais ainda tentaram continuar com atoardas, daquelas em que só acredita quem quer…

Ora em Roma convém ver o Papa. E no canal televisivo que desta vez transmitiu o jogo até se viu uma entrevista a Pinto da Costa, mas quando ele estava a dar certo recado a um dirigente de determinado clube, o tal que disse que queria que o FC Porto perdesse por muitos e tendo sido ele a levar com o que cuspiu… perderam a imagem de satélite e cortaram a entrevista…  Há cada coisa… ou continua a haver… pois por mais que custe aos que não querem ver o Porto vencedor, o Porto deu um safanão e mostra que está de volta, continuando a ser forte.


Sem euforia, mas com alegria, esta foi mais uma bela noite europeia.  Com o FC Porto, depois do empate registado no Porto, a ir a casa do Roma vencer por três a zero, fazendo com que o Hino da Liga dos Campeões continue a ser ouvido este ano no estádio do Dragão.


O jornal italiano La Gazetta dello Sport, segundo a sua página da Internet, sintetiza:

«Roma fuori dalla Champions: 0-3 col Porto, espulsi De Rossi e Emerson


All'Olimpico segna Felipe, poi i giallorossi perdono la testa e Layun e Corona chiudono i conti: si ripartirà dalla fase a gironi di Europa League

23 AGOSTO 2016 - ROMA

Per il calcio italiano, i playoff per l’accesso alla fase a gironi di Champions saranno pure maledetti, ma la Roma ci ha messo tanto del suo. All’Olimpico il Porto vince addirittura 3-0 e si porta via soldi e qualificazione, con un bilancio per i nostri club che va drammaticamente aggiornato: solo il Milan (2013-14), nelle ultime sette stagioni, è riuscito a superare l’ultimo turno preliminare. I giallorossi partivano con il buon pari di Oporto da difendere, ma si sono buttati via, con le follie di De Rossi ed Emerson a cavallo di metà gara che hanno reso ancor più difficile una partita dove la Roma già di suo non aveva approcciato nel modo giusto.»

Assim, para bom entendedor, o FC Porto entusiasma e dá mais confiança, ganha e faz outros ficarem infelizes. Enfim, põe os adeptos adversários nervosos, invejosos e “trombudos”. Enquanto a massa apoiante portista fica mais feliz. Porque o que faz falta é animar a malta!!!


Armando  Pinto

((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

domingo, 21 de agosto de 2016

Gustavo Veloso, do W52/FC Porto/Porto Canal, triunfa no 75º Circuito da Malveira


Gustavo Cesar Veloso é o vencedor do 75º Circuito da Malveira. O ciclista do W52/FC Porto/Porto Canal foi o mais forte este domingo, deixando nas restantes posições do pódio Valter Pereira, do Sporting/Tavira e Jesus Corrochano, do Burgos BH, ambos a 12 segundos.

Ora, o chefe de fila do FC Porto, anteriormente vencedor de duas edições da Volta portuguesa ainda antes do regresso do FC Porto ao ciclismo e depois desta época lhe ter sido algo azarada devido a um acidente provocador de lesões que obrigaram a tempo de recuperação durante a temporada, até que na Volta deste ano ficou em 2º lugar logo atrás do colega de equipa Rui Vinhas, conseguiu finalmente sair vencedor final duma prova com a camisola do FC Porto, sendo o primeiro a cortar a meta como triunfador do Circuito da Malveira, uma das provas mais tradicionais do ciclismo nacional, desta vez na sua 75ª edição.

Corrida esta organizada pelo Clube Atlético da Malveira, com um passado de grande importância, o Circuito da Malveira é o circuito mais prestigiante de todos quantos se disputam no nosso país, mantendo uma tradição de longos anos, desde 1937, em cujo rol das 75 edições decorridas, em mais anos somados devido a interrupções acontecidas, o F C Porto inscreveu o nome por cinco vezes com ciclistas vencedores envergando camisolas azuis e brancas do clube. Tal como foi em 1952 por Onofre Tavares, em 1965 Albino Alves, em 1979 Venceslau Fernandes, em 1980 José Amaro e agora em 2016 Gustavo Veloso.


