Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

quarta-feira, 20 de março de 2019

Prolongado o vínculo entre Casillas e o FC Porto: «"Iker Casillas é uma figura do futebol mundial e também já é uma figura do FC Porto», como afirmou Pinto da Costa, dando voz ao universo do sentimento portista


IKer Casillas prolongou seu contrato com o FC Porto, o mesmo querendo dizer que o FC Porto aumentou o tempo de duração de sua ligação contratual com o famoso e valioso guarda-redes que já foi Campeão da Europa e do Mundo, assim como atualmente é de Portugal, também. Significando que Iker Cassillas e o FC Porto vão continuar ligados mais tempo, após alongamento do contrato, continuando San Iker a ser guarda-redes doo FC Porto e o FC Porto a ser o clube onde Casillas continua sua brilhante carreira desportiva.


Casillas quando veio para o FC Porto acabou por vir engrandecer o FC Porto, além de dar maior visibilidade ao campeonato português e, sobretudo, como ícone do futebol mundial, veio mediatizar mais o futebol português, de modo que no estrangeiro passou a ser melhor conhecido o sistema protetor ao Benfica e consequentemente prejudicial ao FC Porto, como por extensão a tudo o que seja melhor fora de Lisboa… O que levou a que na época tivesse havido oposição à sua entrada no FC Porto, de modo particular pela comunicação social anti-Porto, mais afetações a outros níveis e influências espalhadas por quadrantes diversos. Tendo o seu valor conseguido superar tudo, de forma que aí está como guarda-redes efetivo do clube atualmente Campeão de Portugal.


Naturalmente que a sua vinda para o FC Porto foi bem vista pelos adeptos apoiantes do FC Porto, e pessoalmente até com satisfação manifestado neste blogue, quer aquando da sua chegada como no decurso da sua prestação na defesa das balizas portistas. E, passados quatro anos, continua como guarda-redes já histórico do FC Porto. Com contrato prolongado, acima do acordo firmado até à época em curso, agora por mais uma outra época e ainda mais uma outra de opção.


Com efeito, nesta quarta-feira imediata ao Dia de São José, porque os portistas são mesmo bons chefes de família, é assim prestada homenagens aos Pais Portistas, como prenda no âmbito do Dia do Pai (do dia 19, anterior). Visto tudo ter ficado selado ainda no próprio dia e apenas o contrato foi reconhecido publicamente na data imediata, à quarta-feira 20 de março.


Aliás já na terça-feira, na gala da Liga Espanhola em que Casillas esteve presente como nomeado Embaixador em Portugal de La Liga, o campeonato do país vizinho, já o próprio Casillas anunciara publicamente essa feliz novidade, tendo afirmado que conta acabar a sua carreira de guarda-redes no FC Porto.


Então, o guarda-redes espanhol revelou à imprensa espanhola, com natural difusão por todo o mundo e inclusive chegando a Portugal tal notícia, que ia renovar por mais tempo com o FC Porto, pensando assim terminar a carreira no Dragão.


«Iker Casillas garantiu esta segunda-feira que vai acabar a carreira no FC Porto. O guarda-redes espanhol, que anunciou já ter o acordo alinhavado para renovar com os dragões, afirmou que vai vestir a camisola dos azuis e brancos até aos 40 anos. "Posso dizer que desde que cheguei a Portugal, Pinto da Costa tratou-me sempre muito bem, com muito carinho. Esta semana creio que vou renovar até aos 40 anos com o FC Porto. Seguramente terminarei a carreira aqui e depois vou dedicar-me a outras coisas", garantiu o espanhol.»


Casillas, recorde-se, chegou ao FC Porto em 2015 e conquistou um Campeonato Nacional (Primeira Liga) e uma Supertaça pelos Dragões.

Nesta data da continuação de interligação das duas partes, ficaram como frases fortes, ou de títulos da ocorrência, como os dois intervenientes na assinatura do contrato: Em representação do FC Porto, Jorge Nuno Lima Pinto da Costa afirmou: "Iker Casillas é uma figura do futebol mundial e também já é uma figura do FC Porto." Por seu lado o valoroso guardião portista, Iker Casillas, reforçou: "Quero ficar aqui até acabar a minha carreira como futebolista"!


Iker Casillas é já portista e ícone do campeonato português. Tanto que por vezes até aparece escrito, em vez de Casillas, como Casilhas!

