segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Amplexo de Parabéns ao grande “Américo do Porto”!


O nascimento é associado a entrada para a vida, sendo abertura da luz vista na chegada a este mundo. Qual Natal de cada um, enquanto a realidade natalícia é um facto marcante. Tanto que a passagem aniversariante da data de “fazer anos” será sempre especial e por associação extensiva a ternurenta temporada natalícia é propícia a afinidades próprias.

»»»»»» Américo ainda nos Juniores do FC Porto ««««««

Vem ao caso que na recente quadra de Natal, como época de partilha, atrita a ofertas pessoais de prendas, houve propositado enquadramento pessoal em sentido restrito, tendo oferecido à família um livro particular de cunho autobiográfico, personalizado, em edição de autor limitada a poucos exemplares, pelas características de narrativa familiar. Entre cuja descrição, contando o que veio à ideia, de lembranças de uma vida, e narrando factos desde a infância, deixei ali recordados também os tempos em que me lembro de ter começado a simpatizar com o grande Futebol Clube do Porto. E em trechos dessas rememorações, acabei por anotar como então passei a admirar o então guarda-redes do F C Porto, o Américo. Por entre diversas curiosidades e recordações em tal remanso existencial do percurso de vida.

= Américo na equipa vencedora da Taça de Portugal de 1968 = 

Ora o “Américo do Porto” faz anos precisamente no dia em que escrevo estas linhas, agora, a 27 de fevereiro (dia de seu nascimento, embora tenha sido registado depois com data fictícia de 6 de Março, devido às burocracias da época, quanto ao registo civil). Assim sendo, como homenagem também pessoal a esse meu amigo, com um abraço de parabéns ao meu grande ídolo de infância e adolescência, junto aqui imagens de duas páginas (das provas, sem a numeração das páginas) desse livro privado, onde Américo ficou “registado” como alguém que me toca muito…


Parabéns Sr. Américo Lopes. Feliz aniversário, com felicidades para agora e sempre no que também nos une, que é sobremaneira o FC Porto!


Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Lembrança do desfecho de Basileia mal validado – na 1ª final europeia portista e início histórico dos jogos FC Porto - Juventus


O FC Porto volta a encontrar-se neste princípio de ano de 2017 com a equipa italiana que dá por nome Juventus mas é conhecida por velha senhora, em novo encontro, agora para a Liga dos Campeões Europeus de 2016/2017, depois do jamais “engolido” jogo da final de Basileia, disputado na Suíça em 1984 para entrega da Taça das Taças que ao tempo se disputava. Algo que para sempre ficou como velha lembrança duma das maiores injustiças acontecidas em palcos de futebol do velho continente mundial.

Porque há “coisas” impossíveis de esquecer e que deverão ser avivadas em momentos propícios, para que não possam voltar a acontecer de modo idêntico, recordamos aqui essa mesma final através de imagens e páginas do “Livro de Ouro / FC Porto - A História, os triunfos e as imagens de todos os tempos”, edição do jornal lisboeta Diário de Notícias, com patrocínio da Telecel, distribuído durante o ano 2000.


Tendo o desfecho desse jogo tirado ao FC Porto praticamente a taça em disputa, com o golo decisivo a resultar duma evidente falta do avançado polaco Boniek, um dos estrangeiros ao tempo ao serviço da Juventus, tal como o francês Platini que ficou com a ficha manchada pelos casos conhecidos em que ficou associado ao longo dos tempos, além do que para sempre fica ligado ao que se falou e escreveu nesse tempo… mais tarde foi tentado reparar de alguma forma essa realidade em Portugal com a entrega de uma outra taça reparadora. Facto concretizado, finalmente, através de iniciativa dum programa televisivo, chamado “1,2,3” da RTP, por meio de subscrição pública. Havendo a entrega sido efetuada em Outubro de 1984 durante a realização ao vivo duma edição desse programa, então realizado propositadamente num palco da cidade do Porto – conforme se recorda aqui e agora, também, com imagens de reportagem da publicação respetiva do mesmo programa,”123 revista”


ARMANDO PINTO

((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Notabilismo Portista


Quando o FC Porto está ainda a disputar a edição atual da Liga dos Campeões, a “Champions League” que alterou o nome na continuação da Taça dos Campeões Europeus, prova em que também o baluarte azul e branco é um dos poucos clubes recordistas de participações na mais importante prova europeia, serve tal atualidade para trazer à memória algo sobre anteriores feitos, nomeadamente a primeira vez que foi levantada essa taça por homens do FC Porto, e extensivamente o facto de esse ser um dos triunfos que fazem do Presidente-Dragão titularíssimo como recordista entre presidentes de todo o mundo.