Nesta fase de realizações de circuitos, teve então lugar a famosa corrida da Malveira, de 35 voltas num percurso total de 45,5 km. Ao longo de cujas voltas pelo circuito Gustavo Veloso comandou um grupo adiantado de fugitivos e acabou vencedor. Veloso mostrou-se o mais forte em todas as frentes, vencendo até o maior número de voltas na frente da corrida, precisamente 18, e somando também o prémio da volta mais rápida, mais a classificação da montanha. Nas derradeiras 3 voltas, já nenhum dos companheiros de fuga conseguiu manter-se ao lado de Veloso, que deu um grande espetáculo de ciclismo com sua grande qualidade.


Gustavo Veloso agarrou a vitória em arranque solitário, deixando a 12 segundos atrás Valter Pereira e Jesus Del Pino, seguindo-se a 17 s António Barbio e a 21 s André Ramalho. Por equipas, a W52/FC Porto impôs-se mais uma vez no plano coletivo, à imagem da superioridade vincada em toda a temporada, seguida desta feita pela equipa espanhola Burgos BH e da portuguesa Sporting/Tavira.

Armando Pinto

(Obs.: Fotos da Internet)
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

sábado, 20 de agosto de 2016

Vitória do FC Porto em jogo importante dentro e fora de campo…


Em dia de volta de honra dos ciclistas do FC Porto vencedores da Volta a Portugal, que mostraram a taça da Grandíssima diante dos adeptos portistas em pleno estádio do Dragão, e ainda duma volta de apresentação pública de equipas azuis e brancas doutras modalidades, o F C Porto teve uma importante vitória da equipa principal de futebol para o campeonato nacional da Liga, na paciência e confiança com que os homens do Dragão conseguiram levar de vencida o adversário sulista que veio para defender a todo o custo...

 
= Equipa de Ciclismo do FC Porto recebendo justa homenagem no estádio do Dragão!

De facto, a equipa de ciclismo do W52-FC Porto-Porto Canal, vencedora da edição 2016 da Volta a Portugal, recebeu o carinho e o agradecimento dos adeptos portistas durante o intervalo do FC Porto-Estoril deste sábado. Os oito corredores que participaram na prova rainha do ciclismo nacional deram a tradicional volta de honra ao relvado do Estádio do Dragão. Acompanhados pelo diretor desportivo Nuno Ribeiro, Rui Vinhas - o grande vencedor da Volta - mais Gustavo Veloso, Raúl Alarcón, Ricardo Mestre, António Carvalho, Joaquim Silva, Samuel Caldeira e Rafael Reis receberam calorosos aplausos ao longo do percurso efetuado perto dos espetadores do Dragão.


Depois dos ciclistas foi a vez dos campeões nacionais de basquetebol, que esta semana regressaram ao trabalho, e dos componentes da equipa de hóquei em patins, já a trabalhar para a próxima época, darem uma volta pelas linhas do relvado. Bem como, de seguida, houve oportunidade de também se apresentar o plantel de andebol para a nova temporada.

= Hoquistas e basquetebolistas do FC Porto no estádio do Dragão

Quanto ao jogo e consequente resultado, na verdade foi sobretudo uma vitória com o condão da equipa portista, com pulmão e coração, ter conseguido superar a arbitragem maldosa do trio equipado de vermelho, que não quis ver dois penaltis, um quase no início do encontro e outro mais para o meio da segunda parte, ou seja ainda com o resultado em branco. (Havendo de ser de enfiada, para se descrever sem delongas o sucedido) Tendo assim o golo, surgido aos 84 minutos, sido também e especialmente uma valente bofetada naqueles árbitros que estiveram à frente das decisões do jogo e em quem os nomeou, já que da forma que foi obtido nunca poderia ser anulado…


Foi então um autêntico jogo de sentido único, com um golo e três pontos para o FC Porto, que deste modo passa a somar duas vitórias em outras tantas jornadas da I Liga. Deixando animadas as hostes azuis e brancas mais ainda para o próximo embate em Roma e mesmo depois para o seguinte compromisso dos Dragões perante o clássico de Alvalade, com um Sporting que também soma seis pontos.


Neste jogo contra o Estoril, apesar de atacar muito e ter rematado por 25 vezes, o FC Porto apenas garantiu a vitória, por 1-0, aos 84 minutos, através de certeira cabeçada de André Silva, que assim marcou nos três jogos oficiais da temporada. Desta vez marcando de cabeça, desviando a bola entre os defesas amarelados, após um centro de Layún, o mexicano useiro em assistências para golo.