Nota: A propósito desta feliz notícia de Março de 2019, recorde-se o que neste blogue ficou registado aquando da sua aquisição pelo FC Porto, em 2015 (então junto com Máxi Pereira):
(clicando em)

Tal como, de seguida, ao início da época de 2015/16, por enriquecer a galeria de grandes guarda-redes da História do FC Porto...
(em)

Bem como, depois, felicitando-o, aquando de seu aniversário, em 2017
(em)

… E aquando da sua primeira renovação em 2018:
(em)

Assim como mais algumas vezes,  de permeio, em que houve oportunidade de lhe dedicar mais artigos de espírito memorial portista.

ARMANDO PINTO

((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

terça-feira, 19 de março de 2019

"Bi-Bota" Fernando Gomes entronizado Irmão da Misericórdia do Porto



Como forte elemento sócio-cultural representativo dos valores portucalenses, o FC Porto viu um seu elemento representativo, o histórico “Bi-Bota” Fernando Gomes, também ser distinguido por uma das mais emblemáticas instituições da cidade Invicta, como é a Misericórdia do Porto  em sessão solene comemorativa dos 520 anos desse organismo de cumprimento das sacras ordens de misericórdia.


Então, em cerimonial decorrido no Museu e Igreja da Misericórdia do Porto, teve lugar no domingo anterior ao Dia do Pai tal ato de grande significado. No âmbito das respetivas comemorações, culminadas no passado domingo 17 de março, quando a Misericórdia do Porto celebrou o seu 520.º aniversário com uma missa solene. Acrescendo ao programa o facto de no decorrer da própria comemoração a instituição haver sido distinguida pelo Observatório Internacional dos Direitos Humanos.


Nessa mesma celebração, em plena igreja privativa da instituição, na rua das Flores, após missa solene presidida pelo Bispo do Porto, D. Manuel Linda, houve a cerimónia de entronização de novos Irmãos da Misericórdia. Entre os quais foi distinguido o portista Fernando Mendes Soares Gomes, figura pública como antigo futebolista do Futebol Clube do Porto, o Fernando Gomes que foi ‘bi-bota’ de ouro e atualmente desempenha funções representativas no dirigismo do clube Dragão.  


Após isso, esse mesmo “Gomes do Porto” declarou, sintetizando a ocorrência: «Faço já parte de uma grande instituição, que é o FC Porto, e agora também é uma honra fazer parte da Misericórdia, sobretudo porque estou disponível para trabalhar e ajudar os mais necessitados», disse ao próprio Canal da Misericórdia. Acrescentando ainda o mesmo Fernando Gomes: «Se tudo o que tenho feito der para motivar outros a virem ajudar o próximo e a Misericórdia, ficarei contente».


Como ilustração desse eloquente ato juntam-se algumas imagens, com a devida vénia, através de fotos da página informática da referida instituição da Cidade da Virgem.

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

segunda-feira, 18 de março de 2019

Reconhecimento aos dois treinadores campeões europeus do hóquei em patins do FC Porto


As grandes instituições vêm-se e revêm-se nas mais nobres atitudes, seja em simples como elevadas ações. Tal o caso do grandioso FC Porto que, nalgumas ocasiões em que se proporciona oportunidade, ainda sabe ter reconhecimento de gratidão a quem faz parte de bons momentos da coletividade. Como foi o caso de, no passado sábado, aquando do importante jogo entre as equipas principais do hóquei do FC Porto e do Sporting, o Porto-Sporting que podia decidir o campeonato em curso (e para já colocou o FC Porto isolado no comando da prova), convidou os dois antigos treinadores campeões europeus do FC Porto para assistirem, no camarote presidencial do Dragão Caixa, a esse jogo da época portuguesa. Numa apreciável atitude de homenagem e perene gratidão, qual reconhecimento público a dizer que jamais serão esquecidos, esses dois antigos hoquistas de fino recorte que, como treinadores, foram obreiros da orientação que levou aos dois títulos de Campeões Europeus até agora conquistados para o FC Porto.

Esses mesmos dois grandes nomes do Hóquei do FC Porto, quanto a mim, merecem com efeito ser perpetuados no ambiente memorial do clube. Cristiano naturalmente tem sido mais lembrado no universo do mundo portista em virtude de haver sido durante muitos anos o principal representante dessa modalidade no seio do clube azul e branco, tendo ao longo de muitos anos sido o único jogador do hóquei portista a ir à seleção principal portuguesa do desporto dos patins. E o Zé Fernandes faz parte das memórias igualmente do tempo em que o hóquei do clube dragão começou a ter visibilidade no panorama nacional e internacional. Sendo alguns dos que merecem maior destaque no museu do clube, inclusive com Cristiano a ter sido também um dos quatro primeiros campeões europeus do clube como atletas (mais Castro, António Júlio e Fernando Barbot, ao terem sido campeões de hóquei patinado pela seleção nacional de juniores em 1969, como jogadores do FC Porto; e dos quais três eram os primeiros formados no clube com essa honra), além de já em 1968 Cristiano ter sido o primeiro hoquista formado no FC Porto que chegou a internacional. Assim como merece não ficar esquecido o facto de Acúrcio Carrelo ter sido, em 1957, o primeiro internacional sénior do hóquei em patins do FC Porto. Ao qual, em 1971 sucedeu o segundo internacional sénior do clube, Cristiano. Entre fastos dignos de figurarem nos anais do clube e serem mostrados à posteridade entre estrelas museológicas.  