Assim sendo, na proximidade da celebração de 30 anos da conquista da primeira grande prova internacional de futebol sénior alcançada pelo Futebol Clube do Porto, que, como todo o mundo sabe, foi a Taça dos Campeões Europeus ganha na final de Viena a 27 de Maio de 1987, está nos propósitos das gentes portistas realizar algumas ações tendentes a assinalar essa efeméride. Como o Jornal de Notícias dá conta na edição desta terça-feira, dia 21 de fevereiro. Entre cujas novidades, além de notícias relacionadas, se fica a saber que, finalmente, será feita justiça ao recorde do presidente Nuno Pinto da Costa, com direito a entrar para o Livro Mundial de Recordes, o Guiness – conforme se regista aqui, para memória, com recorte da respetiva notícia jornalística.

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Boa corrida da equipa W52-FC Porto-Mestre da Cor, culminada com Vitória na etapa final, por Amaro Antunes, na Volta ao Algarve de Ciclismo


Amaro Antunes, do FC Porto, ganhou a última etapa da “Algarvia”, no Alto do Malhão, no encerramento da Volta ao Algarve e conseguiu posicionar-se entre os cinco primeiros, acabando em 5° na Classificação Individual Final.

Ganhar uma etapa e ficar assim bem classificado numa prova onde estavam alguns dos melhores do mundo, com equipas e ciclistas de escala superior, é qualquer coisa de relevo. Diante de tão boa conta dada pelo melhor posicionado dos representantes de equipas portuguesas na mesma competição, como expoente duma ótima prestação do conjunto portista.

Além da vitória individual na etapa rainha e final da Volta ao Algarve, Amaro Antunes ficou ainda em 2º na classificação por pontos e em 3º na Classificação Geral da Montanha, enquanto a equipa W52-FC Porto-Mestre da Cor se colocou na oitava posição da classificação coletiva, entre as vinte equipas participantes.


Amaro Antunes esteve então em alta pedalada na decisão triunfante da quinta etapa de tão concorrida Volta, que teve o esloveno Primoz Roglic (da Team Lotto NL-Jumbo) como vencedor da geral Individual na 43.ª Volta ao Algarve.


Amaro Antunes, um dos três reforços da equipa portista na presente época, está efetivamente a ter um bom desempenho no começo da temporada: Depois de se ter classificado em 3º entre os melhores na etapa rainha da Vuelta a la Comunitat Valenciana, voltou a brilhar agora entre os grandes nomes do WorldTour conquistando a etapa rainha da Volta ao Algarve.

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Reinaldo Teles - Um Homem Fiel do FC Porto


Porque a Memória Portista se faz também fazendo memória  passe a redundância mas com extensão propositada de reforço  e porque pode um motivo especial dar mote para algo que mereça lembrança, serve a preceito a passagem do dia de aniversário respetivo para aqui se fazer uma homenagem assinalável, ainda que por este simples meio, a um nome que figura gloriosamente na História do FC Porto, como é o caso de Reinaldo Teles: Dirigente para sempre ligado a grandes momentos do futebol azul e branco, associado a grandes alegrias da família portista.  


Com efeito, segundo dados conhecidos de publicações normais, neste dia “faz anos” o senhor Reinaldo Teles. Um senhor na vida portista. Sendo que no dia 14 de Fevereiro de 1950 nasceu Reinaldo Teles, figura emblemática do FC Porto, onde entrou como pugilista e mais tarde passou a ser chefe do departamento de futebol profissional do FC Porto, enquanto depois continuou como um dos diretores do FC Porto Futebol SAD e colaborador atento ao futebol do clube.