Apreciável o apoio à equipa, mostrando a grande maioria da massa adepta azul e branca que o Dragão terá de ser a fortaleza que a equipa precisa e põe os adversários receosos da reação coletiva, qual será como desta feita a confiança patenteada até ao fim.

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Atualização Histórica do Ciclismo Portista


Chegada que está a época de futebol, e com o ciclismo já em fase de descompressão, passada a azáfama das provas mais importantes e enquanto decorrem as tradicionais clássicas e circuitos festivos, é tempo de atualizar a contabilidade histórica sobre o ciclismo azul e branco, no ano do regresso. Crescido que é ainda mais o rol de números e nomes, neste andamento do FC Porto sobre rodas das bicicletas desportivas. 


Assim sendo:

 - Para além de 15 vitórias na clássica Porto-Lisboa, por ora, mais 3 na congénere Lisboa-Porto (entretanto desaparecida) e muitíssimas vitórias em Grandes Prémios e outras clássicas, mais a Taça de Portugal ganha já em 2016 (que se não disputava ao tempo anterior do ciclismo portista), o FC Porto conta na história da Volta a Portugal com 14 vitórias por equipas (nas Voltas de 1948, 1949, 1950, 1952, 1955, 1958, 1959, 1962, 1964, 1969, 1979, 1980, 1981 e 2016), 7 títulos de reis da montanha (1947-Fernando Moreira, 1955, 1958, 1960 e 1961-Carlos Carvalho, 1962-Mário Silva e 1981-José Amaro) e 13 classificações gerais (vitórias individuais) com triunfos de Fernando Moreira (em 1948), Dias dos Santos (1949 e 1950), Moreira de Sá (1952), Carlos Carvalho (1959), Sousa Cardoso (1960), Mário Silva (1961), José Pacheco (1962), Joaquim Leão (1964), Joaquim Sousa Santos (1979), Manuel Zeferino (1981), Marco Chagas (1982) e Rui Vinhas (2016).


Contando que o FC Porto começou a competir oficialmente em ciclismo anos mais tarde que outros clubes, e sobretudo lembrando os mais de trinta anos em que o clube portista não teve equipa de ciclismo, além de anteriores interrupções, é de vincar que o FC Porto é o clube com mais títulos na história do ciclismo português.

Bonito e sintomático!


Armando Pinto

((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

domingo, 14 de agosto de 2016

F C Porto triunfa na Taça de Portugal em ciclismo, com vitória do portista Juan Ignácio Perez e da equipa W52-FC Porto-Porto Canal


Juan Ignácio Perez Martin, da formação W52-FC Porto-Porto Canal, vence a Taça de Portugal de ciclismo, que o FC Porto também venceu coletivamente. Prova concluída na tarde deste domingo de meio de Agosto, em plena semana imediata ao final da Volta a Portugal. Sendo Juan Perez Martin o ciclista mais pontuado na respetiva classificação final, após as diversas corridas pontuáveis ao longo da época, e das quais vencera a segunda, tendo nas restantes amealhado pontuação superior a todos os concorrentes. Enquanto a equipa W52/FC Porto somou também mais pontos que a concorrência, vencendo a classificação por equipas.


Anteriormente o colega de equipa Daniel Freitas liderou a classificação até ao período anterior à Volta, tendo neste fim de semana decorrido as duas últimas corridas, com Joaquim Silva, também do FC Porto a tomar a liderança dos pontos correspondentes ao fim de penúltima prova, ao passo que na última corrida foi Juan Ignácio Perez a chegar ao fim com a melhor pontuação.


Indo por partes, na penúltima etapa Hugo Sancho, da equipa LA Alumínios-Antarte, venceu na tarde de sábado o Grande Prémio de Mortágua, corrida pontuável para a Taça de Portugal de Elite. Enquanto Joaquim Silva, da W52-FC Porto assumiu o comando da geral. Porque, de entre os corredores que partiam em vantagem na geral da Taça, o melhor foi então Joaquim Silva, jovem trepador penafidelense que chegou na 13.ª posição mas, com esse resultado, assumiu a dianteira da Taça de Portugal, com 135 pontos, seguido por dois colegas de equipa, Juan Ignácio Perez, com 130, e o anterior comandante, Daniel Freitas, com 126. O primeiro ciclista de outra equipa era Luís Mendonça, embora à distância com 109 pontos.