Aliás Fernandes noutros tempos teve até uma curiosidade relacionada com sua importante ligação ao FC Porto. Como ocorreu aquando duma Festa do Hóquei em Patins do FC Porto decorrida em 1971, quando ele estava ausente a cumprir serviço militar nas longínquas paragens de Timor. Em tempo que no país ainda se vivia a fase das províncias ultramarinas e a guerra colonial, enquanto no FC Porto havia um espírito de família que unia gente do ambiente interno e pessoas afetas embora apenas como apoiantes, por exemplo. 


Essa  festa realizou-se no antigo pavilhão de treinos das Antas (pois ainda não existia o de jogos), na tarde de 8 de Dezembro, que era feriado e dia santo, ao tempo, ainda considerado Dia da Mãe, também. Sendo no caso a festividade  portista tida como Dia do Hóquei em Patins.

Disso, como mero exemplo de recordação, junta-se parte duma crónica então publicada no jornal O Porto, através de cuja mensagem um articulista desse órgão jornalístico oficial do clube, Domingos Amarelhe, mostrava como o FC Porto era já então “NÃO SÓ CLUBE GRANDE, MAS UM GRANDE CLUBE”:


Pela parte que toca a este espaço de Memória Portista, Cristiano e Zé Fernandes, entre outros, merecem tudo e muito mais.

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

domingo, 17 de março de 2019

Taça de Portugal de Basquetebol/2019 é do FC Porto. No topo dum fim de semana vitorioso para o mundo portista, só não totalmente feliz por a mala encarnada continuar ativa no futebol profissional…


Havia a secreta esperança que desta vez o FC Porto, no desporto da bola ao cesto, conseguisse finalmente superar o confronto diante da Oliveirense, equipa campeã em título e que esta época estava a parecer insuperável. Embora com receio particular que qualquer coisa impedisse a vitória na Taça que há alguns anos não vinha para o Porto. Mas felizmente tornou-se realidade esse anseio e a Taça de Portugal desta época de 2018/2019 é do FC Porto.


Com efeito o FC Porto conquistou ao final da tarde deste domingo de meio de março a Taça de Portugal do “Basqete”. Fazendo afluir às veias mais seiva empolgante, como sentimos pelas imagens da televisão conquistarmos mais essa taça, como se lá estivéssemos, pois quem jogou jogou por nós e quem ali esteve presente fisicamente apoiou por todos nós. Dando para sentir orgulho nos consócios que vimos nas bancadas daquele pavilhão do Algarve, alguns já caras conhecidas dos meios da convivência sócio-informática portista e todos com algo especial como é o sangue que corre para o coração com o mesmo pulsar. Como se via e sentimos pelas manifestações e sensibilização patente na simbologia azul e branca dos adereços identificativos.


Foi pois um fim de semana bem positivo, desde as vitórias dos jogos da fase final a oito de apuramento para a final desta Taça; passando pela grande vitória do hóquei em patins portista sobre o Sporting, a isolar o FC Porto no comando do campeonato do hóquei patinado; até à outra grande e importante vitória do andebol azul e branco ao eliminar o Sporting também da caminhada da respetiva taça; mais a vitória da equipa principal de futebol que dá para continuar na luta pelo campeonato da Liga. Apenas não sendo melhor porque no futebol profissional o Benfica ganhou mais um jogo com os favorecimentos habituais, na costumeira habituação de que em Portugal a corrupção continua a ser branqueada e o crime batoteiro compensa.  

Enquanto isso nas modalidades de pavilhão desta vez não houve tanta influência externa como doutras vezes, e quer o Benfica como o Sporting ficaram fora da Taça de Portugal de Andebol, o Sporting viu-se relegado para o segundo lugar no Hóquei sobre rodas, e no Basquetebol  o Benfica ficou fora da carroça logo ao primeiro jogo da fase final; enquanto o FC Porto foi vencendo os obstáculos e, chegado à final, ergueu a Taça. Mais uma taça que fica a enriquecer o historial do FC Porto e fará parte do Museu FC Porto by BMG.


