Reconstituição Histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Reconstituição histórico-documental da Vida do FC Porto em parcelas memoráveis

Criar é fazer existir, dar vida. Recriar é reconstituir. Como a criação e existência deste blogue tende a que tenha vida perene tudo o que eleva a alma portista. E ao recriar-se memórias procuramos fazer algo para que se não esqueça a história, procurando que seja reavivado o facto de terem existido valores memorávais dignos de registo; tal como se cumpra a finalidade de obtenção glorificadora, que levou a haver pessoas vencedoras, campeões conquistadores de justas vitórias, quais acontecimentos merecedores de evocação histórica.

A. P.

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Trinta Anos do desaparecimento físico do senhor Fernando Barbot, histórico dirigente do Hóquei associativo e portista


A 21 de agosto de 1989 faleceu o grande dirigente do hóquei em patins senhor Fernando Barbot, então com 65 anos. Faz agora em 2019 precisamente 30 anos desse desaparecimento físico, de seu falecimento.

Nascido em Fevereiro de 1924, Fernando A. Barbot Costa foi um cidadão distinto da cidade do Porto,  de onde era natural e residente, conhecido como farmacêutico e também dirigente desportivo. Tendo sido diretor e proprietário duma farmácia junto do mercado do Bolhão, além de ter sido dirigente representativo da Associação Nacional das Farmácias-Delegação do Norte; e mais ainda diretor na Associação de Patinagem do Porto (APP) e no Futebol Clube do Porto (FCP). Primeiro como Vice-presidente e depois Presidente da APP, e de seguida Chefe de Secção de Hóquei em Patins do FCP. Mais tarde reconhecido como Sócio Honorário da Associação de Patinagem do Porto. E de permeio associado de cotas pagas de diversos clubes portuenses, entre os quais naturalmente se cotou como prestigiado sócio efetivo do FC Porto.


Evocando sua memória, recordámo-lo nas funções de Presidente da Associação de Patinagem do Porto na homenagem prestada pela sua APP aos primeiros hoquistas internacionais juniores da área portucalense, quando Cristiano e Castro bem representaram a Associação e o FC Porto na Seleção Nacional Júnior presente no Europeu de Juniores de Vigo em 1968. Tendo a entidade associativa sido parceira nessa homenagem prestada aos dois jovens internacionais, em festival alusivo realizado no rinque da Constituição, incluindo uma das taças do certame haver tido seu nome, a Taça Barbot que esteve em disputa num dos dois jogos realizados, no caso entre a equipa de Reservas do FC Porto e a equipa principal do Fânzeres (enquanto no outro, entre as equipas principais do FC Porto e do Infante de Sagres, foi entregue ao vencedor a Taça Henrique de Carvalho, ao tempo chefe da Secção de Hóquei do FC Porto. Tendo o Fânzeres levado a Taça com o nome do Presidente da Associação, e a equipa principal do FC Porto ganho a outra, na cifra de vitória por 3-1 sobre a equipa dos irmãos Rendeiros, com 2 golos de Cristiano e 1 de Leite) 


Também, no seguimento deste preito evocativo, é de recordar que, nas mesmas funções como dirigente associativo, esteve presente no jantar de homenagem aos Campeões Metropolitanos de 1969, como a foto anexa documenta (estando ao lado de Jorge Nuno Pinto da Costa, à época Chefe de Secção do hóquei em Patins do FCP, vendo-se também ao fundo alguns dos hoquistas que conquistaram para o FC Porto esse Campeonato Metropolitano).


Por fim, em homenagem merecida, lembrámo-lo como Chefe de Secção, recortando do jornal O Porto uma entrevista de 1971 relacionada com casos desse tempo, em que como dirigente portista soube bem defender os interesses do FC Porto.


O senhor Fernando Barbot Costa, pai dos hoquistas Fernando, Luís e João Paulo Barbot, foi um dos elementos agraciados em 1973 com um distintivo honorífico, aquando da inauguração do Pavilhão Gimnodesportivo das Antas, o pavilhão de jogos mais tarde rebatizado com o nome de Américo Sá (por ter sido durante a sua presidência que foi construído, assim como o de treinos, ao lado, foi chamado Afonso Pinto de Magalhães, sendo como foi edificado durante a presidência do antecessor).

Desaparecido fisicamente em 1989, o senhor Fernando Barbot (pai) continua presente na memória portista, como um grande portista e histórico dirigente do hóquei azul e branco. Mantendo-se vivo como constante recordação, e como tal, enquanto houver quem dele tenha memória, continua presente na recordação viva. Quão poetou Camões dos ilustres "aqueles que por obras valerosas se vão da lei da Morte libertando".  

Armando Pinto
((( Clicar sobre as imagens, para ampliar )))

Sem comentários:

Publicar um comentário