= Equipa Portista vencedora da Taça de Portugal da Elite em ciclismo =

Por fim, na tarde deste domingo terminou a mesma Taça de Portugal de Elite, com a meta instalada em Águeda, terra das bicicletas, onde findou a última etapa pontuável para esta competição. Aí deu-se a vitória de César Fonte, da Rádio Popular-Boavista, primeiro na chegada do Grande Prémio Anicolor. Concluída assim a última prova da Taça de Portugal de Elite, o espanhol Juan Ignácio Perez Martin, do FC Porto, conquistou a Taça de Portugal, sucedendo ao compatriota Diego Rubio.


Assim sendo, Juan Ignácio Perez, que partiu para o último dia na segunda posição da geral da Taça, ao ser o sétimo a cortar a meta amealhou 40 pontos, pecúlio suficiente para ser proclamado vencedor da edição de 2016 da Taça de Portugal.

Juan Ignácio Perez chegou ao fim do troféu com 170 pontos, mais 11 do que o luso Luís Mendonça, da Sicasal. Ficando César Fonte em terceiro do pódio da classificação geral, com 156 pontos.

Mais uma vitória do ciclismo do FC Porto, individual e coletivamente, em total demonstração da superioridade da equipa, durante esta época de 2016. Numa verdadeira mostra do acerto da parceria do FC Porto com a W52, e continuidade do apoio do Porto Canal à equipa, sendo aposta ganha a criação desta nova equipa com o nome do FC Porto, no regresso portista ao ciclismo.

Armando Pinto

((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Entrada portista de pé direito no campeonato, com cartão amarelo na visão pública para a estrutura do futebol…



O F C Porto venceu concludentemente o primeiro jogo a contar para o campeonato principal agora iniciado, num terreno sempre difícil. Tendo a equipa portista vencido onde noutros anos não conseguiu triunfar, obtendo assim um bom começo que nem sempre aconteceu em recentes épocas.


Começado com o pé direito este campeonato da Liga portuguesa, pela equipa do FC Porto, não começou tão bem na prestação da estrutura do clube, por mais que custe expressar. Íamos escrever na referência à equipa portista como azul e branca, mas temos de frisar apenas ser do FC Porto, pois ultimamente tem sido mais de outras cores que em tons azuis e brancos… Vem isto ao caso, especialmente, por se estar a perder a soberania do clube, deixando que sejam agentes ou marcas a impor vontades, como se vê no caso dos equipamentos. Tem acontecido demasiadas vezes e está a passar das marcas. Não se entende como neste jogo, diante dum adversário que equipa de verde e branco, suceda que a equipa do FC Porto use um dos equipamentos alternativos. Primeiro porque em caso de confusão cabe à equipa visitada essa alteração, e segundo porque não pode haver confusão entre verde e azul. Mas se houvesse, repete-se, teria de ser o clube da casa, neste caso o Rio Ave, a mudar para o equipamento alternativo. Porque raio então desta vez jogou a equipa do FC Porto de amarelo, quando do outro lado do campo estava uma equipa vestindo de verde e branco? Não se colocando em causa tanto a cor amarela, pois seria o mesmo se fosse o outro alternativo equipamento preto, mas o facto. Sendo isto como mero exemplo, entre o trabalho de casa que parece estar a ser feito de modo muito diferente do que era habitual nas presidências de Pinto da Costa e seus pares. Anda-se a facilitar demais em pormenores que mexem com os sentimentos e a brincar com coisas sérias. O FC Porto a que nos habituamos não costuma ser assim... Algo menor está a confundir a situação. Haja sentido de responsabilidades e bom senso, que no FC Porto conta o passado, presente e futuro, além de haver património histórico e humano, que vem de longe e com largo alcance.


Fica assim, à imagem do equipamento usado, um cartão amarelo para a estrutura do futebol portista, porque não se pode andar sempre a deixar lá… Ao mesmo tempo que se deixa, como adepto, um outro cartão, esse mais avermelhado, para o sistema do futebol português, olhando à habilidosa arbitragem. Será que o andor vai continuar para o clube do sistema e a haver colinho para as bandas das aproximações às margens do Tejo?!


Foi positiva, em suma, desta feita a exibição da equipa do FC Porto e o que não esteve tão bem naturalmente pode vir a ser corrigido e melhorado. Ficando a sensação que a equipa portista pode fazer uma boa época, à medida de nossos anseios.