Porque estes momentos merecem ficar registados em tudo quanto é Memória Portista, anota-se neste espaço também a devida ficha, através do que é da página informática oficial do FC Porto:


« 17 DE MARÇO DE 2019
Vitória frente à Oliveirense (83-80) garantiu a conquista do troféu que fugia ao palmarés azul e branco desde 2012

O FC Porto conquistou a Taça de Portugal pela 14.ª vez ao vencer, este domingo, a Oliveirense por 83-80. Uma grande recuperação na segunda parte permitiu aos azuis e brancos conquistar o troféu, algo que a equipa de Moncho López não conseguia desde 2012.

O bom início dos azuis e brancos permitiu à equipa portista alcançar uma vantagem de 13 pontos no segundo período. Os atuais campeões nacionais responderam ainda na primeira parte e fixaram o resultado em 39-39 no caminho para os balneários.


A Oliveirense manteve o bom momento na segunda parte e conseguiu terminar o terceiro período a vencer por 11 pontos. Os Dragões nunca deixaram de acreditar e, já nos derradeiros dez minutos, confirmaram a reviravolta no resultado, com um triplo de Will Sheehey.

A vitória azul e branca foi confirmada a 45 segundos do final. Depois de um lançamento falhado do camisola 16, Will Graves conquistou o ressalto ofensivo e colocou o FC Porto a vencer por mais de uma posse de bola.


Brad Tinsley, com 20 pontos, quatro ressaltos e quatro assistências, foi o MVP da final. Will Sheehey (18 pontos, seis ressaltos e duas assistências), Will Graves (11 pontos, 12 ressaltos e três assistências) e João Soares (12 pontos, sete ressaltos e duas assistências) também estiveram em destaque na partida.

Com esta vitória, a equipa portista conquista a Taça de Portugal pela 14.ª vez. A festa começa no Algarve e termina no Museu FC Porto, quando os atletas azuis e brancos entregarem o troféu que fugia à cidade invicta desde 2012.


FICHA DE JOGO

FC PORTO-OLIVEIRENSE, 83-80
Taça de Portugal, final
17 de março de 2019
Portimão Arena


FC PORTO: Brad Tinsley (20), João Soares (12), Will Sheehey (18), Will Graves (11) e Sasa Borovnjak (12)
Suplentes: Vlad Voytso, Pedro Pinto (4), António Monteiro (2), Miguel Queiroz (1), Ferrán Ventura (3), Pedro Bastos e Diogo Araújo
Treinador: Moncho López

OLIVEIRENSE: Travante Williams (15), Eric Coleman (12), José Barbosa, Marc-Eddy Norelia (15) e James Ellisor (14)
Suplentes: André Bessa (15), João Guerreiro (2), Francisco Albergaria, Renato Azevedo, Rui França, João Balseiro (1) e Marko Loncovic (6)
Treinador: Norberto Alves

Ao intervalo: 39-39
Parciais: 24-15, 15-24, 14-25, 30-16 »


E assim a Taça de Portugal, aquela taça que se tem visto e voltou a ver com suas chapas históricas de todos os lados, volta a ser do FC Porto.


Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

sexta-feira, 15 de março de 2019

A propósito duma efeméride… Atividade clubista e parlamentar do Presidente Portista Dr. Urgel Horta


A 15 de Março de 1958 o Dr. Urgel Horta e o Dr. Moreira de Sousa, antigos Presidentes da Direção, foram nomeados Sócios Honorários do FC Porto em Assembleia Geral de Associados do clube.

Ao Dr. Urgel Abílio Horta já aqui se fez menção recordatória por diversas vezes; enquanto do Dr. José Carvalho Moreira de Sousa nem tanto. Além de referência personalizada, por ter sido o Presidente do FC Porto no tempo em que nasceu aqui o autor destas linhas… tendo sucedido no cargo precisamente ao Dr. Urgel Horta.

Ora, o Dr. Moreira de Sousa também merecerá memorização adequada, em devido tempo. Mas ainda há mais sobre o Dr. Urgel a merecer atenção.


Era o Dr. Urgel Horta um distinto cidadão oriundo de Trás-os-Montes que se arreigou à cidade do Porto, onde fez a sua licenciatura na Academia portuense. Tendo, depois de formado e após natural doutoramento em sua especialidade de Oftalmologista, sido médico diretor no Hospital de Santo António e tido consultório na Rua Alexandre Braga, junto ao Mercado do Bolhão (como ilustramos com cartão do endereço respetivo). Sem nunca esquecer sua região natal, a ponto de em 1952 ter levado uma equipa do FC Porto à sede de seu concelho, Moncorvo, por ocasião da proximidade (cerca de mês e meio antes) da inauguração do estádio das Antas.  