Dispensa muitas palavras o carisma de tal dirigente, mesmo porque sempre foi mais homem de ação que de palavras. Acrescentando-se simplesmente, como amplexo de parabéns, o que sobre o mesmo, personagem portista em apreço,  está registado no livro “FC Porto figuras  & factos 1893-2005”.


Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Recordando um Nome Portista do passado: João Leite Faria, primeiro presidente da Associação de Futebol do Porto


Um grande Clube como o FC Porto sempre teve e terá grandes pessoas que honram a coletividade em terem representado o seu e nosso clube com ações dignificantes, desde os mais ilustres dirigentes e atletas, aos normais apoiantes, todos os que serviram e prestam serviços em prol do bom nome do Dragão. Em suma, quem cuida o FC Porto com grande dedicação.  

Entre a Gente do FC Porto que passou pela vida clubista, havendo associados mais lembrados e outros nem tanto, é de sempre evocar todos os que algum motivo leva a que em determinados momentos ou datas haja razão de fazer memória sobre eles, em torno do que representam na História do FC Porto. Tal como é o caso desta vez propício, em data coincidente com uma efeméride que, podendo nem ser feliz, calha para dar o mote.

Ora, como bem lembra a missiva oficial "Dragões Diário", a 9 de fevereiro de 1934 morreu «Leite Faria, sócio n.º 3 do FC Porto e primeiro presidente da Associação de Futebol do Porto. O nosso clube foi decisivo na organização do futebol nacional, primeiro através da criação de estruturas locais que regulassem um desporto ainda incipiente no nosso país. Leite Faria desempenhou um papel fundamental para tornar o futebol da região organizado.»

Em homenagem a esse associado portista e dirigente associativo que representou o FC Porto, recordamos tal vulto da história azul e branca. Curvando-nos diante de sua memória, através do que sobre ele está impresso na História do FC Porto escrita por Rodrigues Teles:


ARMANDO PINTO

((( Clicar sobre as imagens para ampliar )))

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

À laia da lenda de D. Caio…


Em tempos que lá vão, quando aqui o autor destas linhas se sentava ainda no banco de carteira da escola primária, era useiro vir à baila uma descrição do livro de leitura, narrando a lenda de um tal D. Caio que pôs medo aos inimigos com fama que matava sete duma vez…

Tal o ditote dum conto popular português sobre um alfaiate medricas mas fanfarrão, que gostava de se gabar. Fingindo-se de valente, a pontos de por uma vez ter tido a sorte de com uma palmada ter morto sete moscas, a partir dali se ufanar que matava sete de uma só vez, levando a confundir ser sete pessoas ou coisa que assim valesse. O que chegou aos ouvidos de seu rei e levou a que esse gabarola fosse posto a substituir um guerreiro desaparecido em combate, conhecido por D. Caio, muito temido por sua valentia. E o certo é que o fala barato, colocado no cavalo antes montado pelo D. Caio e posto a cavalgar a galope, com tamanho susto desatou a gritar: - eu caio, eu caio. Ouvindo tal, em confusão, os inimigos pensaram que o temido guerreiro estava vivo, e sem olhar para trás desataram a fugir… como contava a história.

Ora desta vez, no caso que faz lembrar esse conto, não foi por bazófia a história, mas por alarde de antecipação, que um só até parece ter chegado para sete. Tal o que mais parece da fotografia de ilustração… Quão certo é que num Tiquinho do campo, em pleno relvado do Dragão, um só, o atacante Soares do FC Porto chegou para sete… e restantes, até, quantos os que estavam à sua beira. Pois eram mais, com os onze que vestiam a camisola do clube adversário e outros… os da outra camisola tradicionalmente mais adversos ainda. Enquanto o povo, nas bancadas e em tudo o que era sítio onde se viu, ouviu e leu sobre aquilo, gritava a cada golo (como que pensando, pela certa): nós cá matamos aos milhões! – pelo menos (em desejos e manias), os adeptos do clube do outro lado do campo e, por junto, extensivamente, também os tais fanfarrões que se gabam de ser mais que nem eles sabem quantos milhões…!  


Armando Pinto 
»»»» ((( Clicar sobre a imagem, para ampliar ))) ««««