De realçar o apoio dos adeptos portistas à nossa equipa, tendo-se registado um mar de gente com as cores azuis e brancas no estádio dos arcos, mesmo com as entradas no recinto deveras dificultadas pela deficiente organização.  


Em suma, o F.C. Porto venceu, esta sexta-feira, no terreno do Rio Ave, por 3-1, no jogo inaugural da I Liga portuguesa de futebol da época 2016/17, disputado em Vila do Conde.

Depois do Rio Ave ter inaugurado o marcador, aos 36 minutos, o F.C. Porto deu a volta com tentos de Corona, aos 40 minutos, pouco depois, portanto, ainda na primeira parte, e depois já na segunda Herrera, aos 52, e André Silva, aos 60, estabelecendo o resultado.


Com os três pontos na estreia oficial de Nuno Espírito Santo como técnico, o F.C. Porto é o primeiro líder do campeonato português.

Posto isto, importa reter que o FC Porto obteve para já os primeiros três pontos, saiu vitorioso e está na frente, dando uma alegria aos apoiantes portistas e uma grande desilusão aos simpatizantes de outros clubes, dos normalmente contra o Porto. Isso já faz ser um bom começo. E arrebimba o malho… que em tempo de festas, a festa é nossa!

Armando Pinto

((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

No regresso do futebol à atualidade da paixão portista


Aí está o futebol na sua expressão a regressar ao nosso convívio, passado o tempo de defeso futebolístico. Neste tempo em que o Portismo foi bem tocado para a frente diante dos momentos vividos com os ciclistas que vestem a camisola com as cores e símbolo do FC Porto, no retorno do ciclismo ao seio do mundo azul e branco. Além de ter havido ténue presença portista no Europeu de futebol (coisa que leva a que as seleções oficiais não mexam muito com quem se sente) e mais ainda perante a prestação portuguesa através da equipa de futebol que está nos Jogos Olímpicos no Brasil, cuja formação, a que clubes como o Benfica e Sporting negaram jogadores, tem feito uma belíssima campanha com diversos futebolistas do FC Porto, desde um da equipa principal, outro também sénior mas de situação ainda indefinida, a outros da equipa B e até um júnior…

Isso e mais, de permeio com o labor da reorganização que Nuno Espírito Santo e sua equipa técnica vêm desenvolvendo e se augura venha a dar frutos, de novo à Porto.


Enquanto isso, está então o futebol a reaparecer oficialmente, com o campeonato prestes a ter o pontapé de saída precisamente com o primeiro jogo do FC Porto, em Vila do Conde diante do difícil Rio Ave no seu reduto e a equipa portista ainda a acertar o passo.

Ora, nos preliminares desta nova época futebolística nacional, tendo ocorrido no passado sábado a apresentação oficial do plantel que compõe a equipa principal do FC Porto, registamos o início da nova temporada com uma sequência de imagens reportadas a essa ocorrência sempre apreciável. Acrescido do facto de o autor destas linhas ter tido por vizinhos de cadeiras da bancada alguns andebolistas do FC Porto, facto logo agarrado por um sobrinho do autor para se colar a eles em imagens, conforme se registou na ocasião (em “selfies”, de poses, não de telemóvel mas de máquina fotográfica).

Disso tudo, eis alguns instantâneos, por quanto se espera e anseia pelo futebol do FC Porto. Na prática de Portismo – como foi sábado, entrado a gosto, no mundo do futebol portista e em plena casa do Dragão, na apresentação do plantel portista para 2016/2017.

Onde, connosco, estiveram 46.110 Portistas a puxar pela equipa do FC Porto!


Observação: O FC Porto está mesmo a precisar de voltar aos bons tempos. Desde a confiança necessária, até ao empenho e valor, tão precisos. Mas passando também por pormenores, como se nota na pose fotográfica da equipa, atualmente seguindo modas externas. Fica muito mal, ou pelo menos nada bem, colocarem-se quase derreados, todos a monte e vergando a cerviz… 


- Porque não voltar ao tradicional modo de os futebolistas que se colocam em primeiro plano porem o joelho no relvado, ou de cócoras como era antigamente, para não esconderem os que ficam de pé, formando um quadro em forma clássica?!


Armando Pinto

((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))