Dessa ocorrência, acontecida a 13 de Abril de 1952, “falam” bem algumas imagens coevas. Tendo o Dr. Urgel ficado no retrato da equipa do FC Porto presente a esse jogo, junto com o famoso António Araújo, já em fim de carreira, que por assim dizer, como figura emblemática, chefiava o misto de efetivos e reservistas do plantel portista... 


De tal prélio amigável, da visita com que a embaixada do FC Porto levou um abraço a Torre de Moncorvo, de onde era natural  (nascido em Felgar-Moncorvo), assinale-se que na pose de conjunto o Dr. Urgel Horta está de pé, na fila de cima, entre Araújo e os restantes jogadores, entre os quais se reconhece o então ainda jovem guarda-redes Américo.


... Bem como sua esposa deu o pontapé de saída do encontro a que o próprio Presidente assistiu, nas condições que o recinto permitia…


... E do mesmo jogo, em lugar de destaque da assistência, vê-se ao meio da fila da frente ele mesmo, o Presidente Urgel Horta.

Volvidos alguns anos, após ter deixado a presidência do FC Porto e já com assento na Assembleia em Lisboa, foi então distinguido a par com seu sucessor, em Assembleia Geral do FC Porto.

Assim, na oportunidade desta efeméride, acrescenta-se algo mais sobre o Dr. Urgel Horta, um Presidente histórico por ter ficado associado a um dos marcantes factos da história portista, sendo ao tempo de sua última presidência que o FC Porto passou a ter o estádio das Antas. A cuja inauguração, em 1952, até ficou ligada sua fisionomia nas imagens correspondentes. Tendo, entretanto, a partir de 1953 passado a ser também Deputado da Nação.


Para que se veja como foi ativo nessa função, no órgão legislativo do Estado Português e segundo órgão de soberania da nação, contrariamente a tantos que se sentaram e sentam no hemiciclo nacional sem grande papel, damos nota da sua atividade parlamentar, segundo consta no arquivo histórico do Palácio de São Bento. Esclarecendo, quanto a artigos por vezes difundidos com mentiras em locais de divulgação pública, que o Dr. Urgel Horta procurou pugnar por interesses do Norte do país mas sem misturar política com desporto. Tanto que na sua folha de serviço, em seu currículo de Deputado, não ficou registada qualquer intervenção ou interferência relacionada com o FC Porto.

Como tal, dessa prerrogativa se assinala seu labor com registo de sua ficha oficial como elemento da Assembleia Nacional.


 = Na Sessão Preparatória da VI Legislatura da Assembleia Nacional de 1953-57, realizada em 27 de Novembro de 1953: Conversa entre deputados destacáveis, entre os quais o Dr. Urgel. 
(Da esquerda para a direita: António Bartolomeu Gromicho, António de Almeida Garrett, Urgel Abílio Horta e António Augusto Esteves Mendes Correia; e, ainda à esquerda mais ao fundo, António Cortez Lobão.) =

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

quarta-feira, 13 de março de 2019

A (minha) “Pele Portista”


Surgido recentemente um novo e vistoso livro de grande impacto clubista como é a recente obra “A Pele do Dragão”, esse grande volume naturalmente despertou a curiosidade e sobretudo interesse do adepto portista autor deste blogue. E assim, vencendo a distância física e sobrepondo outras condicionantes pessoais, através de pessoa amiga que correspondeu amavelmente à mediação para o respetivo envio, já cá está esse mesmo livro a completar e enriquecer a biblioteca particular aqui de casa.


Assim sendo, já está mesmo entre livros com História Portista... para consulta e deleite.


Esse grande livro naturalmente tinha de fazer parte do meu acervo portista, do que tem sido possível juntar e guardar com o cuidado e carinho de apreço por tudo o que merece valorização aos olhos e coração daqui… Sendo que, a seu jeito e dentro de seu género, o referido livro reflete parte da história do FC Porto contada através de camisolas de jogo, reunidas numa obra inédita em Portugal, bem como no âmbito portista, na atualidade.


A propósito, embora não tendo (aqui o autor destas linhas) particularmente grande número de camisolas do FC Porto, mas apenas algumas de recordações pessoais e escassas ofertas amigas, alguma coisa também consta do pequeno núcleo que envolve o espaço doméstico de passatempo, tipo escritório ou ateliê particular. Como que a completar de certo modo a maior relevância da biblioteca, onde a história é mais alargada em documentação escrita e visual. E, com estas e outras, a vida tem mais encanto, de coração cheio, com olhos e sentidos rasos de azul e branco.


Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))